Estudos de Vanguarda I: Correspondências entre Brasil e Portugal na pintura modernista.

  • Roberto Xavier de Oliveira UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"/ FCLar - Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara
  • Renata Soares Junqueira
Palavras-chave: Modernismo brasileiro, Modernismo português, Pintura modernista

Resumo

O presente estudo visa traçar correspondências entre as pinturas produzidas no Brasil e em Portugal durante os respectivos modernismos. O objetivo é aquilatar possíveis correlações nas propostas formais e temáticas de quatro artistas: os portugueses Santa-Rita Pintor e Amadeo de Souza-Cardoso, e as brasileiras Anita Malfatti e Tarsila do Amaral. Segundo a nossa hipótese, há nas obras desses pintores e pintoras influxos das vanguardas históricas europeias que pretendemos descrever e comentar. O principal será a convergência de técnicas expressionistas e cubistas em obras concebidas à luz de temáticas nacionais. Entretanto, também é possível verificar a presença de outras tendências, como o fauvismo, com a engenhosa utilização das cores; do futurismo, com as propostas inovadoras dos quatro artistas. Trata-se de uma pesquisa atrelada ao atual projeto de pesquisa da Profª Drª Renata Soares Junqueira, "Literatura, Cinema e Autoria de Mulheres no Brasil da Ditadura Militar", subsidiado pelo CNPq, e vinculada ao Grupo de Pesquisas em Dramaturgia, Cinema Literatura e outras Artes (GPDC-LoA).

Biografia do Autor

Renata Soares Junqueira

Renata Soares Junqueira é Professora Titular (2018) da Universidade Estadual Paulista (UNESP). Bacharel (1987), Mestre (1992) e Doutora (2000) em Letras, na área de Teoria Literária, pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), e Livre-Docente (2010) pela UNESP, onde leciona, desde 1994, Literatura Portuguesa na Faculdade de Ciências e Letras do campus de Araraquara. Realizou estudos de pós-doutorado na Universidade de Lisboa (2001-2002; 2003; 2004-2005; 2006-2007; 2007-2008), na Universidade Nova de Lisboa (2010 e 2011) e na Escola Superior Artística do Porto - ESAP (2013-2014). A experiência em Portugal proporcionou-lhe criar e expandir uma rede internacional de pesquisadores que há anos tem envolvido a UNESP em projetos conjuntos com várias instituições portuguesas, destacando-se ultimamente a Universidade Aberta de Lisboa (UAb), a Universidade da Beira Interior (UBI) e a Escola Superior Artística do Porto (ESAP). Tem desenvolvido pesquisas interdisciplinares sobre literatura, teatro, cinema e outras artes. Publicou os livros SOB OS SORTILÉGIOS DE CIRCE: ensaio sobre as máscaras poéticas de Florbela Espanca (São Paulo: Todas as Musas, 2022); NELSON, O ALQUIMISTA DO INFERNO: algo mais sobre Nelson Rodrigues no teatro e no cinema (São Paulo: Todas as Musas, 2022); GLAUBER ROCHA E MANOEL DE OLIVEIRA: cinema épico em português (São Paulo: Todas as Musas, 2019), O CINEMA ÉPICO DE MANOEL DE OLIVEIRA (São Paulo: Perspectiva/FAPESP, 2018),TRANSFIGURAÇÕES DE AXËL: leituras de teatro moderno em Portugal (São Paulo: Editora da UNESP, 2013) e FLORBELA ESPANCA: uma estética da teatralidade (São Paulo: Editora da UNESP, 2003). Organizou as coletâneas OS POBRES NO CINEMA DE MANOEL DE OLIVEIRA: estudos interdisciplinares de cinema, literatura e sociedade (São Paulo: Todas as Musas, 2017) e MANOEL DE OLIVEIRA: uma presença (São Paulo: Perspectiva/FAPESP, 2010). Co-organizou TEATRO, CINEMA E LITERATURA: confluências (São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014), O TEATRO NO SÉCULO XVIII: presença de Antônio José da Silva, o Judeu (São Paulo: Perspectiva/FAPESP, 2008); VERDADE, AMOR, RAZÃO, MERECIMENTO: coisas do mundo e de quem nele anda (Curitiba: Editora da Universidade Federal do Paraná, 2005); INTELECTUAIS PORTUGUESES E A CULTURA BRASILEIRA: depoimentos e estudos (São Paulo: Editora da UNESP, 2002) e SOBRE AS NAUS DA INICIAÇÃO: estudos portugueses de literatura e história (São Paulo: Editora da UNESP, 1998). Coordenou, de 24/04/2011 a 23/04/2013, o Curso de Graduação em Letras da UNESP, em Araraquara. É fundadora e líder do Grupo de Pesquisas em Dramaturgia, Cinema, Literatura e outras Artes (GPDC-LoA), ativo há 22 anos. Criou e coordenou, de 2002 a 2011, a Semana de Estudos Teatrais da UNESP. Desde 2013 é bolsista de Produtividade do CNPq e os seus projetos mais recentes são "O Cinema Novo brasileiro lê o teatro de Nelson Rodrigues" (2019-2021) e "Literatura, cinema e autoria de mulheres no Brasil da ditadura militar" (2022-2026). É co-organizadora da coletânea de ensaios MULHERES EM CENA: ensaios sobre literatura, cinema e teatro, atualmente no prelo da Editora Todas as Musas (SP).

Referências

AMARAL, A. Tarsila: sua obra e seu tempo. São Paulo: Editora 34; Edusp, 2003.

____. As Artes Plásticas na Semana de 22. 5ª edição revista e ampliada. São Paulo: Editora 34, 1998.

BATISTA, M. R. Os Artistas Brasileiros na Escola de Paris: anos 1920. São Paulo: Editora 34, 2012.

____. Anita Malfatti no Tempo e no Espaço: biografia e estudo da obra. São Paulo: Editora 34; Edusp, 2006.

BETTENCOURT, J. R de. Santa Rita Pintor. Portugal Futurista, Lisboa, nº 1, p. 3-5, 1917. Disponível em: http://ric.slhi.pt/Portugal_Futurista/visualizador/?id=11311.001&pag=7

DEGAND, L. Do Figurativismo ao Abstracionismo. In: DO FIGURATIVISMO AO ABSTRACIONISMO. São Paulo: Museu de Arte Moderna, 1949.

FRANÇA, J. A. O modernismo na arte portuguesa. Lisboa: Instituto de Cultura Portuguesa, 1979.

GUIMARÃES, F. Artes plásticas e literatura : do romantismo ao surrealismo. Porto: Campo das Letras, 2003.

QUADROS, A. O Primeiro Modernismo Português: Vanguarda e Tradição. Lisboa: Publicações Europa-América, 1989.

SARAIVA, A. Modernismo brasileiro e modernismo português: subsídios para o seu estudo e para a história das suas relações. Campinas: UNICAMP, 2004.

TELES, G. M. Vanguarda européia e modernismo brasileiro. Rio de Janeiro: Vozes, 1972.
Publicado
2023-09-15
Visualizações
  • Artigo 7
  • PDF 29