EXPERIÊNCIAS NO PROGRAMA DE MONITORIA - DISCIPLINA “FORMAÇÃO DOS ESTADOS NACIONAIS”

  • Oziel Washington David Moreira
  • Anna Carolina de Abreu Coelho

Resumo

A monitoria desempenha papel relevante na formação acadêmica do discente, sendo mais do que a simples obtenção de um diploma de curso superior. Para além do ganho intelectual, a monitoria propicia a troca de saberes entre o orientador e o monitor no decorrer do programa.
Desta forma, o aluno/monitor inicia sua caminhada no universo docente, convivendo com alegrias e dissabores. Por ainda ser um estudante e, está de certa forma próximo dos alunos que monitora, o monitor acaba por vivenciar experiências inusitadas, que vão desde a “alegria e satisfação de contribuir para a aprendizagem e desenvolvimento de alguns até a breve desilusão nos casos em que a conduta de alguns alunos monitorados se tornam inconvenientes e até mesmo desestimuladores” (SILVA; LACERDA, 2015, p. 2).
Ser monitor de uma turma exige certa vigilância por parte do discente, pois ele não deve falhar no momento de auxiliar os alunos monitorados. Aquele acaba se tornando um elo entre o professor da disciplina e os demais alunos, no que se refere, a contribuição para assimilação dos conteúdos explanados em sala. O fato do monitor ser antes de tudo um aluno, é facilitador da aproximação entre monitor e monitorados, já que eles frequentam os mesmos ambientes acadêmicos, fato que não ocorre em certos casos com o docente.
A monitoria possibilita a vivência da prática docente, antes conhecida apenas teoricamente devido a leituras de textos da área de Ensino. Orientar os alunos na elaboração de seus trabalhos, faz com que o monitor aprenda sobre diversos temas, fomentando neste, uma constante leitura para discutir de forma satisfatória com os alunos monitorados.
Entendida como um instrumento que visa melhorar o ensino na graduação, enquanto promove a cooperação entre aluno e professor, a monitoria oportuniza, como já mencionado, a vivência da atuação docente, bem como a participação na elaboração e ministração das aulas. É perceptível que a monitoria contribui para uma formação integral do aluno/monitor, abarcando o tripé da graduação: ensino, pesquisa e extensão. A partir da promulgação da lei 66.315/1970, as universidades (sobretudo as federais) passaram a se adequar as exigências legais, institucionalizando e adaptando o Programa de Monitoria as suas especificidades regimentais e social. A Unifesspa nos últimos anos destinou um número significativo de vagas para o Programa de Monitoria. Tomando como referência o ano de 2016, 43% dos editais lançados naquele ano, estavam destinados a preencher vagas de monitor. A monitoria contempla atividades de cunho didático-pedagógico, desenvolvidas por discentes e orientadas pelos professores. Tais atividades objetivam contribuir para a formação acadêmica do aluno/monitor, fazendo com que este aprofunde seus conhecimentos acerca dos conteúdos trabalhados na sala de aula, concomitante se prepara para a realidade de sua profissão.
Infelizmente, a monitoria também possui desvantagens, que precisam ser pontuadas. Todavia, o Programa de Monitoria é essencial no processo de ensino, ao propiciar ao monitor o aperfeiçoamento na aprendizagem da disciplina e no trabalho com ideias e pessoas distintas.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-07-31
Visualizações
  • Artigo 220
  • PDF 98
Como Citar
Moreira, O., & Coelho, A. (2019). EXPERIÊNCIAS NO PROGRAMA DE MONITORIA - DISCIPLINA “FORMAÇÃO DOS ESTADOS NACIONAIS”. Seminário De Projetos De Ensino (ISSN: 2674-8134), 3(1). Recuperado de https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/spe/article/view/566