Escritas do Tempo https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo <div align="justify"> <p>A Revista Escritas do Tempo nasce com uma das primeiras ações do Programa de Pós-Graduação em História (PPGHIST) da Unifesspa, constituindo espaço especializado para publicação de artigos, dossiês, entrevistas e resenhas. Trata-se de uma revista online de <strong>acesso aberto</strong>, imediato e gratuito, com fluxo contínuo de recebimento de propostas de publicação, permitindo diferentes perspectivas de análise, sujeitos históricos, interrogações, reflexões, temas e temáticas de estudo, por diferentes ângulos teóricos e metodológicos.</p> <div align="justify">&nbsp;</div> </div> pt-BR <p><a href="http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/" rel="license"><img style="border-width: 0;" src="https://i.creativecommons.org/l/by/4.0/80x15.png" alt="Licença Creative Commons"></a><br>Este obra está licenciado com uma Licença <a href="http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/" rel="license">Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional</a>.</p> escritasdotempo@unifesspa.edu.br (Equipe Editorial) antonia@unifesspa.edu.br (Antonia Silva de Sousa) Ter, 30 Jun 2020 00:00:00 +0000 OJS 3.1.1.2 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Editorial https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1378 <p>O dossiê intitulado “Biografias e trajetórias: vidas por escrito” — lançado em uma singular oportunidade de expor reflexões críticas sobre experiências de vidas plurais, diversas e atuantes — permite-nos conhecer “vidas escritas” por meio de um rigor analítico de cartas, diários, autobiografias, memórias, jornais, impressos diversos, narrativas densas e múltiplas e formas de vida em diferentes contextos, cenários, desafios e polivalências.</p> <p>Ressaltamos, ainda, que as valiosas contribuições desse dossiê possibilitam a ampliação dos debates, das abordagens e das metodologias no trato com biografias e trajetórias. A mais variada gama de pesquisadores e pesquisadoras se debruçaram sobre fontes distintas para produzir reflexões historiográficas atuais e ancoradas em consistentes procedimentos teórico-metodológicos.</p> Marcus Vinicius Reis; Karla Leandro Rascke, Erinaldo Vicente Cavalcanti, Geovanni Gomes Cabral ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1378 Ter, 30 Jun 2020 00:00:00 +0000 Escritas Biográficas e Trajetórias: desafios no campo historiográfico https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1379 <p>Apresentação do Dossiê Temático "Biografias e Trajetórias: vidas por escrito"</p> Geovanni Gomes Cabral, Benito Bisso Schmidt, Wilton Carlos Lima da Silva ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1379 Ter, 30 Jun 2020 14:08:15 +0000 A biografia à prova da identidade narrativa https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1249 <p>Hoje, o que se expressa com a nova paixão biográfica contemporânea, não é o próprio personagem, aquele da "<em>Historia magistra vitae</em>", do culto da vida exemplaria, mas uma nova preocupação para o estudo da singularidade e uma atenção particular aos fenômenos emergentes que são considerados como objetos bons para pensar graça a sua complexidade, e a sua impossibilidade de reduzi-los em esquemas mecânicos. Da mesma maneira que se remete ao "bios" como vida no sentido biológico, mas significando ainda também uma maneira de viver, o tipo biográfico encarnou exigências diferentes conforme os momentos históricos. Manifestamente ligada á necessidade de construir sua identidade no tempo e no espaço, o gênero &nbsp;biográfico acompanhou as evoluções de uma sociedade que deu um lugar crescente ás lógicas singulares dos indivíduos. No ponto de partida, a pessoa se apagava atrás do seu personagem, o retrato se diluía debaixo do modelo unitário concebido para ser imitado e dar lugar á identificação. Lição de Vida, a <em>Historia Magistrae</em> representava uma fonte de inspiração para a própria vida do seu leitor pelo caráter exemplar do personagem elevado em herói ou em santos. O biógrafo não aparecia para deixar todo lugar a seu personagem em simulacro da realidade que devia ganhar pela ilusão criada pela força de convicção. A biografia funciona então no regime da mesmice, modelo levado a seu paroxismo no século XIX por Taine segunda uma leitura cientista da identidade pessoal. Taine tem por ambição de chegar "as regras da vegetação humana". O biógrafo é então o equivalente do zoólogo ou do botânico que elabora suas classificações de espécies em função dos retratos psicológicos que ele constata.</p> François Dosse ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1249 Ter, 30 Jun 2020 17:34:17 +0000 Narrativas em três tempos: biografias em Octávio Tarquínio de Souza, Raimundo Magalhães Júnior e Ruy Castro https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1248 <p>Este trabalho pretende analisar a produção literária de três biógrafos brasileiros, de três períodos distintos entre os séculos XX e XXI, que encontraram sucesso e reconhecimento enquanto autores e que também já foram objeto de reflexão e análise: Octávio Tarquínio de Souza (1889-1959), Raimundo Magalhães Júnior (1907-1981) e Ruy Castro (1948-&nbsp;&nbsp;&nbsp; ).</p> <p>O artigo enfoca algumas questões que permeiam o campo biográfico, como suas características estruturais, as relações inevitáveis entre o gênero na interface entre literatura e história, as tensões internas do gênero no século XX e início do XXI, as questões apesentadas na produção de cada um dos biógrafos escolhidos, e desdobramentos, rupturas, confluências, similitudes e diferenças entre eles.</p> <p>A abordagem sobre narrativas biográficas construídas em três momentos distintos permite discutir características que permeiam os tipos e as formas de texto e perspectiva dos biógrafos referenciados.&nbsp;</p> Manoel Messias Alves de Oliveira ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1248 Ter, 30 Jun 2020 17:40:16 +0000 De começos e anexações. Primeiras apropriações de Álvaro Lins em Portugal https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1246 <p>Interessado em reconstituir as relações e formas mediante as quais se deram as primeiras assimilações de Álvaro Lins em territórios intelectuais e literários portugueses, este artigo resulta de uma pesquisa conduzida em arquivos portugueses – basicamente, imprensa periódica. Este esforço se mostra particularmente pertinente num momento em que, dado o protagonismo de A. Lins em episódio tão importante para a história política recente de Portugal, como foi o caso do asilo concedido ao Gal. Humberto Delgado, em 1959, as novas gerações de historiadores têm esquecido que se tratava, antes de tudo e principalmente, de um escritor e crítico literário. O que se procura aqui entender é como, então, se deu essa primeira anexação de A. Lins ao campo intelectual português? Como foi lido, apreendido, assimilado? Por que meios se tornou conhecido? Que relações foram, a partir daí, tecidas? Que usos, sua obra suscitou?</p> Flávio Weinstein Teixeira ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1246 Ter, 30 Jun 2020 17:48:07 +0000 O discurso anisiano à luz de Pierre Bourdieu https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1216 <p>No início dos anos 1920 no Brasil intelectuais de diferentes matrizes debatiam acerca da educação. Liberais e católicos propunham uma reforma educacional sob a ótica da formação da nacionalidade e tinham como ideal a legitimação de uma educação que situasse o país dentro de padrões tidos como modernos. Anísio Teixeira&nbsp;pertencia a este grupo que, ao longo do século XX, foi capaz de arquitetar ideias ao operacionalizarem a palavra. Assim, o presente trabalho faz uma análise do discurso do educador e intelectual baiano a partir dos conceitos bourdieusianos de campo e capital cultural. O objetivo é elucidar as razões e os mecanismos discursivos que engendraram as falas de Teixeira entre os anos de 1920 – 1935. Seguindo os esquemas analíticos de Bourdieu, o discurso em questão pode ser considerado como estratégia, mecanismo pelo qual buscava consolidar o campo educacional e legitimar a relevância do capital cultural para a reconstrução do país.</p> Karen Fernanda da Silva Bortoloti ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1216 Ter, 30 Jun 2020 17:57:53 +0000 Lampião e o cangaço: Trajetórias de vida, histórias como flagelo (1920-1938) https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1223 <p>O artigo propõe refletir sobre trajetória de Virgulino Ferreira da Silva, Lampião. Busca apreender o protagonismo e a cultura política do famoso chefe de cangaço diante das situações contingentes com as quais se defrontou. Ele foi representado como anacronismo, barbárie e flagelo em um debate nacional sobre as condições sociais encontradas na região Nordeste do Brasil, sobretudo a zona dos sertões. A biografia de Lampião se confunde com as formas de consolidação do poder político e econômico republicanos, entre as décadas de 1920 e 1930.</p> Marcos Edilson Araújo Clemente ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1223 Ter, 30 Jun 2020 18:11:18 +0000 Raça, Futebol e Identidade Nacional: disputas e atualizações da memória em torno das narrativas biográficas de Pelé. https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1221 <p class="Default" style="margin-right: -.05pt; text-align: justify;"><span style="font-size: 11.0pt;">O presente artigo consiste em um levantamento histórico das narrativas biográficas sobre o ex-jogador de futebol Edson Arantes do Nascimento (Pelé). Realiza-se um cruzamento de narrativas comparadas historicamente, em que foi possível detectar diferentes projetos de nação e identidade nacional mobilizados a partir da construção de sua trajetória enquanto futebolista e símbolo nacional. O foco da análise deter-se-á no debate étnico-racial fomentado por intelectuais, biógrafos e jornalistas que pensaram um “tipo nacional” inicialmente indissociável de Pelé. Visão essa que, em décadas posteriores, seria contrariada por outros intelectuais e jornalistas que seguiram caminhos opostos em suas interpretações do “mito”.</span></p> Nathan Pereira Barbosa ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1221 Ter, 30 Jun 2020 18:15:34 +0000 Victor Klemperer: uma testemunha ocular https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1205 <p>O presente artigo busca analisar a vida e obra de Victor Klemperer, alemão, judeu assimilado convertido ao protestantismo, professor universitário, filólogo e grande estudioso da literatura francesa do século XVIII. Victor Klemperer tinha o hábito de escrever diários desde muito jovem, o que resultou hoje na publicação de seus três diários: seu <em>Curriculum Vitae</em>, que aborda a infância e juventude do autor; os diários durante os anos do nazismo, o qual esse artigo tem como base; e <em>The lesser evil</em> que trata do período pós Segunda Guerra Mundial. Assim como trazemos à discussão uma bibliografia pertinente acerca do gênero biográfico e suas implicações, uma possível “trajetória” que este teria percorrido. Seus escritos contribuem para a literatura de teor testemunhal, uma vez que o filólogo foi alvo de perseguições durante o regime racista de Adolf Hitler e busca relatar brevemente seu cotidiano em seus diários.</p> Juliana Aparecida Lavezo ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1205 Ter, 30 Jun 2020 18:22:37 +0000 “Que fizeram com meu pai?”: sindicalismo e ditadura no Amazonas https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1204 <p>A história da Ditadura Militar e seus impactos sobre o estado do Amazonas ainda carecem de estudos. Há uma grande lacuna sobre o período e a disputa pela memória sobre a ditadura está em aberto. Muito ainda há se pesquisar acerca dos impactos da Ditadura Militar sobre a Amazônia e sobre o estado do Amazonas. Existe uma crença generalizada de que a região não sofreu com a repressão, a censura e o autoritarismo. Ledo engano! Desde muito cedo, a região sofreu os impactos da ditadura que se instalava. Embora os impactos da ditadura militar tenham sido sentidos desde os primeiros momentos do golpe, há uma profunda invisibilidade sobre a repressão ocorrida no estado e as formas de resistência. Nesse sentido, nesse artigo pretendo discutir brevemente a trajetória de uma das mais importantes lideranças sindicais amazonenses: Antogildo Pascoal Viana, presidente do sindicato dos estivadores no período da deflagração do golpe e que, em virtude de sua luta em defesa dos trabalhadores e de sua intensa participação nas greves que antecederam o fatídico 31 de março, foi uma das primeiras vítimas do aparato repressivo que se instaurava.</p> César Augusto Bubolz Queirós ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1204 Ter, 30 Jun 2020 00:00:00 +0000 Considerações acerca das vivências de uma professora nordestina https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1217 <p>O presente artigo objetivou visibilizar as experiências temporais de uma mulher que, distante do padrão das “grandes personagens históricas”, pertence às margens. Para isso, utilizou-se da entrevista, técnica presente na metodologia de pesquisa da História Oral, enquanto meio de obtenção da matéria prima desse trabalho: o relato de uma mulher que constitui mais do que uma fonte, demonstra-se como auto expressão de uma vida feminina, assim como suas formas de existência e resistências. Mais do que simplesmente uma transcrição de informações, esse texto contém análises e considerações acerca da identidade feminina constituída e reconstituída em cada temporalidade. Pretende-se com as considerações aqui realizadas contribuir para a visibilização das mulheres das fronteiras sociais que oscilam entre a visibilidade (oriunda de suas lutas) e os apagamentos (resultantes de generalizações e da falta de representatividade nas produções acadêmicas e historiográficas).</p> Priscila Cabral de Sousa, Vera Lúcia Caixeta ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1217 Ter, 30 Jun 2020 18:33:18 +0000 Maria Bonita de Tocantinópolis: história de vida de uma mãe-de-santo do Norte Tocantinense https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1215 <p>A investida deste trabalho se dá sobre Maria do Rosário, mais conhecida como Maria Bonita, mãe-de-santo pertencente à tenda São Jorge Guerreiro, moradora da cidade de Tocantinópolis, natural de Serra da Cinta – MA. Esta carrega consigo uma gama de narrativas míticas, onde aparecem personagens das sessões de cura da tenda em questão. Me interessa saber como Caboclos, Orixás e Pombagiras influenciam a construção da identidade (história de vida) desta personagem. Na literatura antropológica pouco se falou sobre esses encantados da região Norte. O foco central dessa pesquisa é apresentar um estudo da história de vida de Maria Bonita, que além de mãe-de-santo é vista como benzedeira, parteira, curandeira e filha dedicada aos encantados; entretanto sua trajetória é marcada pelo contraditório, são momentos de descrença e solidão, apesar da ajuda de companheiros invisíveis.</p> Bruno Barros dos Santos, Rogério de Carvalho Veras ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1215 Ter, 30 Jun 2020 18:37:11 +0000 “Cá Entre Nós”: Trajetória e Memória de Wanda Sá https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1253 <p>Este artigo traz parte da história do movimento bossanovista que, desde 1958, tem oscilado entre momentos de destaque e ostracismo. A bossa nova contou com inúmeros artistas que se tornaram conhecidos a nível internacional, como Tom Jobim e João Gilberto. E uma das personagens da história desse movimento musical é Wanda Sá. Nascida na década de 1940, a cantora fez parte da geração que frequentava os primeiros shows do então embrionário movimento bossanovista. O artigo aborda, assim, a trajetória biográfica da artista, o início de sua carreira, gravações, continuidades e rupturas. E remonta essa história por meio de uma entrevista que segue o modelo de história oral com a cantora, além de utilizar jornais, revistas e discos para compor parte do que foi a trajetória dessa artista tão representativa na história da bossa nova. Essas fontes reunidas nos ajudam a ter uma visão mais complexa de aspectos da trajetória biográfica de Wanda Sá.</p> Daniel Lopes Saraiva ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1253 Ter, 30 Jun 2020 18:41:36 +0000 Entre biografias e trajetórias de pesquisa(dores): memória operária e reflexões de um historiador nativo https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1233 <p class="western" align="justify"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: medium;"><strong>Resumo: </strong></span></span><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: medium;">O presente artigo busca refletir sobre os dilemas e as potencialidades dos historiadores nativos, especialmente nas pesquisas sobre memória operária. A partir do compartilhamento de experiências de pesquisa, envolvendo biografias e trajetórias próximas de sua convivência em um distrito operário têxtil, o autor aborda sobre </span></span><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: medium;">desafios, inseguranças e aprendizados acumulados, estimulando o debate sobre novas formas narrativas para a história do trabalho, a partir da atuação de pesquisadores que são oriundos de famílias operárias ou cidades com forte tradição fabril, construindo outras perspectivas e discussões sobre memória e identidade desses trabalhadores.</span></span></p> <p class="western" align="justify">&nbsp;</p> <p class="western" align="justify">&nbsp;</p> Felipe Augusto dos Santos Ribeiro ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1233 Ter, 30 Jun 2020 19:00:56 +0000 A construção da subjetividade de C. G. Jung em “Memórias, Sonhos, Reflexões” (1957) https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1218 <p>“Memórias, Sonhos Reflexões” é a autobiografia do médico suíço C. G. Jung (1875-1961), neste escrito discorreu sobre sua vida, obra, sentimentos e experiências. O objetivo deste artigo é estudar a subjetividade historicamente construída de Jung narrada por ele mesmo, observando a autobiografia que aponta para um fim acertado, de que as experiências vividas aconteceram como deveriam ter acontecido. Para realizar o estudo, nos serviremos do conceito de “Escrita de Si” de M. Foucault, alegando que a prática da escrita sobre si mesmo - como um exercício subjetivo de organização afetiva -, trouxe benefícios e ressignificações para o médico. As ressignificações feitas por Jung foram produto do que a “Escrita de Si” proporcionou e podem ser visualizadas a partir de uma confluência de temporalidades, nos diferentes interesses, pensamentos ou vocabulários utilizados ora pelo Jung velho, ora pelo Jung novo.</p> Fernanda Dayara Salamon, Alfredo dos Santos Oliva ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1218 Ter, 30 Jun 2020 19:05:02 +0000 Vozes que curam e vozes que narram: o ritual de cura na voz da Rezadeira Nazaré https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1150 <p>O presente artigo expõe uma discussão no âmbito da Nova História Cultural, tendo em vista que por meio das novas perspectivas historiográficas que surgem em meados de 1980, o campo de pesquisa do historiador se amplia, ganhando novos objetos de estudos e caminhando entres outros saberes. É nesse sentindo que a pesquisa traz como objeto de estudo uma das tradições vistas como cultura popular, qual segundo <em>Burke</em> (1992) não se trata apenas de uma visão homogenia, mas de uma heterogeneidade cultural que abrange inúmeras tradições, manifestações e representações, dentre elas, o oficio de rezadeira. Tomando como problemática a analise sobre o ritual de cura e abarcando como elas podem circular entre outras tradições, na sua suma, só se tornou perceptível por meios dos depoimentos da senhora benzedeira Nazaré, que atua na cidade de Junco do Seridó,e que por meio de sua entrevista foi possível recolher as questões pertinentes para a pesquisa. Tal depoimento possibilitou uma abordagem ao recorrermos a sua memória e por meio dela compreendermos a dimensão desse ritual, enxergando ele através dos estudos de <em>Thompson</em> (1991) que analisa o ritual como toda e qualquer ação que fazemos cotidianamente, como o ritual da rezadeira no seu todo, que parte de como se dá o seu processo de iniciação que possui uma relação entre o sagrado cristão do catolicismo rústico e tradicional, a sua memorização das orações, seus símbolos e as restrições de seu ritual, como também as doenças e em que tipo de pessoas elas atuam enquanto benzedeira, além dos tipos de orações que elas utilizam. Doravante, é discutido como o ritual de cura circula entre o ritual da igreja católica, haja vista que as orações proclamadas pelas rezadeiras possuem uma forte relação com o catolicismo, além de sua própria simbologia, e por essas senhoras se reconhecerem como rezadeiras e católicas. É essa circularidade cultural introduzida por <em>Ginzburg</em> (1988) que se expõem como algumas tradições conseguem rodear entre outras tradições e permanecerem presentes em ambas as culturas. Para observar tais inquietações tomamos como base um diálogo entre a História oral e a memória abordada por Bósis (1997), a entrevista realizada com Dona Nazaré juntamente com o livro <em>Ciência da Benzedura</em> (1999) de Manoel Quintana, dentre outras obras, possibilitando assim um envolver maior entre a narração da rezadeira e os estudos sobre seu ritual. É nesse caminhar entre a nova História cultural, memória e oralidade que encontramos o lugar da rezadeira que se enquadra no que os estudiosos colocam como popular. Todavia, é nesse popular que as mais diversas manifestações se encontram, com ritos específicos e simbologias únicas como foi observado através da rezadeira Nazaré.</p> <p><strong>&nbsp;</strong></p> Franciel dos Santos Rodrigues, Patricia Cristina de Aragão ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1150 Ter, 30 Jun 2020 20:00:25 +0000 Resenha de "Lima Barreto: triste visionário" https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1385 <p>Resenha do livro "<em>Lima Barreto</em>: triste visionário", de&nbsp;Lilia Moritz Schwarcz.</p> José Bento Rosa da Silva ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1385 Ter, 30 Jun 2020 22:40:47 +0000 Narrativas de resistência: Um diálogo entre estudos de gênero e biografias https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1237 <p>Esse texto é uma resenha de <em>O que pode a biografia</em><em>, </em>uma coletânea organizada por<em>&nbsp;</em>Alexandre Sá Avelar e Benito Bisso Schmidt, a qual&nbsp;trata dos limites da biografia, essa “escritura sobre a vida”, que ao longo do livro é abordada através de algumas pesquisas, identificando possibilidades, metodologias e problemáticas do “espaço biográfico”.&nbsp;A obra, que dá continuidade aos assuntos debatidos em coletânea anterior organizada por Avelar e Schmidt, <em>Grafia da Vida</em> (2013), possui 242 páginas com doze capítulos, divididos em duas linhas: a primeira é referente às questões teórico-metodológicas e a segunda, trata de experiências de pesquisa, com textos de Benito Schmidt; Deivy Ferreira Carneiro; Maria da Glória Oliveira; Mary Del Priore; Rose Silveira; Alexandre de Sá Avelar; Francisco Martinho; James N. Green; Jorge Ferreira; Laura de Mello Souza; Margareth Rago e por fim, Temístocles Cezar.</p> Ingrid Mancilha Cesar, João Muniz Junior ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1237 Qua, 01 Jul 2020 00:00:00 +0000 Ângela Maria de Castro Gomes - Memórias de uma historiadora na escrita de si: diálogos possíveis na construção do gênero biográfico https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1381 Geovanni Gomes Cabral ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1381 Ter, 30 Jun 2020 00:00:00 +0000 Pablo Francisco de Andrade Porfírio - Histórias de vida, escritas da História: pesquisa e recortes de uma trajetória https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1382 <p>-</p> Benito Bisso Schmidt, Geovanni Gomes Cabral, Wilton Carlos Lima da Silva ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1382 Ter, 30 Jun 2020 00:00:00 +0000 Expediente e Pareceristas Ad Hoc https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1380 <p>Expediente e lista dos Pareceristas Ad Hoc</p> Marcus Vinicius Reis ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1380 Ter, 30 Jun 2020 19:08:01 +0000