Modos de lutar, resistir e existir na Comunidade de Água Boa II: uma experiência de licenciandos em Educação do Campo em tempo-comunidade

Palavras-chave: Movimentos Sociais, Comunidade Tradicional Geraizeira, Formação de Professores em Educação do Campo, Regime de Alternância, Tempo-Comunidade

Resumo

Este artigo relata uma experiência transcorrida no Tempo-Comunidade do curso de Licenciatura em Educação do Campo da Universidade Federal do Triângulo Mineiro. O acompanhamento das atividades em comunidades rurais do município de Rio Pardo de Minas, estado de Minas Gerais, contou com a participação de licenciandos e de um docente da universidade. Destacamos a visita realizada na comunidade de Água Boa II, na qual foi possível tomar contato com a memória, luta e resistência dessa comunidade na preservação da biodiversidade, sobretudo na questão da oferta de água e do combate ao plantio da monocultura de eucalipto. Além disso, tornou viável, por meio de rodas de conversa, a interação com a Casa de Sementes Crioulas, o viveiro de mudas de plantas típicas do Cerrado, a Cooperativa de Polpas de Frutas e a produção do café sombreado. Contou com instrumento de produção de dados o Caderno de Realidade produzido pela primeira autora. Concluímos que a experiência possibilitou aos futuros professores em Educação do Campo maior proximidade com uma realidade fisicamente pouco distante e, dessa forma, ensejou novas reflexões, ademais daquelas produzidas apenas teoricamente no Tempo-Escola. É imperativo destacar que o movimento coletivo organizado na comunidade contribuiu na formação dos licenciandos e trouxe a indicação de ser fundamental e necessária a organização dos tempos e espaços formativos por meio do Regime de Alternância, especialmente do Tempo-Comunidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Celma Barbosa Alves, Universidade Federal do Triângulo Mineiro
Licencianda em Educação do Campo da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM).
Fernando Luís Pereira Fernandes, Universidade Federal do Triângulo Mineiro
Doutor em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Professor Adjunto do Instituto de Ciências Exatas, Naturais e Educação da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM).

Referências

AGOSTINHO, Maria Lúcia de Oliveira; CREPALDE, Rodrigo dos Santos. “Nós sem Deus e sem água não é nada”: saberes e conquista na criação da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Nascentes Geraizeiras. Cadernos CIMEAC, Uberaba, v. 8, n. 1, p. 364-390, 2018. Disponível em: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/cimeac/article/download/2773/3685. Acesso em: 01 mar. 2020.

ANTUNES-ROCHA, Maria Isabel; MARTINS, Maria de Fátima Almeida. Diálogo entre teoria e prática na Educação do Campo: Tempo Escola/Tempo Comunidade e alternância como princípio metodológico para organização dos tempos e espaços no curso de Licenciatura em Educação do Campo. In: MOLINA, Molina. Castagna; SÁ, Laís Mourão de (Org.). Licenciaturas em Educação do Campo: registros e reflexões a partir das experiências piloto. Belo Horizonte: Autêntica, 2011, p. 213-228.

ARROYO, Miguel Gonzalez. Políticas de formação de educadores (as) do campo. Cad. CEDES, Campinas, v. 27, n. 72, p. 157-176, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v27n72/a04v2772.pdf. Acesso em: 02 fev. 2016.

BOGDAN, Robert C.; BIKLEN, Sari Knopp. Investigação Qualitativa em Educação. Porto: Porto Editora, 1994.

CALDART, Roseli Salete. Educação do Campo: notas para uma análise de percurso. Trab.
Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v.7, n.1, p.35-64, 2009.

CALDART, Roseli Salete. Educação do Campo. In: CALDART, Roseli Salete et al. (Org.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica Joaquim
Venâncio, Expressão Popular, 2012, p. 259-267.

CRUZ, Valter do Carmo. Povos e Comunidades Tradicionais. In: CALDART, Roseli Salete et al. (Org.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012, p. 594-600.

FERNANDES, Bernardo Mançano; CERIOLI, Paulo Ricardo; CALDART, Roseli Salete. Primeira Conferência Nacional “Por uma Educação Básica do Campo” (Texto preparatório). In: ARROYO, Miguel Gonzalez; CALDART, Roseli Salete; MOLINA, Mônica Castagna (Org.). Por uma educação do campo. 5. ed. São Paulo: Vozes, 2011. p. 19-63.

MEC. Edital 02/2012 SESU/SETEC/SECADI/MEC. Chamada Pública para seleção de Instituições Federais de Educação Superior–IFES e de Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia - IFET, para criação de cursos de Licenciatura em Educação do Campo, na modalidade presencial. 2012. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=13300-edital-02-2012-sesu-setec-secadi-31-agosto-2012-pdf&category_slug=junho-2013-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 12 ago. 2015.

MOLINA, Mônica Castagna. Expansão das licenciaturas em Educação do Campo: desafios e
possibilidades. Educar em Revista, Curitiba, n.55, p.145-166, 2015. Disponível em:
http://www.scielo.br/pdf/er/n55/0101-4358-er-55-00145.pdf. Acesso em: 02 fev. 2016.

UFTM. Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Educação do Campo. Uberaba, 2019. Disponível em: http://www.uftm.edu.br/licenciatura-em-educacao-do-campo. Acesso em: 15 mar. 2020.
Publicado
2020-06-27
Visualizações
  • Artigo 80
  • PDF 27
Como Citar
ALVES, C.; FERNANDES, F. Modos de lutar, resistir e existir na Comunidade de Água Boa II: uma experiência de licenciandos em Educação do Campo em tempo-comunidade. ReDiPE: Revista Diálogos e Perspectivas em Educação, v. 2, n. 1, p. 77-89, 27 jun. 2020.