O mundo no início do século passado: Conjunturas internacionais, nacionais e locais à época da realidade presente em Chove nos campos de Cachoeira, de Dalcídio Jurandir

  • Sidney Ferreira Cavalcante UFPA
  • Fernando Jorge dos Santos Farias
  • Marcia Daniele dos Santos Lobato
Palavras-chave: Dalcídio Jurandir. Chove nos campos de Cachoeira. Decadência.

Resumo

O artigo tem como foco o estudo do contexto histórico representado no primeiro romance do escritor paraense Dalcídio Jurandir, Chove nos campos de Cachoeira (1941). Nesta pesquisa, buscamos realizar alguns apontamentos entre a realidade global, nacional e local, que presumimos ter sido vivenciada ou pesquisada pelo próprio escritor, posteriormente recriada em seu romance. Para o estudo, optou-se pela aproximação ao método de Análise do Discurso, na vertente de Bakhtin (1997;2015), partindo dos diferentes contextos históricos observados e, na sequência, destacando essas mesmas passagens no plano ficcional, recriados na obra. Dentre as conclusões possíveis, destaca-se a influência dos acontecimentos históricos no desenvolvimento da obra literária, tornando-se perceptível a ideia de que Jurandir explorou temas universais no cotidiano de seus personagens, através de uma abordagem onde contextualizou-se os desdobramentos de alguns eventos históricos na Amazônia marajoara. Além disso, desmitifica-se a ideia que categoriza Dalcídio Jurandir como um escritor regionalista, deste modo, corrobora para o entendido de um autor universal e atemporal.

Referências

AGUIAR, Victor. Os 90 anos da crise de 1929. Seu dinheiro, 2019. Disponível em: Acesso em: 15 de dez. de 2020.

BAKHTIN, Mikhail Mjkhailovitch. Estética da criação verbal. tradução de Maria Emsantina Galvão G. Pereira. 2º ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

COMPAGNON, Antoine. Literatura para quê?. Tradução de Laura Taddei Brandini. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009

COSTA, Nelson Barros da. Dialogismo e análise do discurso – alguns efeitos do pensamento bakhtiniano nos estudos do discurso. Linguagem em (Dis)curso – LemD, Tubarão, SC, v. 15, n. 2, p. 321-335, maio/ago. 2015.

CRESPO, Mariana Monteiro. Interpretações da Crise de 1929 no contexto econômico norte-americano. 121 f. Dissertação (Mestrado em Economia). Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas da Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2018.

FARIAS, Fernando Jorge dos Santos. Dalcídio Jurandir e a Educação: de letrado provinciano à intelectual nacional. 175 f. Tese (Doutorado). Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

FERREIRA, Marieta de Moraes; PINTO, Surama Conde Sá. A Crise dos anos 20 e a Revolução de Trinta. Rio de Janeiro: CPDOC, 2006. 26f.

GOULART, Adriana da Costa. Revisitando a espanhola: a gripe pandêmica de 1918 no Rio de Janeiro. Rev. História, Ciências, Saúde, Manguinhos, V. 12, N. 1, jan.-abr. 2005, p. 101-142.

JURANDIR, Dalcídio. Chove nos Campos de Cachoeira. 3. ed. Belém: Cejup, 1991. 294p.

MAIA, José Nelson Bessa; SARAIVA, José Flavio Sombra. A paradiplomacia financeira no Brasil da República Velha, 1890-1930. Rev. Brasileira de Política Internacional, Brasília, Vol. 55, N. 1, 2012, p. 106-134.

OLIVEIRA, João Rafael Morais de. A luta pela borracha no Brasil e a história ecológica de Warren Dean. Rev. Territórios e Fronteiras, Mato Grosso, Vol.3 N.2, jul./dez. 2010.

PANTOJA, Edílson. Morte, desamparo, niilismo e liberdade: abalo e entusiasmo ante Chove nos Campos da Cachoeira, de Dalcidio Jurandir. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Pará, Centro de Letras e Artes ,Programa de Pós-Graduação em Letras, Belém, 2006.

SAMUEL, Rogel. Novo manual de teoria literária. 4ª ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

SILVEIRA, Anny Jackeline Torres. A medicina e a influenza espanhola de 1918. Rev. Tempo, Rio de Janeiro, N. 19, 2005, p. 91-105.

SOUSA, J. Germano de. Impacte social da sífilis, alguns aspectos históricos. Rev. Medicina Interna, Portugal, Vol. 3, N. 3, 1996, p. 184-192.

VARELA, Raquel. A Guerra das Guerras, a Revolução das Revoluções, 1917. Rev. Direito e Práxis, Rio de Janeiro, Vol. 8, N. 3, 2017, p. 2227-2255.
Publicado
2023-09-15
Visualizações
  • Artigo 76
  • PDF 39