A investigação-ação No Brasil: uma análise do Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (Enpec)

Palavras-chave: Formação de professores, Pesquisa-ação, Ensino de Ciências, Reflexão

Resumo

Discutir a Investigação-Ação (IA) na docência se torna intrínseco aos processos de reflexão sobre a prática de professores, seja em formação inicial, seja em formação continuada. Atualmente, a IA ganhou espaço em encontros formativos de professores de Ciências, gerando ciclos de reflexão, formação e aprendizagem, trazendo oportunidades aos sujeitos que utilizam a IA. Assim, esta pesquisa tem como objetivo compreender de que maneira a IA é abordada nos trabalhos publicados nos Anais do Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (Enpec) entre os anos de 1997 a 2019. A metodologia utilizada é qualitativa, especificamente de investigação documental. A partir das análises dos trabalhos, evidenciamos a importância da IA voltada às concepções de IA-crítica, IA-técnica e IA-prática, sendo cada vez mais relevante e presente na formação de professores. Os trabalhos também apresentaram temáticas referentes à formação de professores, a processos/práticas educacionais, a processos reflexivos e à pesquisa-ação como metodologia de pesquisa. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALARCÃO, I. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

BREMM, D.; GÜLLICH, R. I. DA C. Processos de investigação-formação-ação decorrentes de narrativas em ciências de professores em formação inicial: com a palavra o PIBID. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 9, n. 4, p. 139-152, 29 set. 2018. Disponível em:https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/1544. Acesso em: 25 mar. 2020.

CARR, W.; KEMMIS, S. Teoría crítica de la enseñanza: investigación-acción en la formación del profesorado. Barcelona: Martinez Roca, 1988.

CONTRERAS, J. D. La investigación en la acción. Cuadernos de Pedagogía, n. 224, Madrid: Morata, p. 7-31, abr. 1994.

CORTELLA, M. S. Qual é a tua obra? Inquietações propositivas sobre gestão, liderança e ética. 6. ed. Petrópolis, RJ: Vozes Ltda. 2009.

ELLIOTT, J. La investigación-acción en educación. Madrid: Ediciones Morata, 1990.

GOMES, A. I. P. Comprender y enseñar a comprender. Reflexiones en torno al pensamiento de J. Elliot. In: ELLIOT, J. La Investigación – Acción en educación. Madrid: Morata, 1990.

GÜLLICH, R. I. C. Investigação-Formação-Ação em Ciências: Um caminho para reconstruir a relação entre livro didático, o professor e o ensino. Curitiba: Prismas/Appris, 2013.

LEWIN, K. Action research and minority problems. Journal of Social, n. 2, 34-36. 1946.

KIEREPKA, J.S.N.; GÜLLICH, R.I.C. Refletindo sobre a formação de professores: o processo investigativo/reflexivo como propulsor da constituição docente. RELECS, v. 1, n. 1, p. 117-127, jan.-mar., 2017.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: Epu, 2001.

MALDANER, O. ZANON, L.; AUTH, A. M. Pesquisa sobre educação em Ciências e formação de professores. In: SANTOS, Flávia M. T.; GRECA, Ileana María (Orgs.). A pesquisa em Ensino de Ciências no Brasil e suas metodologias. Ijuí: Ed. UNIJUÍ, 2006. p. 49-88. São Paulo: Epu. 2006.

MIRANDA, M. G; RESENDE, A C. A. Sobre a pesquisa-ação na educação e as armadilhas do praticismo. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, v. 11, n. 33, p. 511-518, dez. 2006.

MONTEIRO, M. A. O autoconceito e a escolha profissional. Fórum Internacional Integrado de Cidadania. Santo Ângelo. 2006. Disponível em: http://www.urisan.tche.br/~forumcidadania/pdf/O_AUTOCONCEITO_E_A_ESCOLHA_PROFISSIONAL.pdf. Acesso em: 3 jul. 2020.

NÓVOA, A. Professores: Imagens do Futuro Presente. EDUCA, Lisboa, 2009.

PERSON, V.; BREMM, D.; GÜLLICH, R. A Formação Continuada de Professores de Ciências: Elementos Constitutivos do Processo. Revista Brasileira de Extensão Universitária, v. 10, n. 3, p. 141-147, out. 2019. Disponível em: https://periodicos.uffs.edu.br/index.php/RBEU/article/view/10840. Acesso em: 3 jul. 2020.

ROSA, M. I. P; SCHNETZLER, R. P. A investigação-ação na formação continuada de professores de Ciências. Ciência & Educação. v. 9, n. 1, p. 27-39. 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ciedu/a/Dks7MmfcDS3BXBCPGM9swgx/abstract/?lang=pt. Acesso em: 18 jul. 2020.

SILVA, A. M. S. Entre o prescrito, o vivido e o narrado: a problemática da formação docente do curso de Ciências Sociais na Universidade Regional do Cariri (URCA). URCA. 2012.

SCHNETZLER, R. P. Como associar ensino com pesquisa na formação inicial e continuada de professores de Ciências? In: ENCONTRO REGIONAL DE ENSINO DE CIÊNCIAS, 2., 1996. Anais [...]. Piracicaba: UNIMEP, 18-20 out, 1996. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/26868/1/S1516-73132003000100003.pdf. Acesso em: 18 jul. 2020.

SCHÖN, D. A. Educating the reflective practitioner: Toward a new design for teaching and learning in the professions. San Francisco: Jossey-Bass, 1987.

SCHÖN, D. A. The Reflective practitioner. São Francisco: Basic Books, 1983.

STENHOUSE, L. An introduction to curriculum research and development. London: Heinemann, 1975.

TRIPP, D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-466.,1975.
Publicado
2022-07-01
Visualizações
  • Artigo 33
  • PDF 23
Como Citar
DIAS MACHADO, R.; DA COSTA GÜLLICH, R.; MEGGIOLARO, G. A investigação-ação No Brasil: uma análise do Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (Enpec). ReDiPE: Revista Diálogos e Perspectivas em Educação, v. 4, n. 1, p. 11-24, 1 jul. 2022.
Seção
Artigos Científicos