Tradução de Regionalismos da Amazônia

  • Carlos Jean da Silva Pereira UFPA
  • Juliana Cunha Menezes UFPA
  • Felipe Alexandre Moura Cosmo UFPA
  • Natalice dos Santos Almeida Soares UFPA
Palavras-chave: DalcidioJurandir, Tradução, Regionalismo

Resumo

Esta comunicação descreve as principais dificuldades tradutórias, do português para o inglês, do Projeto de Pesquisa “Tradução para o Inglês de parte da Obra Chão dos Lobos, de Dalcídio Jurandir” - PRODOUTOR, relacionadas aos regionalismos, dialetos estritos de uma sociedade (Pozenato, 2003), do Glossário encontrado na obra. As metodologias de Tradução utilizadas foram adaptadas de Britto (2006c, p.4): características marcantes, grau de prioridade, recriação de características; e Menezes (2017, p. 171-174): alteração semântica, omissão e acréscimo. Adota-se a ideia de Fidelidade descrita por Britto (2002, p. 65-66), sendo a base de sua metodologia, no sentido de aproximar os significados da Língua de chegada aos da Língua de origem. Os objetivos do trabalho são: I) apontar considerações acerca da tradução de regionalismos aos interessados na área; e II) explicitar as metodologias utilizadas a fim de elucidar/minimizar os problemas encontrados quanto à traduzibilidade. A pesquisa buscou, primeiramente, manter os significados próximos àqueles das descrições feitas pelo revisor da obra, André Fillipe Fernandes, no Glossário. Para isso, foram utilizadas algumas estratégias, tais como a equivalência cultural em menores casos, geralmente relacionada às expressões onomatopaicas ou incorporação de novos significados ao signo, semanticamente. Em situações mais emblemáticas, quanto à tradução de palavras com múltiplos sentidos ou sentidos inexistentes na Língua de chegada, recorreu-se à (re)criação de adjetivos. Os resultados decorrem da aplicação das metodologias citadas, uso de dicionários (português e inglês) e reuniões para discussão das propostas.

Referências

A GAZETINHA(Jornal). Orgão Político e Noticioso. Marajó-Pará. E.U. DO BRAZIL. Director Capitão Alfredo Pereira. Publicação decendial. Officina A’rua da Municipalidade. Anno II. Cachoeira, 20 de junho de 1922. Num.41. (Casa de Rui Barbosa/Instituto Dalcídio Jurandir, RJ: acervo “PIM – Sobre a Região Norte, pasta 1”).
ASSMAR, Olinda Batista. Dalcídio Jurandir: Um olhar sobre a Amazônia. Rio de Janeiro: Galo Branco, 2003.
BUCHILLET, D. Os índios da região do Alto Rio Negro: história, etnografia e situação das terras. Laudo antropológico apresentado à Procuradoria Geral da República, 1991.
BRITTO, Paulo Henriques. A tradução Literária. São Paulo: Civilização Brasileira, 2012.
__________________________. Correspondência formal e funcional em tradução poética. In: Souza, Marcelo Paiva de et al. Sob o signo de Babel: literatura e poéticas da tradução. Vitória: PPGL/MEL / Flor&Cultura, 2006c.
____________________. Para uma avaliação mais objetiva das traduções de poesia. In: KRAUSE, Gustavo Bernardo. As margens da tradução. Rio de Janeiro: FAPERJ/Caetés/UERJ, 2002.
_____________________,2001. Towards more objective evaluation of poetic translation. [online] Disponível em: Acessado em 30/05/2023.
CAMBRIDGE ONLINE DICTIONARY. Cambridge University Press: Cambridge, Reino Unido, 1999. Disponível em: < https://dictionary.cambridge.org/pt/ >. Acesso em: 01/06/2023.
CAMPOS, H. de. Metalinguagem e Outras Metas: Ensaios de Teoria e Crítica Literária. 4ª Edição. São Paulo: Perspectiva, 2010. pp 31-48.
Faceiro in: Dicionário Priberam da Língua Portuguesa. Disponível em . Acesso em 01/06/2023.
FARIAS, Fernando Jorge Santos. Representação de Educação na Amazônia em Dalcídio Jurandir: (des) caminhos do personagem Alfredo em busca da educação escolar. 123f. Dissertação (Mestrado) – Universidade do Estado do Pará. Belém, 2009.
___________________________. Dalcídio Jurandir e a educação: de letrado provinciano a intelectual nacional. 2018. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.
FURTADO, Marli Tereza. Universo Derruído e Corrosão do Herói em Dalcídio Jurandir. UNICAMP. Tese de doutorado. Campinas: São Paulo, 2002.
FRIO, F. A tradução de regionalismos em A Duel of Farrapos, de João Simões Lopes Neto. TradTerm, São Paulo, v. 33, maio/2019, p. 54-69.
GUIDICE, V. Dalcídio Jurandir e a saga de Marajó. O liberal. 12 de setembro de 1976. 2o caderno, p.2. JURANDIR, Dalcídio. Chão dos Lobos. Rio de Janeiro: Record, 1976.
JURANDIR, D. Chão dos Lobos. 2ª Ed. Bragança: Pará-grafo Editora, 2019.
LARANJEIRA, M. Poética da Tradução: Do Sentido à Significância. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1993 - Criação e Crítica; V. 12.
MARTINEZ, R. Como Dizer Tudo Em Inglês: Fale a Coisa Certa Em Qualquer Situação. Elsevier Brasil, 2000.
MENEZES, J. C.; Britto, P. H.; De Freitas, M. C. Avaliação de tradução de poesia: a anotação na busca pelo consenso. 196f. Tese (Doutorado) – Departamento de Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2017.
POZENATO, José Clemente. Algumas considerações sobre região e regionalidade. Filosofia: diálogo de horizontes. Caxias do Sul: Educs, p. 589-591, 2001.
PROJETO CALDAS AULETE. Aulete Digital. Lexikon Editora Digital: Rio de Janeiro, 2006. Disponível em: . Acesso em: 01/06/2023.
SOUSA, Auxiliador Jairo de; NETO, Itamar Zuqueto Serra; ROSA, João Jesus. Autobiografia e Experiência docente em Chão Dos Lobos. In: FARIAS, Fernando (org). Chão de Dalcídio: Perspectivas. Belém, PA: Editora Pública Dalcídio Jurandir, 2022. p. 161-186.
THEFREEDICTIONARY.COM. Farlex, Inc. : Huntingdon Valley, Pennsylvania, EUA, 2003. Disponível em: < http://www.thefreedictionary.com/ >. Acesso em: 01/06/2023.
Publicado
2023-09-15
Visualizações
  • Artigo 106
  • PDF 59