As vozes narrativas em Passagem dos Inocentes de Dalcídio Jurandir: Dona Celeste, uma personagem-narradora

Palavras-chave: Dalcídio Jurandir, Passagem dos Inocentes, Personagem-narradora

Resumo

O presente artigo tem como objetivo analisar o ato narrativo da personagem-narradora Dona Celeste do romance Passagem dos Inocentes (1963) de Dalcídio Jurandir (1909-1979). A obra apresenta um narrador onisciente em terceira pessoa que concede a voz narrativa às personagens, tal recurso causa a oscilação do foco narrativo, o esfacelamento da narrativa, a alternância temporal e o encaixe de acontecimentos e lembranças das personagens. Desse modo, o leitor tem acesso à confissão dos dramas mais íntimos de Dona Celeste (também apelidada de Cecé), cuja trajetória de vida é marcada por tentativas de transgressão das imposições de uma trágica sociedade patriarcal.

Biografia do Autor

Alex Santos Moreira, UFPA

Doutor em Letras (estudos literários) pela Universidade Federal do Pará. 

Referências

ADORNO, Theodor W. Posição do narrador no romance contemporâneo. In: ADORNO, Theodor W. Notas de Literatura I. Tradução e apresentação Jorge de Almeida. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2003, p. 55-63.
BOLLE, Willi. Uma enciclopédia mágica da Amazônia? O ciclo romanesco de Dalcídio Jurandir. In: LEÃO, Allison. Amazônia: literatura e cultura. Manaus: EUA Edições, 2012, p. 13-37.
FRIEDMAN, Norman. O ponto de vista na ficção: o desenvolvimento de um conceito crítico. Revista USP, n. 53, p. 166-182, mar.-mai. 2002. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/33195/35933 Acesso em: 12 out. 2021.
FURTADO, Marlí Tereza. Universo derruído e corrosão do herói em Dalcídio Jurandir. Campinas: Mercado das Letras, 2010.
FURTADO, Marlí Tereza; NASCIMENTO, Maria de Fátima do. Dalcídio Jurandir e Benedito Monteiro: a incorporação estética do imaginário popular. Moara, n. 20, p. 131-146, jul./dez., Belém, 2003. Disponível em: https://periodicos.ufpa.br/index.php/moara/article/view/3201/3279 Acesso em: 3 out. 2021.
HAMILTON, Edith. Mitologia. São Paulo: Martins Fontes, 1992.
JURANDIR, Dalcídio. Belém do Grão-Pará. Belém: EDUFPA; Rio de Janeiro: Edições Casa de Rui Barbosa, 2004.
JURANDIR, Dalcídio. Passagem dos Inocentes. Belém: Falangola Editora, 1984.
JURANDIR, Dalcídio. Primeira Manhã. Belém: EDUEPA, 2009.
NUNES, Benedito. Os inocentes da passagem. Matraga, Rio de Janeiro, p. 159-164, jan.-dez. 2003. Disponível em: http://www.pgletras.uerj.br/matraga/matraga15/matraga15a15.pdf Acesso em: 03 out. 2021.
NUNES, Benedito. Dalcídio Jurandir: as oscilações de um ciclo romanesco. Asas da Palavra, Belém, v. 8, n. 17, junho de 2004.
SANTOS, Alinnie Oliveira Andrade. A figuração da mulher em Dalcídio Jurandir: entre o desamparo, a opressão e a transgressão. 2018. Tese (Doutorado em Letras) – Instituto de Letras e Comunicação, Universidade Federal do Pará, Belém, 2018. Disponível em: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/11199 Acesso em: 7 out. 2021.
SANTOS, Neilci do Socorro Coelho dos Santos. Dona Cecé: um feminino singular, em Passagem dos Inocentes, de Dalcídio Jurandir. 2005. Dissertação (Mestrado em Letras) – Instituto de Letras e Comunicação, Universidade Federal do Pará, Belém, 2005.
ROSENFELD, Anatol. Reflexões sobre o romance moderno. In: ROSENFELD, Anatol. Texto/contexto I. 5ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2015.
Publicado
2022-07-05
Visualizações
  • Artigo 14
  • PDF 8