Pedagogias da resistência e afirmação quilombola: interfaces entre licenciaturas em Educação do Campo e educação escolar quilombola

Palavras-chave: Educação escolar quilombola, Formação de educadores do campo, Colonialidade do saber e do poder

Resumo

Este texto tem como objetivo identificar e analisar as interfaces entre a formação de educadoras/es do campo em nível superior autoidentificadas/os como quilombolas e a implementação da educação escolar quilombola. Para tal, tomamos a experiência das lutas em curso nas comunidades quilombolas de Ouro Verde de Minas, no Vale do Mucuri, Minas Gerais. A partir de uma pesquisa finalizada e outra em andamento, tem sido possível observar uma série de conquistas, mas também de desafios colocados na efetivação do direito a processos de escolarização que dialoguem com a realidade do povo quilombola e contribuam com a mudança positiva de sua realidade. Ainda que os povos quilombolas venham sendo acolhidos pelas Licenciaturas em Educação do Campo, a ausência de cursos específicos de formação para esses sujeitos é um desafio a ser considerado e superado, algo bastante difícil dentro do atual cenário político. Figuram como referencial teórico o pensamento decolonial e a educação popular, sendo conceitos importantes a colonialidade do poder e do saber e a educação bancária. A construção dos dados aqui apresentados foi feita a partir dos dados coletados em pesquisas realizadas sobre a educação escolar em Ouro Verde de Minas e nos relatos da experiência de formação de educadores quilombolas do campo em nível de graduação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandra Bernardes Faria Campos, Universidade Federal de Ouro Preto
Doutoranda em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Ouro Preto (PPGE/UFOP).
Emanoel Ferreira de Silva Neto, Universidade Federal de Viçosa
Licenciado em Educação do Campo – Habilitação em Ciências da Natureza pelo Departamento de Educação da Universidade Federal de Viçosa (Licena/DPE/UFV).

Referências

ARROYO, Miguel. Pedagogias em movimento: o que temos a aprender dos Movimentos Sociais?. Currículo sem Fronteiras, v.3, n.1, pp. 28-49, Jan/Jun, 2003.

ARROYO, Miguel. Outros sujeitos, outras pedagogias. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

ARROYO, Miguel. O humano é viável? É educável? Revista Pedagógica. 2015, vol.17, n.35, Mai-Ago. 2015.

ARRUTI, José Maurício. Quilombo. In: Dicionário da CRER. 2008. Disponível em: http://files.ufgd.edu.br/arquivos/arquivos/78/NEAB/ARRUTI-%20Jose.%20Quilombos.pdf. Acesso em: 27 jul. 2019. (verbete)

BRASIL. Congresso Nacional. Lei n. 9.394, 20 de dezembro de 1996. Estabelece diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 23 dez 1996.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei n. 10.639, 9 de janeiro de 2003. Inclui no currículo a obrigatoriedade da temática História e Cultura Afro-Brasileira e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 10 jan.2003.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução n. 4, de 13 de julho de 2010. Define Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 9 jul. 2010.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer n. 16, 05 de junho de 2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 de novembro 2012a.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução n. 8, 20 de novembro de 2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Escolar Quilombola na Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 21 de novembro 2012b.

CALDART, Roseli Salete. Sobre a especificidade da Educação do Campo e os desafios no momento atual. mimeo, s/d.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1987.

GOMES, Nilma Lino. O Movimento Negro educador. Petrópolis: Vozes. 2017.

HALL, Stuart. Identidade Cultural da pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HOOKS, Bell. Ensinando a transgredir: educação como prática da liberdade. São Paulo: Martins Fontes. 2013.

MIRANDA, Shirley Aparecida de. Educação escolar quilombola em Minas Gerais: entre ausências e emergências. Revista Brasileira de Educação v. 17 n. 50 mai/ago. 2012.

MIRANDA, Shirley Aparecida de. Quilombo. In: Dicionário Alice. 2019 Disponível em: http://alice.ces.uc.pt/dictionary/. Acesso em: 24 jul. 2019. (verbete)

MIRANDA, Shirley Aparecida de et al. Quilombos e Educação. In: SILVA, Paulo Vinicius Baptista da; RÉGIS, Kátia; MIRANDA, Shirley Aparecida de (Orgs.). Educação das relações étnico-raciais: o estado da arte. Curitiba: NEAB-UFPR e ABPN, 2018.

MUNANGA, Kabengele. Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. 2003. Disponível em: https://www.geledes.org.br/wp-content/uploads/2014/04/Uma-abordagem-conceitual-das-nocoes-de-raca-racismo-dentidade-e-etnia.pdf. Acesso em: 27 jul. 2019.

QUIJANO, Anibal. Dom Quixote e os moinhos de vento na América Latina. Estudos Avançados, v. 19, n. 55, set/dez. 2005a.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (ed.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Clacso: Buenos Aires, 2005b.

SANTOS, Boaventura de Souza. Para além do pensamento abissal. In: SANTOS, Boaventura de Souza; MENESES, Maria Paula (Orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010. p.31-84.

SILVA, Elizete Pereira da. Universidade Federal de Viçosa. Vozes Mulheres: Trajetórias de acesso e permanência de mulheres do quilombo Santa Cruz no ensino superior. 2019. 53 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Educação do Campo – Habilitação em Ciências da Natureza) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa-MG, 2019.

SILVA NETO, Emanoel Ferreira da. Educação escolar quilombola no município de Ouro Verde de Minas-MG: desafios na conquista de direitos e afirmação da cultura. 2019. 25 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Educação do Campo – Habilitação em Ciências da Natureza) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa-MG, 2019.

SOUZA, Mauro Alves de. Panorama da educação quilombola em Ouro Verde de Minas - Minas Gerais. 2011. 70 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Educação do Campo – Ciências da Vida e da Natureza) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.
Publicado
2020-06-27
Visualizações
  • Artigo 170
  • PDF 77
Como Citar
CAMPOS, A.; SILVA NETO, E. Pedagogias da resistência e afirmação quilombola: interfaces entre licenciaturas em Educação do Campo e educação escolar quilombola. ReDiPE: Revista Diálogos e Perspectivas em Educação, v. 2, n. 1, p. 62-76, 27 jun. 2020.