Do Mãe Maria ao Assentamento Araras: territorialidade posseira no Araguaia e educação do campo

Palavras-chave: Assentamento Araras, Territorialidade Posseira, Escola José Cordeiro, Educação do Campo

Resumo

O artigo objetiva refletir sobre a trajetória de constituição do Assentamento Araras, protagonizada por posseiros da Terra Indígena Mãe Maria; cujas narrativas revelam elementos fundantes da territorialidade posseira no Araguaia. Vislumbramos ainda problematizar o uso destas narrativas em processos de ensino-aprendizagem na escola da localidade, como prática de educação do campo. A pesquisa de cunho qualitativo e abordagem dialética se baseou em observações, entrevistas gravadas, pesquisa documental, dados da experiência com Projeto de Leitura e escrita na escola, realizadas nos tempos comunidades da Educação do Campo, envolvendo assentados, alunos e professores do assentamento. A produção de cartilha com a história da comunidade; o uso dessa narrativa nas aulas, contribuíram no desenvolvimento da leitura, interpretação e produção da escrita dos estudantes. Resultados iniciais que reafirmam a educação do campo como um caminho a ser seguido, por valorizar saberes locais, ressignificar a escola do campo e efetivamente, contribuir na territorialidade camponesa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adenilson da Silva Cavalcante, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará
Graduando em Licenciatura em Educação do Campo - ênfase em Letras e Linguagens na Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (­Unifesspa).
Ailce Margarida Negreiros Alves, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará
Mestra em Ciências Sociais pela École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS), Paris/França, Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Professora da Unifesspa, Faculdade de Educação do Campo (Fecampo).

Referências

ALVES, Ailce Margarida Negreiros. Araras: na exceção da lei e na marra. 1995. Mimeo. Monografia (Especialização) – Universidade Federal do Pará, Marabá, 1995.

CALDART, Roseli Salete. Educação do Campo. In: CALDART, Roseli Salete et al. Dicionário da Educação do Campo. 3. ed. 3. reimpr. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2013. p. 257-265.

CEPASP. Em Busca do desenvolvimento Sustentável. Marabá-PA, 1996

EMMI, Marília. A Oligarquia do Tocantins e o Domínio dos Castanhais. Belém: UFPA/NAEA, 1999.

FECAMPO. PPC de Educação do Campo. Marabá-PA, UNIFESSPA. 2018.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 64. ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2017.

GUERRA, Gutemberg Armando Diniz. O posseiro da fronteira: campesinato e sindicalismo no Sudeste Paraense. Belém: UFPA/NAEA, 2001.

GOHN, Maria da Glória. Movimentos Sociais, Política e Educação. In: JEZINE, Edineide; ALMEIDA, Maria de Lourdes Pinto de (Orgs.). Educação e Movimentos Sociais: novos olhares. Campinas, SP: Editora Alínea, 2007.

HÉBETTE, Jean. Cruzando a fronteira: 30 anos de estudo do campesinato na Amazônia. Vol. I. Belém: EDUFPA, 2004.

LEITE, Sérgio Celani. Escola rural: urbanização e políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 1999.

MARTINS, José de Souza. Fronteira: a degradação do Outro nos confins do humano. São Paulo: Ed. Contexto, 2009.

MINAYO, Maria Cecilia de Sousa. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo-Rio de Janeiro: HUCITEC-ABRASCO, 1992.

MINAYO, Maria Cecilia de Sousa (Org.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 18. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

MOLINA, Monica Castagna; SÁ, Lais Mourão. Escola do Campo. In: CALDART, Roseli Salete; et al. Dicionário da Educação do Campo. 3. ed. 3. Reimpr. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2013 p. 324-330.

OLIVEIRA, Cledeneuza Maria Bizerra. “Sou filha de quebradeira de coco”. Alfredo Wagner Berno de Almeida (Ed.). Rio de Janeiro: Casa 8, 2017.

SILVA, Marlon Lima da; TOURINHO, Helena Lúcia Zagury. Território, territorialidade e fronteira: o problema dos limites municipais e seus desdobramentos em Belém/PA. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana (Brazilian Journal of Urban Management), 2017 jan./abr., 9 (1), 96-109. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/urbe/v9n1/2175-3369-urbe-2175-3369009001AO09.pdf Acesso em: 23 mai. 2020.

SILVA JÚNIOR, Amintas Lopes da et al. (Orgs.). Educação do Campo, agroecologia e questão agrária: a experiência do curso de residência Agrária na construção do IALA Amazônico. Marabá-PA: Iguana, 2018.

SILVA, Raimunda Maria Santos da. Agricultura familiar e as estratégias de manejo dos antigos castanhais no Pará. Nova Friburgo: Editora Fross, 2019.

Publicado
2020-06-27
Visualizações
  • Artigo 50
  • PDF 52
Como Citar
CAVALCANTE, A.; NEGREIROS ALVES, A. Do Mãe Maria ao Assentamento Araras: territorialidade posseira no Araguaia e educação do campo. ReDiPE: Revista Diálogos e Perspectivas em Educação, v. 2, n. 1, p. 46-61, 27 jun. 2020.