CROMATOGRAFIA COM MATERIAIS ALTERNATIVOS

  • Vanessa Bastos da Costa
  • Simone Yasue Simote Silva

Resumo

A Química é uma ciência que permite ao seu conhecedor, uma visão crítica a respeito de certos materiais e um posicionamento em relação ao meio ambiente, portanto o ensino de Química é de suma importância para a formação de um cidadão consciente. O ensino de Química tem encontrado inúmeras barreiras que tornam o processo ensino aprendizagem mais difícil, o estudo dessa ciência deve estar estruturado de tal forma que permita ao professor trabalhar melhor e ao aluno aprender melhor. Algumas variáveis que podem permitir esse processo são: melhores condições de trabalho (e de vida) para professores e alunos, laboratórios razoavelmente equipados e alguns recursos audiovisuais. Além disso, é indispensável um programa bem organizado, onde há um planejamento cuidadoso do material que será trabalhado. Segundo Jorge Machado, em seu artigo: “Considerações sobre o ensino de Química” relata que: “A partir da opção pela Educação Química, segue-se a realização de atividades experimentais em laboratórios, a prática de pesquisas orientadas sobre tópicos em Química, excursões e visitas a indústrias, produção de textos e debates em sala de aula, tudo partindo desta nossa opção ideológica que visa educar cientificamente o cidadão.” No mesmo artigo ainda há um parecer, que com certeza é um dos mais importantes: “Deve-se ensinar sempre do CONCRETO para o ABSTRATO, partindo daquilo que o aluno já sabe e oportunizando lhe a construção de conceitos (...)”. Ao se trabalhar na formação de professores se questiona quais estratégias de ensino utilizar que permitam a instrumentalização teórica e técnica de forma a possibilitar a esses futuros professores de química desenvolver sua profissão com dinamismo, competência e consciência de se estar fazendo o melhor e com capacidade de criar didáticas específicas conforme a realidade na qual esteja atuando. Os alunos do ensino médio tem muita dificuldade em associar a química em sua teoria com a química existente no seu cotidiano. A inserção da cromatografia na escola de ensino médio possibilitaria a abordagem de diversos conceitos fundamentais à disciplina de química, tais como polaridade, solubilidade, separação de misturas, interações intermoleculares, estrutura dos compostos químicos, entre outros. Para tanto, faz-se necessário uma pesquisa inicial pelos materiais convenientes para se confeccionar sistemas cromatográficos em coluna (parte fixa e parte móvel) que se adaptem ao processo de ensino-aprendizagem no ensino médio, bem como materiais para se cromatografar. A cromatografia é um processo físico-químico de separação de misturas, baseado na distribuição diferencial dos componentes, gerada pelas interações intermoleculares existentes entre os componentes da mistura e as fases cromatográficas: fase fixa (ou fase estacionária) e fase móvel É consenso geral que aulas de Química experimentais são mais eficientes que aulas teóricas, porém muitas escolas ainda não abordam este método de ensino, devido à falta de recursos ou ambiente inadequado na Instituição. Sendo assim, a realização de aulas experimentais envolvendo uma metodologia de Cromatografia Alternativa possibilitaria a inserção dos processos e técnicas de cromatografia no Ensino Médio. Justificando-se assim a execução deste projeto.A separação cromatográfica utilizando pigmentos extraídos de produtos naturais proporciona uma abordagem didática e interessante para o estudante do ensino médio, e permite o acompanhamento de uma separação pela simples observação das cores dos pigmentos possibilitando uma correlação entre a química e o cotidiano.  

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-08-01
Visualizações
  • Artigo 72
  • PDF 108
Como Citar
da Costa, V., & Silva, S. (2019). CROMATOGRAFIA COM MATERIAIS ALTERNATIVOS. Seminário De Projetos De Ensino (ISSN: 2674-8134), 1(1). Recuperado de https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/spe/article/view/681

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)