Escritas do Tempo https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo <div align="justify"> <p>A Revista Escritas do Tempo nasce com uma das primeiras ações do Programa de Pós-Graduação em História (PPGHIST) da Unifesspa, constituindo espaço especializado para publicação de artigos, dossiês, entrevistas e resenhas. Trata-se de uma revista online de <strong>acesso aberto</strong>, imediato e gratuito, com fluxo contínuo de recebimento de propostas de publicação, permitindo diferentes perspectivas de análise, sujeitos históricos, interrogações, reflexões, temas e temáticas de estudo, por diferentes ângulos teóricos e metodológicos.</p> <div align="justify">&nbsp;</div> </div> UNIFESSPA/PPGHIST pt-BR Escritas do Tempo 2674-7758 <p><a href="http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/" rel="license"><img style="border-width: 0;" src="https://i.creativecommons.org/l/by/4.0/80x15.png" alt="Licença Creative Commons"></a><br>Este obra está licenciado com uma Licença <a href="http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/" rel="license">Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional</a>.</p> Editorial https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1530 <div style="text-align: justify;"> <p>Dimensões como o tempo histórico linear, evolutivo e eurocêntrico, numa concepção de História dos grandes temas e cânones, evidenciadas na produção didática até a década de 1990, revelam tensões quanto a saberes e conhecimentos ainda hoje presentes em nossa área. Muitas vezes, embasados em categorias coloniais, nossos livros didáticos, nossas narrativas e nossas linhas interpretativas reforçam plataformas discursivas racializantes, ocidentalizadas e simplificadas dos processos históricos. Silêncios e banalizações podem provocar distorções na e sobre a História ensinada (CONCEIÇÃO, 2017). A História e seu ensino requerem reflexões críticas e construtivas, no sentido de compreender processos, escolhas e intenções quanto aos acontecimentos e partícipes.</p> </div> Karla Leandro Rascke Geovanni Gomes Cabral Erinaldo Vicente Cavalcanti Marcus Vinicius Reis ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-12-17 2020-12-17 2 6 1 2 10.47694/issn.2674-7758.v2.i6.2020.0102 O Ensino de História entre lutas, alegrias e esperanças https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1531 <div style="text-align: justify;"> <p>Este dossiê fecha o ano de publicação de 2020; um ano marcado pelas experiências dolorosas que resultaram em mais de 180 mil vidas ceifadas pela pandemia causada pela Covid-19. Esses dados não levam em consideração as vidas perdidas que não entraram na contagem oficial, nem aquelas cuja causa da morte foi atribuída à síndrome respiratória aguda grave (SARS, do inglês Severe Acute Respiratory Syndrome). Portanto, já é motivo de alegria e esperança o fato de chegarmos ao fim do ano de 2020 vivos — mesmo com a lida relacionada às perdas pessoais e coletivas — e estarmos com saúde, produzindo reflexões sobre o Ensino de História.<br>Todavia, também experienciamos sentimentos de preocupação, sobretudo com o atual cenário político do Brasil, que mostra a crescente polarização e ascensão de posturas e práticas fascistas no País. As políticas públicas de Educação igualmente despertam preocupação, em especial a política direcionada à formação do professor. Uma formação que se fundamenta na Resolução do Conselho Nacional de Educação (CNE) nº 2, de 20 de dezembro de 2019, que estabelece as diretrizes para a formação docente.</p> </div> Erinaldo Vicente Cavalcanti Helenice Rocha ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-12-17 2020-12-17 2 6 3 10 10.47694/issn.2674-7758.v2.i6.2020.0310 Livros didáticos e formação de professores: questões para o Ensino de História https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1355 <p>O presente artigo tem por objetivo examinar (investigar, caracterizar e compreender) as relações entretidas no Brasil entre Livro didático o livro didático de História e a formação profissional de docentes, tanto a formação do profissional de História, responsável pelo ensino da História aos alunos do Ensino Fundamental II e Médio, quanto a formação do chamado professor generalista (em sua grande maioria pedagogos) responsáveis pelo ensino da História aos alunos do Ensino Fundamental I. Refletir sobre a importância desse material na formação dos alunos e discutir a necessidade de uma maior exploração do livro didático na formação inicial de professores.</p> Almir Félix Batista de Oliveira ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-12-17 2020-12-17 2 6 11 35 10.47694/issn.2674-7758.v2.i6.2020.1135 As representações da catequese jesuítica nos livros do PNLD: abordagens do passado colonial e possibilidades de aprendizagem histórica https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1366 <p>O texto que ora se apresenta visa problematizar as narrativas didáticas sobre o período colonial brasileiro tomando como tema de entrada a atuação da Companhia de Jesus, e tomando como fontes de análise os livros de História do 7º.ano das três coleções didáticas mais distribuídas para os alunos dos anos finais do Ensino Fundamental nas edições de 2017 e 2020. Objetivamos investigar e analisar o diálogo entre a historiografia acadêmica e a historiografia escolar sobre a América portuguesa, tanto em relação aos conteúdos históricos apresentados quanto às abordagens historiográficas adotadas; identificar e analisar os sentidos atribuídos ao passado colonial pelos livros didáticos selecionados; e, ainda, refletir sobre as possibilidades de aprendizagem histórica oferecidas por essas narrativas.</p> Camila Corrêa e Silva de Freitas ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-12-17 2020-12-17 2 6 36 57 10.47694/issn.2674-7758.v2.i6.2020.3657 Da construção do estereótipo de selvagem à representação do indígena brasileiro no livro didático de História https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1347 <p>Este artigo aborda a maneira como se construiu o estereótipo de selvagem, fato responsável por negar aos indígenas seu direito à diferença e apagá-los como sujeitos de nossa história. Aborda também o revisionismo histórico das décadas de 1980 e 1990, destacando a Constituição de 1988 como responsável por recolocar o indígena na história, garantindo sua cidadania e reconhecendo seu direito à diversidade. Mais tarde, numa tentativa de superar estereótipos, foi aprovada a Lei nº 11.645/08, passando a ser obrigatório o ensino de história e cultura indígena nas escolas brasileiras. Nesse sentido, analisaremos uma coleção de livros didáticos para o Ensino Médio produzida em 2016, observando como é representada a cultura indígena nesses livros e verificando, em que medida, os antigos estereótipos estão sendo superados e dando lugar a um novo olhar sobre o indígena brasileiro.</p> <p>Palavras-chave: Povos indígenas – História indígena – Lei 11.645/08 – Livro didático</p> Roberta Fernandes Santos ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-12-18 2020-12-18 2 6 58 73 10.47694/issn.2674-7758.v2.i6.2020.5873 A Revolução Cubana: representações generificadas em um livro didático de história https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1251 <p>O artigo é uma análise das representações da Revolução Cubana em um manual didático, utilizado no Campus do IFPR de Telêmaco Borba. Para analisar o manual se observa algumas interpretações da historiografia sobre a Revolução Cubana e textos publicados nos primeiros anos da Revolução, entre 1959 e 1965, os quais são percebidos como precursores nas narrativas que analisam o processo revolucionário. A categoria gênero é central na análise das representações presentes no manual, considerando que são construtores de consciência história, a partir de J. Rüsen. Portanto, a partir de J. Scott, R. Chartier, J. Courtine e R. Connel foi problematizada a representação da Revolução Cubana, presente no manual didático, observando os sujeitos silenciados pela representação e dialogando com o conceito de virilidade.</p> <p>&nbsp;</p> Andrea Mazurok Schactae ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-12-17 2020-12-17 2 6 74 92 10.47694/issn.2674-7758.v2.i6.2020.7492 Formação de professores de História: implicações a partir da BNCC e da DCN-BNC https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1325 <p>O objetivo deste artigo é analisar as implicações da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (DCN-BNC) na formação de professores de História. Realiza pesquisa documental e bibliográfica. Conclui que as recentes reformas operam um reducionismo na formação docente com sérias implicações que não se limitam à sala de aula. Afirma que a formação de professores de história que, no seu fazer, se recusam a ser meros técnicos perseguidores de melhorias mensuráveis nos indicadores de testes sistêmicos implica assunção da responsabilidade ética da desobediência por parte dos docentes dos cursos de licenciatura em história.</p> Renilda Vicenzi Bruno Antonio Picoli ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-12-17 2020-12-17 2 6 93 117 10.47694/issn.2674-7758.v2.i6.2020.93117 A formação docente em Laboratórios Universitários de ensino de História através da produção de materiais didáticos: a experiência do LEHRB-UFRB https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1252 <p>O objetivo desse trabalho é analisar uma experiência de formação de professores de História em laboratórios universitários de ensino de História. Espaços institucionais voltados ao ensino, à pesquisa e extensão universitária nos cursos de licenciatura, seu número aumentou bastante nos anos 2000, motivando artigos e teses sobre esse tema. No artigo vamos nos deter nas atividades do Laboratório de Ensino de História do Recôncavo da Bahia (LEHRB), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). Primeiro abordaremos a formação, atividades e projetos entre 2009 e 2017, e como condicionaram percepções sobre esse espaço, para então expor e analisar três experiências de produção de materiais didáticos. Complexa e interdisciplinar, tais experiências permitiram aos professes e graduandos exercitarem seus saberes históricos e pedagógicos, lidar com saberes distantes da formação como informática e artes visuais, e, sobretudo, exercer sua autonomia docente ao definir e conduzir o processo de elaboração</p> Leandro Antonio de Almeida ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-12-17 2020-12-17 2 6 118 148 10.47694/issn.2674-7758.v2.i6.2020.118148 Um olhar sobre o ensino de História nos museus de ciência https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1350 <p>A partir das variadas definições de museus e de seus potenciais educativos, pretendemos analisar nesse estudo, em consonância com a Declaração do Rio de Janeiro e outros decretos/leis, os museus de ciência como divulgadores da cultura científica, e suas relações entre ciência, tecnologia, sociedade e História, explorando as possibilidades de integração com o Ensino de História.</p> Déborah Roberta Santiago Chaves Vilela Zenaide Gregório Alves Rozeane Porto Diniz ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-12-17 2020-12-17 2 6 149 166 10.47694/issn.2674-7758.v2.i6.2020.149166 Uma reflexão sobre os limites materiais do ensino crítico da história https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1279 <p class="Normal tm5 tm6"><span class="tm7">O presente artigo examina algumas relações existentes entre as categorias consciência, alienação e ideologia a partir do debate recente sobre o lugar e o papel da Didática da História nos processos de formação identitária e de emancipação social. Levantamos algumas questões sobre os limites e as potencialidades do ensino crítico da História fundamentais para uma justa compreensão dos limites emancipatórios do ensino crítico da história e uma correta avaliação dos limites emancipatórios dos livros didáticos. A partir da consideração do processo de consciência e das mediações que lhe servem de condições materiais, o artigo traça algumas considerações sobre os conceitos de consciência, razão e emancipação subjacentes às formulações de dois dos principais representantes alemães do debate sobre a perspectiva crítica em Didática da História.</span></p> <p class="Normal">&nbsp;</p> Fernando Viana Costa Filipe Boechat ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-12-17 2020-12-17 2 6 167 192 10.47694/issn.2674-7758.v2.i6.2020.167192 O irreconciliável nos editais do PNLD: eurocentrismo, cidadania e ensino de história https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1377 <p>O estudo trata de análise sobre os sentidos atribuídos às categorias eurocentrismo, cidadania e ensino de história encaminhados pelos editais de convocação para o processo de inscrição e avaliação de obras didáticas e literárias publicados no Diário Oficial da União, pelo Ministério da Educação (MEC), submetidos ao Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) e destinados aos Anos Finais do Ensino Fundamental, entre 1996 e 2018. Nestes, residem pressupostos que orientam o processo de avaliação do PNLD e relacionam-se com a produção das narrativas literárias didáticas. Neste sentido, argumenta-se que a busca pela formação de cidadania, associada ao ensino de história, situa determinados agentes históricos em posição de submissão ao universo identificado com a civilização ocidental - predominantemente branca e cristã - reforçando a matriz de referencial eurocêntrico nos livros didáticos de história. &nbsp;</p> Taissa Cordeiro Bichara ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-12-17 2020-12-17 2 6 193 220 10.47694/issn.2674-7758.v2.i6.2020.193220 A narrativa didática sob a ótica da imputação causal singular https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1339 <p class="western" align="JUSTIFY"><span style="font-size: small;">Paul Ricoeur defende a tese de que a História é uma narrativa que possui um vínculo de derivação com a narrativa ficcional. O filósofo francês afirma que o vínculo entre história e narrativa deve ser preservado, porém deve ser indireto e, portanto, afirma a existência de um corte epistemológico entre o conhecimento histórico e a competência narrativa para acompanhar uma história. O instrumental fornecido por Ricoeur se apresenta como um importante caminho teórico e metodológico para a construção de pesquisas na área de ensino de história. Sendo assim, este artigo tem como objetivo de compreender o corte epistemológico existente entre história escolar e história acadêmica a partir da análise da narrativa de um livro didático aprovado pelo Programa Nacional do Livro Didático, enfatizando o aspecto da imputação causal singular. </span></p> Luiza Rafaela Sarraff ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-12-18 2020-12-18 2 6 221 237 10.47694/issn.2674-7758.v2.i6.2020.221237 Panoramas recentes do Feminismo na Interseccionalidade https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1525 <p>O presente artigo foi redigido originalmente em inglês, cujo título é <em>Recent feminist outlooks on intersectionality</em>, de autoria da professora e pesquisadora Sirma Bilge, publicado na <em>Diogenes</em>. Trata-se de uma discussão interessada em teorizar o conceito de <em>interseccionalidade </em>a partir da operacionalização do gênero nos estudos feministas.</p> Sirma Bilge ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-12-17 2020-12-17 2 6 238 256 10.47694/issn.2674-7758.v2.i6.2020.238256 Discursos étnico-raciais sobre o acesso e permanência na Pós-Graduação https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1186 <p>Este artigo discute trajetórias de estudantes negros no ensino superior/pós-graduação na sociedade brasileira. Este artigo é derivado de tese de doutorado em Psicologia Social defendida na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, à luz da teoria das relações étnico-raciais e desigualdades educacionais de autores contemporâneos. No campo metodológico utilizamos a hermenêutica de profundidade, proposta por J. B. Thompson (2011). As análises dos relatos possibilitam reflexões que oferecem elementos que ampliam a discussão sobre o tema das relações étnico-raciais, políticas públicas, família e educação, abrangendo desse modo, as dimensões objetivas, referente à desigualdade social; ética, referente às injustiças sociais; subjetiva, referente ao sofrimento ético-político produzido pela exclusão social.</p> Marcos Antonio Batista da Silva ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-12-17 2020-12-17 2 6 257 280 10.47694/issn.2674-7758.v2.i6.2020.257280 A História como pedagogia cívica na Amazônia do início do século XX https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1354 <p>Este artigo pretende discutir o uso da história como instrumento pedagógico na construção da identidade nacional na Amazônia no início do século XX. Desse modo, as estratégias utilizadas por um grupo de intelectuais abrigados no Instituto Histórico e Geográfico do Pará procuravam inserir a história da Amazônia no corpo da história nacional. O objetivo era, sobretudo, rever o passado e buscar desenvolver, no espírito e no coração do “povo”, o sentimento de pertencimento à pátria, sendo que as festas cívicas e a história propagada deveriam servir para consolidar esse ideal no extremo norte do Brasil.</p> Silvio Ferreira Rodrigues ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-12-17 2020-12-17 2 6 281 304 10.47694/issn.2674-7758.v2.i6.2020.281304 Biografia, gênero e carnaval: uma rainha nos festejos de Momo na Porto Alegre do início do século XX https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1254 <p>O carnaval de Porto Alegre, no início do século XX, – representado pelas sociedades carnavalescas Esmeralda e Venezianos – é marcado por transformações que podem ser entendidas através da ótica dos estudos de gênero. De Evas pecadoras, as mulheres passaram a figurar como Marias, recatadas e redentoras. Mas quem eram essas mulheres? O presente artigo busca dar voz a Elvira Werna Coelho, que em 1911 foi rainha da <em>Sociedade Carnavalesca Os Venezianos</em>, apresentando alguns aspectos de sua trajetória de vida. Procuro com este trabalho não só conhecer Elvira Werna Coelho, mas também dar visibilidade às mulheres enquanto sujeitos históricos e lançar luz sobre as demais mulheres, refletindo sobre sua participação no carnaval em Porto Alegre</p> Caroline Pereira Leal ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-12-17 2020-12-17 2 6 305 329 10.47694/issn.2674-7758.v2.i6.2020.305329 A encruzilhada das ações afirmativas https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1306 <p>Resenha do livro: MACHADO, Adilbênia Freire. <em>Filosofia Africana: </em>ancestralidade e encantamento como inspirações formativas para o ensino das africanidades. Fortaleza: Imprece, 2019. 367 p.</p> <p>&nbsp;</p> Marcos Rodrigues ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-12-17 2020-12-17 2 6 330 334 10.47694/issn.2674-7758.v2.i6.2020.330334 Expediente https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1532 <p>Expediente</p> Karla Leandro Rascke ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-12-18 2020-12-18 2 6 10.47694/issn.2674-7758