A MUTAÇÃO DE UMA ARQUITETURA ANCESTRAL

Palavras-chave: Arquitetura Indígena, Guarani Mbya, Cultura e Ancestralidade, Sustentabilidade Cultural, Sustentabilidade Ambiental, Soluções Espaciais e Construtivas

Resumo

No estado do Rio Grande do Sul as comunidades indígenas vivenciam adversidades comuns às demais comunidades indígenas do Brasil, e buscam manter vivas as suas culturas espaciais e construtivas. Diante este contexto, o objetivo deste artigo é analisar a arquitetura vernacular e a raiz cultural brasileira de um dos grupos Guarani Mbya do Município de Camaquã, a fim de identificar continuidades e transformações na arquitetura desta comunidade. A partir da pesquisa bibliográfica e de metodologias de participação social, foram desenvolvidas soluções apropriadas à cultura e ao território dos integrantes da Aldeia Flor da Serra. Os aspectos abordados se referem a organização cultural, espacial e construtiva. Os resultados demonstram a permanência e a transmutação da arquitetura desta comunidade, oportunizando reflexões sobre seu patrimônio espacial e construtivo. A finalidade é dar visibilidade a estas soluções ancestrais que podem ser oportunas à sustentabilidade, especialmente para às comunidades em situação de vulnerabilidade social.

Publicado
2023-07-26
Visualizações
  • Artigo 101
  • PDF 78
Como Citar
Radünz, L., & Nerbas, P. (2023). A MUTAÇÃO DE UMA ARQUITETURA ANCESTRAL. IMPACT Projects, 2(1), 197-210. https://doi.org/10.59279/impact.v2i1.2242
Seção
05. IMPACTO AMBIENTAL E MERCADO DE TRABALHO