Walter Freitas e Dalcídio Jurandir: um diálogo modernista

  • Josiclei de Souza Santos
Palavras-chave: Literatura cantada, Amazônia, Narrativa

Resumo

O presente trabalho se inscreve no campo dos estudos interartes, e busca fazer um estudo comparativo entre a narrativa escrita e a narrativa poética cantada, mais especificamente pretende-se fazer um paralelo comparativo entre o álbum Tuyabaé Cuaá (1987), de Walter Freitas, em parceria com os poetas João Gomes e Antônio Moura, e o conjunto de dez romances conhecido como Ciclo do Extremo Norte, de Dalcídio Jurandir, observando como o músico e escritor, a partir da apropriação parafrásica constrói uma obra que dialoga com reflexões e proposições estéticas iniciadas no campo literário, na Amazônia, por Dalcídio Jurandir, aprofundando as mesma e criando uma voz poética própria, o que torna sua obra ainda um marco criativo da literatura cantada em língua portuguesa. Os romances utilizados neste estudo são Chove nos campos de Cachoeira, Ponte do Galo e Primeira Manhã. Também, pretende-se mostrar como o referido álbum permanece uma provocação de escuta pelas experimentações poéticas de inspiração rosiana, em que o regionalismo é transfigurado literariamente. Como referencial teórico será utilizado o estudo de Affonso Romano de Sant’Anna sobre apropriação paródica e apropriação parafrásica.

Referências

ANDRADE, Mário de. Música de feitiçaria no Brasil. São Paulo: Martins, 1963.

BARTHES, Roland. O prazer do texto. Trad. J. Guinsburg. Perspectiva: 1987.

CANCLINI, Néstor García. La modernidad después de la posmodernidad. In: BELUZZO, Ana Maria de Moraes (Org.). Modernidade: vanguardas artísticas na América Latina. São Paulo: Memorial da América Latina, 1990.

CANDIDO, Antonio. A Nova Narrativa. In: A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Ática, 1989, p. 199-215.

CASTRO, Fábio. Entre o Mito e a Fronteira. Belém: Labor Editorial, 2011.

FIGUEIREDO, Aldrin Moura de. Eternos modernos: uma história social da arte e da literatura na Amazônia, 1908-1929. 2001;

JURANDIR, Dalcídio. Marajó. Belém: EDUFPA, 2008.

JURANDIR, Dalcídio. Chove nos campos de Cachoeira. 3. ed. Belém: CEJUP, 1991.

JURANDIR, Dalcídio. Ponte do Galo. São Paulo: Martins; Rio de Janeiro: INL, 1971.

JURANDIR, Dalcídio. Primeira Manhã. Belém: Marques Editora, 2016.

NAPOLITANO, Marcos. A síncope das ideias: a questão da tradição na música popular brasileira. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2007.

SALLES, Vicente. A música e o tempo no Grão-Pará. 1980, p. 150-164.

SALLES, Vicente. Música e músicos no Pará. Falta ano. p. 52.

SANT´ANNA, A. R. de. Paródia, paráfrase & cia. 4 ed. Ática: São Paulo, 1991.

SCHAFER, R. Murray. O ouvido pensante. 1991, p 177.

TATIT, Luiz. O Cancionista: Composição de Canções no Brasil. 2.ed. São Paulo, Edusp, 2002.

ZUMTHOR, Paul. Introdução à poesia oral. São Paulo: Hucitec, 1997, p. 40.

FURTADO, Marli. Abguar Bastos e Dalcídio Jurandir: Vozes modernas na Amazônia Brasileira. In. Revista Brasileira de Literatura Comparada. Nº 25, 2014.

FREITAS, Walter. CD Tuyabaé Cuaá. Rio de Janeiro: Selo Outros Brasis, 1987.

FREITAS, Walter. Dezmemórias: pelos 10 anos de morte de Chico Mendes, 2003.
Publicado
2022-07-05
Visualizações
  • Artigo 58
  • PDF 23