Por uma infância sem adiamentos: celulares nas mãos de crianças e suas desformações de modos de formar

Palavras-chave: Vídeos, Tecnologias Digitais, Desformar, Anos Iniciais, Matem´áticas

Resumo

Este artigo tem como objetivo problematizar externalizações matemáticas de crianças e seu ressoar na formação por meio de produções imagéticas em celulares feitas por alunos e alunas do 1º ano do Ensino Fundamental, de 6 e 7 anos de idade, realizadas em uma pesquisa de mestrado já finalizada. A partir das produções das crianças são disparadas algumas discussões acerca da infância e do movimento de desformação causado por ela. Os modelos e posturas reproduzidos na escola, na sala de aula, na pesquisa, são questionados de modo a considerar outras formas de coabitar espaços com crianças: com uma abertura infante, abandonando, pelo menos em partes, a circunscrição de vida, a negação de inventividades, o silenciamento da infância. Assim, por meio dos resultados da pesquisa apresentados no artigo, são feitas reflexões e discutidas possibilidades para professores e pesquisadores de práticas, ações, movimentos com tecnologias digitais que podem disparar esse desformar. Conclui-se a urgência por um abandono, mesmo que inicial e pequeno, de pressupostos que digam às crianças como serem crianças, que enxerguem a infância somente como fase de formação, de espera, de incompletude, de adiamentos. A infância, fase de existência humana, de encantamento, que é potência de outros modos de estar, ser, habitar, aprender, não pode mais ser desconsiderada justamente onde estão as crianças: na escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Silva de Medeiros, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)
Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Bolsista Capes.
Aparecida Santana de Souza Chiari, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)
Doutora em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP). Docente da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Campo Grande, MS, Brasil.

Referências

BARROS, Manoel de. Poesia Completa. São Paulo: Leya, 2010.

BARROS, Manoel de. Meu quintal é maior do que o mundo. Rio de Janeiro: Objetiva, 2015.

BRITO, Maria Regina Ferreira. Um estudo sobre as atitudes em relação à matemática em estudantes de 1 e 2 graus. Livre Docência. Campinas / SP: UNICAMP, 1996.

BRITO, Maria dos Remédios de. Da formação à deformação: para além da fundamentação. IXTLI: Revista Latinoamericana de Filosofía de la Educación, v. 3, n. 5, p. 85-104, 2016.

CHISTÉ, Bianca Santos. Devir - criança da matemática: experiências educativas infantis imagéticas. 2015. 106 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Rio Claro/SP, 2015.

CHISTÉ, Bianca Santos; SANTOS, Gabriel Tenório dos. Se Essa Rua Fosse Minha... Entre Imagens e Infâncias: mapas, rastros e traços do corpo-criança. Rev. Bras. Estud. Presença, Porto Alegre, v. 9, n. 4, p. 1-23, 2019.

CHISTÉ, Bianca Santos; MIZUSAKI, Renata Aparecida; ANDRADE, Fábio Santos de. Corpos resistentes e infâncias insubordinadas: produzindo outros sentidos na/para escola - Grupo de estudos pedagógicos. In: SEMINÁRIO SOBRE INFÂNCIA E PÓS-COLONIALISMO: PESQUISA EM BUSCA DE PEDAGOGIAS DESCOLONIZADORAS, 2., 2015. Campinas/SP. Anais [...]. Campinas/SP: 2015.

COUTO, Mia. A menina sem palavra/ histórias de Mia Couto. São Paulo: Boa Companhia, 2013.

FRANCO, Vivian Nantes Muniz; MEDEIROS, Amanda Silva de. Diálogos entre Educação Matemática, Educação Infantil e Anos Iniciais em produções do PPGEDUMAT/UFMS e/a partir de uma inadiável pergunta: onde estão as crianças? In: SEMINÁRIO SUL-MATO-GROSSENSE DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 14., 2020. Campo Grance/MS. Anais [...]. Campo Grande/MS: 2020.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. História e narração em W. Benjamin. São Paulo: Perspectiva, 1994.

KOHAN, Walter Omar. Imagens da infância para (re)pensar o currículo. Revista Sul-americana de filosofia e educação, Brasília, Universidade de Brasília, s/v, n. 1, p. 1-9, 2003.

LEITE, César Donizetti Pereira. Cinema, Educação e Infância: Fronteiras entre Educação e Emancipação. Fermentario: Instituto de Educación, Facultad de Humanidades y Ciencias de La Educación, Universidad de la República, v. 2, n. 7, p. 1-14, 2013.

LEMOS, Silvana. Nativos digitais x aprendizagens: um desafio para a escola. Boletim Técnico do Senac, v. 35, n. 3, p. 38–47, 2009.

MEDEIROS, Amanda Silva de. Devires de Imagens: atitudes e matemática(s) construídas e praticadas por um grupo de crianças. 124 f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande/MS, 2018.

PASSEGGI, Maria da Conceição et al. O que contam as crianças sobre as escolas da infância: aportes teóricos sobre as narrativas na pesquisa com crianças. In: ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICAS DE ENSINO, 14., 2012. Campinas/SP: Unicamp. Anais [...]. Campinas/SP: Unicampo, 2012.

SCUCUGLIA, Ricardo Rodrigues da Silva. Narrativas Multimodais: a Imagem dos Matemáticos em Performances Matemáticas Digitais. Boletim de Educação Matemática, v. 28, n. 49, p. 950–973, 2014.
Publicado
2021-07-01
Visualizações
  • Artigo 29
  • PDF 32
Como Citar
MEDEIROS, A. S. DE; CHIARI, A. S. DE S. Por uma infância sem adiamentos: celulares nas mãos de crianças e suas desformações de modos de formar. ReDiPE: Revista Diálogos e Perspectivas em Educação, v. 3, n. 1, p. 294-306, 1 jul. 2021.