NOVAS PERSPECTIVAS PARA O ENSINO DE HISTÓRIA LOCAL E REGIONAL EM XINGUARA: DIÁLOGOS ENTRE A UNIVERSIDADE E A EDUCAÇÃO BÁSICA

  • Ellen Cristina Araujo Silva
  • Poliana Ferreira Honostório
  • Lucilvana Ferreira Barros
  • Roberg Januário dos Santos
  • Rildo Bento Tavares
  • Pedro Monteiro da Silva Filho

Resumo

O projeto Novas Perspectivas para o ensino de História local e regional em Xinguara: diálogos entre a Universidade e a educação básica partiu do pressuposto que o processo de ensino aprendizagem do saber histórico é encaminhado, grande parte, por meio de uma cadeia normatizadora do conhecimento, sustentada pelo empirismo de regras escolares e objetividade dos materiais didáticos, principalmente dos livros didáticos, estes que geralmente totalizam conteúdos e, no caso da história, se pautam na história geral ou do Brasil, propõe-se um projeto de intervenção neste cenário do saber histórico aplicado ao âmbito da educação básica de um município do interior paraense, a saber: Xinguara.
Os objetivos do projeto residem em: desenvolver uma proposta de intervenção metodológica para o ensino básico (ensino fundamental II) de trabalho com a história local/regional, de modo que além de sugerir o trabalho ou o repensar acerca da história local/regional, possa-se ir além de um modelo de ensino circunscrito as generalizações e distanciamentos provocados apenas pela utilização de livros didáticos e regras escolares, pautando-se como via de entrada para os conteúdos e a análise de documentos históricos provenientes do lugar e estudos do meio voltados para a formação de práticas interdisciplinares.
Soma-se a este objetivo maior outros objetivos, a saber: Contribuir para a reflexão e o repensar da formação dos discentes do Curso de História da Unifesspa, uma vez que o projeto proposto investe sobre o repensar do ensino de história estendendo ações à comunidade local que permitam o diálogo entre a pesquisa, a história local/regional e o processo de ensino e aprendizagem; Propiciar a inserção do trabalho com documentos históricos e estudo do meio na prática docente da educação básica, considerando tal procedimento não só como reforço de estudo, mas entrada por meio de situação problema e interpretação do mundo mais próximo; Aproximar a sociedade xinguarense da Universidade, criando espaços de diálogos e trocas de experiências que possam enriquecer a formação discente e qualificação docente no âmbito da educação básica local. Segundo José D’Assunção Barros, “[...] o “local” se refere aqui a uma cultura ou uma política local, a uma singularidade regional, a uma prática que só se encontra aqui ou que aqui adquire conotações especiais a serem examinadas.
Apesar das especificidades do local e regional, estes tipos de abordagens também se relacionam com outras dimensões espaciais do saber histórico. Assim, deve-se considerar que o trabalho com história local/regional não exclui a possibilidade de trabalho com a história geral, pois “os problemas culturais, políticos, económicos e sociais de uma localidade explicam-se, também, pela relação com outras localidades, outros países e, até mesmo por processos históricos mais amplos” (SCHIMIMIDT & CAINELLI, 2004, p.112). A proposta do projeto se encontra em consonância com as diretrizes curriculares brasileira, pois a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (2014, p.19) prevê que: “Art. 26. Os currículos da educação infantil, do ensino fundamental e do ensino médio devem ter base nacional comum, a ser complementada, em cada sistema de ensino e em cada estabelecimento escolar, por uma parte diversificada, exigida pelas características regionais e locais da sociedade, da cultura, da economia e dos educandos”. Com base na LDB, os currículos escolares devem levar em conta os conhecimentos em âmbito nacional, mas também devem considerar as especificidades locais e regionais, pois são conhecimentos advindos da vivência de professores e estudantes. Outro documento oficial reforça a importância do local no âmbito do ensino de História, a saber: Os Parâmetros Curriculares Nacionais, desta feita prevê “nesse sentido, o ensino de História pode fazer escolhas pedagógicas capazes de possibilitar ao aluno refletir sobre seus valores e suas práticas cotidianas e relacionálos com problemáticas históricas inerentes ao seu grupo de convívio, à sua localidade, à sua região e à sociedade nacional e mundial” (1998, p.34). Com base nestes pontos referenciais da educação brasileira a respeito do local e regional, apontamos que o trabalho com a história local proposto pelo projeto em tela converge para atender não só um objetivo de projeto institucional, mas os objetivos da educação nacional. A inserção do local no ensino de História parte da ideia de que podemos contribuir para que se conheça a profícua ação histórica desencadeada com os estudos sobre o cotidiano e trajetória de grupos mais próximos de estudantes e professores.
 

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-07-01
Visualizações
  • Artigo 144
  • PDF 67
Como Citar
Silva, E., Honostório, P., Barros, L., Santos, R., Tavares, R., & Filho, P. (2019). NOVAS PERSPECTIVAS PARA O ENSINO DE HISTÓRIA LOCAL E REGIONAL EM XINGUARA: DIÁLOGOS ENTRE A UNIVERSIDADE E A EDUCAÇÃO BÁSICA. Seminário De Projetos De Ensino (ISSN: 2674-8134), 2(1). Recuperado de https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/spe/article/view/676