EXPERIÊNCIAS DE LEITURA E ESCRITA NA DISCIPLINA DE MONITORIA DE LINGUÍSTICA TEXTUAL: A PRODUÇÃO ESCRITA E OS CRITÉRIOS DE CORREÇÃO - 124

  • Austria Rodrigues Brito
  • Andresa dos Santos Maciel
  • Lucielma Ferreira Aguiar

Resumo

O presente trabalho de Monitoria desenvolvida na disciplina de Linguística Textual objetiva apresentar uma proposta de pesquisa qualiquantitativa voltada ao letramento acadêmico de estudantes do curso de graduação em Letras Português, turma 2016. A proposta centrou-se inicialmente na observação das aulas ministradas pela docente e na coleta de textos acadêmicos do gênero resenha e resumo produzidos nas aulas em determinadas condições de produção (O quê? Para quê? Como? Público alvo? Qual gênero?). Deste modo, entendemos que o desempenho dos estudantes quanto ao domínio dos elementos linguísticos - discursivas características destes textos (coesão, coerência, sintaxe de colocação, regência, inferências, pressuposições, raciocínio crítico etc.) precisam ser desenvolvidos pelo leitor e produtor a partir de um trabalho epilinguístico e de uma orientação dada pelo docente no momento da leitura e produção escrita. Os resultados dessa pesquisa apontam que a escrita acadêmica precisa de compromisso de leitura por parte do leitor acadêmico e o professor mediador precisa ser o coorientador dessa escrita, estabelecendo critérios de correção para o texto, tal como vimos na disciplina. Utilizamos como aporte teórico autores como Koch & Elias (2010), Koch (2015) e Fávero (2003) e Bonifácio e Maciel (2010).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Austria Rodrigues Brito
O presente trabalho de Monitoria desenvolvida na disciplina de Linguística Textual objetiva apresentar uma proposta de pesquisa qualiquantitativa voltada ao letramento acadêmico de estudantes do curso de graduação em Letras Português, turma 2016. A proposta centrou-se inicialmente na observação das aulas ministradas pela docente e na coleta de textos acadêmicos do gênero resenha e resumo produzidos nas aulas em determinadas condições de produção (O quê? Para quê? Como? Público alvo? Qual gênero?). Deste modo, entendemos que o desempenho dos estudantes quanto ao domínio dos elementos linguísticos - discursivas características destes textos (coesão, coerência, sintaxe de colocação, regência, inferências, pressuposições, raciocínio crítico etc.) precisam ser desenvolvidos pelo leitor e produtor a partir de um trabalho epilinguístico e de uma orientação dada pelo docente no momento da leitura e produção escrita. Os resultados dessa pesquisa apontam que a escrita acadêmica precisa de compromisso de leitura por parte do leitor acadêmico e o professor mediador precisa ser o coorientador dessa escrita, estabelecendo critérios de correção para o texto, tal como vimos na disciplina. Utilizamos como aporte teórico autores como Koch & Elias (2010), Koch (2015) e Fávero (2003) e Bonifácio e Maciel (2010).
Publicado
2019-10-18
Visualizações
  • Artigo 9
  • PDF 20
Como Citar
Brito, A., dos Santos Maciel, A., & Aguiar, L. (2019). EXPERIÊNCIAS DE LEITURA E ESCRITA NA DISCIPLINA DE MONITORIA DE LINGUÍSTICA TEXTUAL: A PRODUÇÃO ESCRITA E OS CRITÉRIOS DE CORREÇÃO - 124. Seminário De Projetos De Ensino (ISSN: 2674-8134), 4(1). Recuperado de https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/spe/article/view/1070