Questão agrária brasileira e o lugar da juventude sem terra

Palavras-chave: Juventude, Questão Agrária, MST

Resumo

Este trabalho teve como tema o lugar da juventude Sem Terra na resistência frente aos condicionantes da questão agrária brasileira, segundo a experiência do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra- MST, desde seu programa político de Reforma Agrária Popular.  Sua intenção foi extrair elementos dos acúmulos construídos, para que ajudem a pensar as problemáticas existentes no Brasil, no que envolve o debate geral sobre a juventude camponesa no atual período histórico. A pesquisa teve natureza qualitativa, seguindo os procedimentos de pesquisa bibliográfica, pesquisa documental, e observação participante. As referências feitas a Juventude Sem Terra e aos temas da questão agrária brasileira nas abordagens sobre e do MST, tem politizando o tema do êxodo rural, demonstrando que sair do campo não é uma opção da juventude camponesa, mas sim uma imposição das configurações do desenvolvimento do capitalismo no campo. Assim como, tem mostrado a necessidade de um novo projeto de campo, o projeto da Reforma Agrária Popular, em que os jovens são fundamentais, e sujeitos de sua construção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Cristina de Mello
Juliana Cristina de Mello é graduada no curso Interdisciplinar em Educação do Campo, na área das Ciências Humanas e Scociais- Licenciatura, pela Universidade Federal da Fronteira Sul-UFFS, e é militânte do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra- MST. 
Paulo Henrique Campos da Silva
Paulo Henrique Campos da Silva possui graduação em Serviço Social pela Universidade Estadual do Ceará (2018) e é militante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra- MST. 

Referências

ARAÚJO, Liana Brito de Castro. Sociabilidade no assentamento rural de Santana – CE: terra e trabalho na construção do ser social. 2006. 280 f. Tese (Doutorado em Educação Brasileira) - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2006. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/3051. Acesso em: 07 set. 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Presidência da República, Casa Civil, 1988. Disponível em: https://amo.afomaria.com.br/wp-content/uploads/2018/01/Constituic%CC%A7a%CC%83o.pdf. Acesso em: 07 set. 2020.

CALDART, Roseli Salete. Educação do Campo. In: CALDART, Roseli Salete.; PEREIRA, Isabel Brasil; ALENTEJANO, Paulo; FRIGOTTO, Gaudêncio (orgs). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro/São Paulo: Expressão Popular, 2012. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/26224. Acesso em: 07 set. 2020.

CALDART, Roseli Salete. Pedagogia do Movimento. In: CALDART, Roseli Salete; PEREIRA, Isabel Brasil; ALENTEJANO, Paulo; FRIGOTTO, Gaudêncio. (orgs). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro/São Paulo: ESPJV/Expressão Popular, 2012. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/26224. Acesso em: 07 set. 2020.

CAPELO, Maria Regina Clivati; MARTINS, Suely Aparecida; AMARAL, Wagner Roberto do. Juventude do campo: refazendo caminhos pesquisados. In: JEOLÁS, Leila Sollberger; PAULILO, Maria Ângela Silveira.; CAPELO, Maria Regina Clivati (Org.). Juventudes, desigualdades e diversidades: estudos e pesquisas. Londrina: Eduel, 2007.

CASTRO, Elisa Guaraná. Entre Ficar e Sair: uma etnografia da construção social da categoria jovem rural. 2005. 380 f. Tese (Doutorado, Programa de Pós-graduação em Antropologia Social) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro: 2005.

CASTRO, Elisa Guaraná. Juventude rural no Brasil: processos de exclusão e a construção de um ator político. Revista Latinoamericana de Ciências Sociales, Niñez y juventud, v. 7, n. 1, enero/junio, 2009. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/46302945_Juventude_rural_no_Brasil_processos_de_exclusao_e_a_construcao_de_um_ator_politico. Acesso em: 18 dez. 2020.

COLETIVO NACIONAL DE JUVENTUDE DO MST. A juventude camponesa e o modelo de produção no campo. In: MARTIN, Laura; VITAGLIANO, Luís Fernando (Orgs). Juventude no Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2019.

COLETIVO NACIONAL DE JUVENTUDE DO MST. Desafios de formação da Juventude. In: 1° Cartilha de formação da Juventude Sem Terra. Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra- MST, Secretaria Nacional do MST, 2016.

DELGADO, Guilherme Costa. Do capital financeiro na agricultura à economia do agronegócio: mudanças cíclicas em meio século (1965-2012). 1 ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2012.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Juventude, trabalho e educação no Brasil: perplexidades, desafios e perspectivas. In: NOVAES, Regina; VANNUCHI, Paulo (Orgs). Juventude e Sociedade: trabalho, educação, cultura e participação. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2004.

GARCIA, Fátima Moraes. Perspectivas de estudo sobre a formação do sem-terra: o uso das categorias do universal, particular e singular. Revista Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 4, n. 1, p. 124-132, jun. 2012. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/revistagerminal/article/view/9410. Acesso em: 07 set. 2020.

JANATA, Natacha Eugênia. “Juventude que ousa lutar!”: trabalho, educação e militância de jovens assentados do MST. 2012. 276 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012. Disponível em: http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/99307. Acesso em: 07 set. 2020.

JUNIOR, Caio Prado. Questão Agrária no Brasil. 1 ed. São Paulo: Brasiliense, 1979.

KAUTSKY, Karl. A questão agrária. Brasília: Linha Gráfica, 1998.

MACHADO, Veronica Machado. A juventude camponesa em cena e sua relação com a instituição escolar. Revista Labirinto, Rondônia, 2013, n. 18 – Junho de 2013. Disponível em: http://www.periodicos.unir.br/index.php/LABIRINTO/article/view/890/1059. Acesso em: 11 nov. 2018.

MAFORT, Kelli Cristine de Oliveira. A hegemonia do agronegócio e o sentido da Reforma Agrária para as mulheres da Via Campesina. 2013. 134 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Faculdade de Ciências e Letras FCLAR /Universidade Estadual Paulista- UNESP – Araraquara. 2013. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/88778. Acesso em: 07 set. 2020.

MIRANDA, Antônio de. Juventude, trabalho e renda nos assentamentos da Reforma Agrária. São Paulo, 2012.

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA. Cultura e Reforma Agrária Popular. Secretaria Nacional do MST, São Paulo, v. x, 2018.

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA. Normas gerais e princípios do MST. Secretaria Nacional do MST, São Paulo, v. x, 2016.

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA. Programa Agrário do MST. Secretaria Nacional do MST, São Paulo, v. x, 2014.

OLIVEIRA, Luciano Benini; RABELLO, Diógenes; FELICIANO, Carlos Alberto. Permanecer ou sair do campo? Um dilema da juventude camponesa. In: Revista Pegada, Presidente Prudente, vol. 15, n. 1., Julho de 2014. Disponível em: http://revista.fct.unesp.br/index.php/pegada/article/viewFile/3032/2626. Acesso em: 04 nov. 2018.

STEDILE, João Pedro (org). A questão agrária no Brasil: o debate tradicional – 1500 – 1960. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

STEDILE, João Pedro (org). A questão agrária no Brasil: o debate da década de 2000. 1 ed. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

STEDILE, João Pedro. Latifúndio: o pecado agrário brasileiro. Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra- MST, Secretaria Nacional do MST, São Paulo, v. x, 2000.

STEDILE, Miguel Enrique. Lutar, construir reforma agraria popular: tarefas da juventude. In: Cartilha de preparação para o Encontro Nacional. São Paulo, v. 02, 2018.

VIEIRA, Thaile Cristina Lopes. Escola da Juventude: Processo de Formação e Auto-organização da Juventude do MST - PR. II ENERA - Encontro Estadual dos Educadores e Educadoras da Reforma Agrária: Cascavel, Paraná, 2015.

ZARREF, Luís. Juventude e Sucessão Familiar. In: 1° Cartilha de formação da Juventude Sem Terra. Coletivo Nacional de Juventude do MST. São Paulo, v. 1, 2016.
Publicado
2020-12-26
Visualizações
  • Artigo 32
  • PDF 32
Como Citar
DE MELLO, J.; CAMPOS DA SILVA, P. Questão agrária brasileira e o lugar da juventude sem terra. ReDiPE: Revista Diálogos e Perspectivas em Educação, v. 2, n. 2, p. 283-297, 26 dez. 2020.
Seção
Artigos Científicos