Educação matemática do campo: crenças e possibilidades sobre o uso das tecnologias digitais

Palavras-chave: Tecnologias Digitais, Ensino, Escola Campesina, Crenças, Possibilidades

Resumo

O objetivo deste artigo é evidenciar contextos, crenças e possibilidades do uso de tecnologias digitais (TD) na educação do campo, tendo em vistas os sujeitos culturais da Escola Estadual Paulo Freire no Assentamento Antônio Conselheiro, município de Barra do Bugres - MT. A proposta firma-se na reflexão da importância das relações entre as tecnologias, educação do campo e seus sujeitos. A metodologia utilizada foi a da pesquisa qualitativa e os instrumentos de produção de dados são: observação participante com notas de corpo e entrevistas. A base teórica está firmada nos pensamentos de Caldart, pela sua concepção de educação do campo; Pesce e Jardim, pela compreensão da necessidade das tecnologias neste contexto numa perspectiva freiriana; Kenski, que percebe tecnologia como protagonista no ato de ensinar e aprender; Barcelos, por suas investigações sobre crenças no ensino; Leão e Souto, que apontam da relação tecnologia/professor e tecnologia/objetos educacionais. Os dados produzidos sugerem uma prática docente afetada por crenças que criam obstáculos para uso das TD no ensino de matemática da escola do campo.  Este é um trabalho imbuído na percepção das setas no caminho para o desenvolvimento de estratégia de uso das Tecnologias Digitais, como empoderamento social e potencialização pedagógica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Marcos Ferreira Andrade, Seduc- MT
Mestre em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT), graduado em Letras - Português/Espanhol pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e em Pedagogia pela UNEMAT. Especialista em Coordenação Pedagógica e em Gestão Escolar pela UFMT e em Educação do Campo pela Faculdade Afirmativo/MT. Professor da educação básica na SEDUC-MT e na SMEC de Barra do Bugres/MT.
Adailton Alves da Silva, Universidade do Estado de Mato Grosso
Doutorado em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Brasil (2013).Professor Titular da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat).

Referências

ANDRADE, Paulo Marcos Ferreira; SOUZA; Neiva Aparecida Pires de; NAVARRO; Eliziane Fernanda. O ensino de Língua Espanhola na educação a distância entre crenças e percepções. Revista Humanidades e Inovação, Palmas-Tocantins, v. 5, n. 1, 2018. Disponível em: https://revista.unitins.br/index.php/humanidadeseinovacao/issue/view/27. Acesso em: 12 set. 2019.

BARCELOS, Ana Maria Ferreira. Reflexões acerca da mudança de crenças sobre ensino e aprendizagem de línguas. Rev. Brasileira de Lingüística Aplicada, v. 7, n. 2, Belo Horizone- 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-63982007000200006. Acesso em: 10 set. 2019.

BARCELOS, Ana Maria Ferreira. Crenças sobre aprendizagem de línguas, Linguística Aplicada e ensino de línguas. Linguagem e Ensino, Pelotas, v. 7, n. 1, p. 101-121, Pelotas –RS, 2004. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2019.

KALAJA, P.; BARCELOS, Ana Maria Ferreira (Org.). Crenças sobre SLA: nova pesquisa approaches. Holanda: Kluwer Academic Publishers, 2003. p. 7-34.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do Pensamento Abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Novos estud. – CEBRAP, São Paulo, n.79, Nov. 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-33002007000300004. Acesso em: 18 set. 2019.


BOGO, Ademar. A Questão da Educação do Campo e as contradições da luta pelo direito. In: NASCIMENTO, Antônio Dias; RODRIGUÊS, Rosana Mara Chaces.; SODRÉ, Maria Dorath Bento. (Orgs.). Educação do Campo e contemporaneidade: paradigmas, estratégias, possibilidades e interfaces. Salvador, Bahia: EDUFBA, 2013.

BORBA, Marcelo de Carvalho.; PENTEADO, Mirian Godoy. Informática e Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2001.

BORBA, Marcelo de Carvalho; SKOVSMOSE, Ole. A ideologia da certeza em educação matemática. In: SKOVSMOSE, Ole. Educação matemática crítica: a questão da democracia. Campinas: Papirus, 2001. p. 127-160.

KENSKI, Vani Moreira. Educação e Tecnologias: O novo ritmo da informação. Campinas: Papirus, 2007.

LEÃO, Marcelo Franco; SOUTO, Daise Lago Pereira. Objetos educacionais digitais para o ensino de Física. Revista Tecnologias na Educação ISSN 1984-4751. Dezembro – 2015. Disponível em: https://tecedu.pro.br/ano7-numerovol13-2015/. Acesso: 19 set. 2019.

LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento da informática. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993. (Coleção TRANS)

PESCE, Lucila; JARDIM, Vera (Orgs.). Educação, tecnologias e empoderamento freiriano: desafios e possibilidades dos grupos sociais contemporâneos. Uberlândia: Navegando Publicações, 2017.

PENTEADO, Miriam Godoy. Novos atores, novos cenários: discutindo a inserção dos computadores na profissão docente. In: BICUDO, M. A. V. (Org.). Pesquisa em Educação Matemática: concepções e perspectivas. São Paulo: Editora UNESP, 1999. p. 297-313.

SKOVSMOSE, Ole. Viagem através da educação: incerteza, matemática e responsabilidade. Roterdão: Sense Publishers, 2005

TAPSCOTT, Don. A hora da geração digital: como os jovens que cresceram usando a internet estão mudando tudo, das empresas aos governos. Rio de Janeiro: Agir, 2010.
Publicado
2020-06-28
Visualizações
  • Artigo 31
  • PDF 50
Como Citar
ANDRADE, P. M.; DA SILVA, A. Educação matemática do campo: crenças e possibilidades sobre o uso das tecnologias digitais. ReDiPE: Revista Diálogos e Perspectivas em Educação, v. 2, n. 1, p. 237-250, 28 jun. 2020.