Qual a chance? Reflexões sobre ensino de probabilidade nos anos iniciais do ensino fundamental

Palavras-chave: Probabilidade, Análise praxeológica, Anos iniciais do Ensino Fundamental, livro didático, Teoria Antropológica do Didático

Resumo

O ensino de probabilidade e suas noções nos anos iniciais da formação escolar tem sido objeto de discussão já há algumas décadas. Recentemente, a Base Nacional Comum Curricular apresentou a Probabilidade e Estatística como unidade temática e definiu os objetos e habilidades a serem trabalhadas desde o 1º ano do Ensino Fundamental. O objetivo do presente texto é analisar as condições e restrições para o ensino de Probabilidade e suas noções nos anos iniciais do Ensino Fundamental a partir da análise praxeológica do livro didático. Tomamos como amostra um estudo realizado a partir de uma coleção aprovada no PNLD (Programa Nacional do Livro Didático) e utilizada por redes municipais no interior da Paraíba. A análise praxeológica é uma ferramenta da Teoria Antropológica do Didático de Yves Chevallard. Esta teoria e suas ferramentas permitem a compreensão das condições e restrições para difusão de saberes. O estudo foi de cunho qualitativo e essencialmente documental.  Nossa amostra centrou-se na primeira fase dos anos iniciais (1º ao 3º ano) e os resultados apontam que a Probabilidade e suas noções na coleção analisada estão presentes em tarefas que atendem minimamente ao que sugere o documento da BNCC, no entanto, não há no livro didático uma infraestrutura epistemológica que permita aos professores construírem situações de ensino que atendam ao que recomenda as pesquisas na área. As praxeologias são pontuais e incompletas, com a ausência de um discurso tecnológico que fomente a ação do professor ou que possa conduzir o estudante à construção conceitual da probabilidade e suas noções.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Luis Cavalcante, Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)
Doutor em Ensino das Ciências pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (PPGEC/UFRPE). Professor na Licenciatura em Matemática no CCHE-UEPB.
Rochelande Felipe Rodrigues, Universidade Federal do Cariri (UFCA)
Doutor em Ensino das Ciências pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (PPGEC-URFPE). Professor na Licenciatura em Matemática no IFE-UFCA.
Rosana Simões Maciel, Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)
Graduada em Licenciatura em Matemática (CCHE-UEPB). Membro do NEPEMAT-CCHE-UEPB.

Referências

ALMOULOUD, Saddo Ag. Fundamentos da Didática da Matemática. Curitiba: Ed UFPR, 2007.


BITTAR, Marilena. A teoria antropológica do didático como ferramenta para análise de livros didáticos. Zetetiké, Campinas, SP, v.25, n. 3, set./dez.2017, p.364-387.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 19 mai. 2020.

BOSCH, Mariana; GASCÓN, Josep. 25 años de Transposición Didáctica. In: RUIZ-HIGUERAS, Luisa.; ESTEPA, Antonio.; GARCÍA, Francisco Javier. Sociedad, Escuela y Matemáticas. Aportaciones de la teoría Antropológica de lo Didáctico. Jaén: Servicio de Publicaciones de la Universidad de Jaén., 2006. p. 385-406.

BRYANT, Peter; NUNES, Terezinha. Children’s understanding of probability: a literature review (full report). Nuffield Fundation. London, p. 2-86. 2012.

CAMPOS, Tânia; CARVALHO, José Ivanildo Felisberto de. Probabilidade nos Anos Iniciais da Educação Básica: contribuições de um programa de ensino. EM TEIA – Revista de Educação Matemática e Tecnológica Iberoamericana - vol. 7 - número 1 - 2016.

CAVCALCANTE, José Luiz. A dimensão cognitiva na teoria antropológica do didático: reflexão teórico-crítica no ensino de probabilidade na licenciatura em matemática. 2018. Tese de (Doutorado em Ensino dase Ciências) – Universidade Federal Rural de Pernambuco, e Matemática do PPGEC-UFRPE. Recife,. 2018.

CHEVALLARD, Yves. Le concept de rapport au savoir. Rapport pesonnel, rapport institutionnel, rapport officiel. IREM Aux Marseille. Marseille. 1989.

CHEVALLARD, Yves. Conceitos Fundamentais da Didática: as perspectivas trazidas por uma abordagem antropológica. In: BRUN, J. Didáctica Das Matemáticas. Tradução de Maria José Figueredo. Lisboa: Instituto Piaget, 1996. (Original de 1992).

CHEVALLARD, Yves. La Transposiciòn Didáctica Del Saber Sabio Al Saber Enseñado. Tradução de CLAUDIA GILMAN. 1ª. ed. Buenos Aires: Aique, 1997. Título original (La transposition didactique. Du savoir savant au savoir enseigné. (Original de 1991).

CHEVALLARD, Yves. L´analyse des pratiques enseignantes en Théorie Anthropologie Didactique. Recherches en Didactiques des Mathématiques, Grenoble, v. 19, n. 2, p. 221-266, 1999.

CHEVALLARD, Yves. La TAD face au professeur de mathématiques, Toulouse, 29 avril 2009. Disponivel em: . Acesso em: 19 mai.o 2020.

CHEVALLARD, Yves. Uma ruptura epistemológica em ato. In: ALMOULOUD, Saddo Ag; FARIAS, Luiz Márcio Santos.; HENRIQUES, Afonso. A teoria antropológica do didático: princípios e fundamentos. Editora CRV. Curitiba Editora CRV, 2018.

CHEVALLARD, Yves.; WOZNIAK, Florianne. Un cas d’infrastructure manquante: statistique et probabilités en classe de troisième. In: BOSCH, Mariana, et al. Un panorama de la TAD. Barcelona: CRM, 2011. p. 831-853.

DANTE, Luiz Roberto. Projeto Apis – Matemática. Vol 01, 02, 03. Editora Ática. São Paulo, 2017.

D´AMORE, Bruno. Elementos de Didática da Matemática. São Paulo: Livraria da Física, 2007.

DANTE, Luís Roberto. Ápis matemática. 1º Ano do Ensino Fundamental, anos iniciais. 3ª Edição. São Paulo: Àtica. 2017.

FIORENTINI, Dário.; LORENZATO, Sérgio. Investigação em Educação Matemática: percursos teóricos e metodológicos. 3ª. ed. Campinas: Autores Associados, 2012.

GUISASOLA, Jenaro.; BARRAGUÉS, José. Heurísticas y sesgos de los estudiantes de primer ciclo de universidad en la resolución de problemas de probabilidad. Enseñanza de las ciências, 20, n. 2, 2002. 285-302.

HENRY, Michel. Évolution de l’enseignement secondaire français en statistique et probabilites. Statistique et Enseignement, 1, n. 1, Abril 2010. 35-45.

LAJOLO, Marisa. Livro didático: um (quase) manual do usuário. Em Aberto, Brasília, ano 16, n.69, jan./mar. 1996.

LOPES, Celi Espasandin. O Ensino da Estatística e da Probabilidade na Educação Básica e na formação de professores. Cadernos do CEDES, Campinas, v. 28, n. 74, 2008.

LOPES, Celi Espasandin; COUTINHO, Cileda de Queiroz e Silva; ALMOULOUD, Saddo Ag. Estudos e reflexões em Educação Estatística. Campinas: Mercado de Letras, 2010.


MIRANDA, Marilene Moussa. A experiência norte-americana de fusão da Aritmética, Álgebra e Geometria e sua apropriação pela educação Matemática brasileira. 2003. Dissertação ( - Mestrado em Educação Matemática) – Pontifícia Universidade Católica de São PauloUC, São Paulo,Paulo - SP, 2003..



MLODINOW, Leonard. O andar do bêbabo: como o acaso determina nossas vidas. Tradução de Diego Alfaro. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

MOURA, Gabriela Machado Moura; SAMÁ, Suzi. Ilusão da equiprobabilidade, aleatoriedade e convergência nos processos cognitivos envolvidos no raciocínio probabilístico. VIDYA, Santa Maria, v. 36, n. 2, p. 523-538, 2016.

OLIVEIRA JÚNIOR, Ailton Paulo de; BARBOSA, Nilceia Datori. O jogo pedagógico “brincando com a probabilidade” para os anos iniciais do ensino fundamental: o espaço amostral. Zetetiké, Campinas, SP, v.28, 2020, p.1-21.

PONTES, Márcio Matoso de; VASCONCELOS, Francisco Vilar; LIMA, Dina Séfora Santana Menezes; VASCONCELOS, Ana Karine Portela. A temática ‘Probabilidade e Estatística’ nos anos iniciais do Ensino Fundamental a partir da promulgação da BNCC: percepções pedagógicas. Educitec, Manaus, v. 5, n. 12, p. 221-237, dez. 2019.

SÁENZ CASTRO, César. Intuición y matemática en el razonamiento y aprendizaje probabilístico. 1995. Tesis Doctoral Tese (Doutorao en Psicológia Psicologia) da– Universidad Autónoma de Madrid,). Madrid. 1995.

SAMÁ, Suzi.; SILVA, Rejane Conceição da. Probabilidade e Estatística nos anos iniciais do Ensino Fundamental a partir da Base Nacional Comum Curricular. Zetetiké, Campinas, SP, v.28, 2020, p.1-21.

SANTANA, Michele Renata Morais de. O acaso, o provável, o determinístico: concepções e conhecimentos probabilísticos de professores do Ensino Fundamental. 2011. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática e Tecnológicaogias) – Universidade Federal de Pernambuco EDUMATEC-UFPE., Recife., 2011.
Publicado
2021-06-30
Visualizações
  • Artigo 28
  • PDF 37
Como Citar
CAVALCANTE, J. L.; RODRIGUES, R.; MACIEL, R. Qual a chance? Reflexões sobre ensino de probabilidade nos anos iniciais do ensino fundamental. ReDiPE: Revista Diálogos e Perspectivas em Educação, v. 3, n. 1, p. 120-141, 30 jun. 2021.