AÇÃO COMUNICATIVA NO TRABALHO DE BASE DO MST TRANSFORMA EX-GARIMPEIROS DE SERRA PELADA EM ASSENTADOS NA PALMARES II

  • Jax Nildo Aragão Pinto Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará - UNIFESSPA
  • Marcelo Barbalho Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa)
  • Thais Alves Rabelo Valente Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa)
Palavras-chave: Ação comunicativa. Serra Pelada. MST.

Resumo

A partir do contexto político do final da ditadura militar (1964-1985) e das primeiras ações do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), no Pará, este artigo procura mostrar que o garimpo de Serra Pelada, que na década de 1980 atraiu milhares de homens e mulheres em busca de ouro, mantém relação com a fundação de assentamentos rurais no Sudeste do Pará. Para isso, destacam-se a ação comunicativa e o processo de comunicação relacional estabelecido por integrantes do MST e camponeses, incluindo ex-garimpeiros de Serra Pelada que participaram da fundação do Assentamento Palmares II, em Parauapebas, em 1996.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jax Nildo Aragão Pinto, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará - UNIFESSPA

Pós-doutorando em Comunicação, Cultura e Amazônia pela UFPA, Doutor em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública - ENSP/Fiocruz, mestre em Sociologia Geral pela Universidade Federal do Pará, Especialista em Populações Tradicionais da PAN Amazônia pelo Núcleo de Altos Estudos da Amazônia - NAEA/UFPA, Especialista em Gestão Estratégica de Políticas Públicas pela Unicamp, Aperfeiçoamento em Comunicação Social pela Universidade Urbaniana de Roma e graduado em Comunicação Social (Relações Públicas) pela Universidade da Amazônia. Tem experiência em Assessoria de Comunicação Organizacional em Instituições Sociais e Eclesiais, Cooperativas e Associações de 1999 a 2012 e como docente do magistério superior desde 2003. Atuou como diretor da Faculdade de Comunicação do ICSA/UNIFESSPA, de outubro de 2019 a março de 2022. Atualmente é o Diretor do Instituto de Ciências Sociais Aplicadas (ICSA/UNIFESSPA).

Marcelo Barbalho, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa)

Concluiu doutorado em Comunicação e Cultura pelo Programa de Pós-Graduação da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGCOM-UFRJ), sob orientação do professor Mauricio Lissovsky, com estágio de pesquisa no Laboratório de História Visual Contemporânea (Lhivic) da Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais, em Paris. Atualmente é professor da Faculdade de Comunicação e do Programa de Pós-Graduação em História (PPGHIST) da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa). Seu campo de atuação tem como ponto de partida a fotografia, buscando interseções com a história, a cultura visual e as teorias da imagem. É fotógrafo, com trabalho ligado ao documentarismo. 

Thais Alves Rabelo Valente, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa)

Mestranda em Dinâmicas territoriais e sociedade na Amazônia (PDTSA)/ UNIFESSPA. Especialista em gestão pública e tributária pela UNIFESSPA e graduação em Ciências Contábeis pela Faculdade Metropolitana de Marabá (2018). Atua como professora voluntária do curso de ciências contábeis da Unifesspa nas disciplinas de controladoria e contabilidade internacional e desenvolvendo atividades profissionais no âmbito da contabilidade

Publicado
2023-07-07
Visualizações
  • Artigo 67
  • PDF 42