Uso de calculadora nas atividades de Matemática: um olhar da Neurociência Cognitiva

Palavras-chave: Calculadora, Matemática, Neurociência Cognitiva

Resumo

Os documentos curriculares para a Educação Básica orientam sobre o uso de novas tecnologias de informação e comunicação nas aulas de Matemática, e a calculadora é uma delas. Nessa mesma direção, a neurociência cognitiva defende o uso dessas tecnologias no processo de aprendizagem aritmético, visto que o cérebro humano não dispõe de regiões neurais responsáveis estritamente pelo cálculo. Assim, este trabalho tem como objetivo analisar as atividades com calculadora propostas em livros didáticos do 3º ano do Ensino Fundamental. A discussão teórica está ancorada em duas perspectivas, o cálculo mental como uma habilidade necessária ao processo de aprendizagem aritmética e a calculadora como um recurso pedagógico nesse processo. A metodologia da pesquisa assumiu uma abordagem de natureza qualitativa e do tipo bibliográfica. Realizou-se uma revisão da literatura em Educação Matemática que defendesse o uso da calculadora na prática pedagógica e as possibilidades de atividades para o processo de ensino e aprendizagem. Livros didáticos do 3º ano do Ensino Fundamental foram utilizados como parâmetros para as análises das atividades com calculadora. As atividades que integraram o processo de reflexão foram analisadas a partir do método de Análise de Conteúdo de Bardin. Os resultados da pesquisa indicaram possibilidades para o trabalho com a calculadora nas aulas de Matemática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabio Colins, Secretaria de Educação do Pará (Seduc/PA)
Doutor em Educação em Ciências e Matemáticas pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Professor de Matemática e da Educação Especial da Secretaria de Educação do Pará (Seduc-PA).
Elielma de Novaes Costa, Secretaria Municipal de Educação de Limoeiro do Ajuru
Licenciada em Matemática pela Universidade Federal do Pará. Professora da Secretaria Municipal de Educação de Limoeiro do Ajuru.

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

BORBA, M. de Carvalho. PENTEADO, M. Godoy. Informática e Educação Matemática. 5. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

COLINS, Fabio. Ensino e aprendizagem de Matemática na Síndrome de Williams-Beuren: uma abordagem a partir de pesquisas em Neurociência Cognitiva. 2020. 144f. Tese (Doutorado em Educação em Ciências e Matemáticas) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2020.

DEHAENE, Stanislas. The Number Sense: how the mind creates mathematics. 2. ed. Oxford: University Press, 2011.

FIORENTINI, Dario. LORENZATO, Sérgio. Investigação em Educação Matemática: percursos teóricos e metodológicos. Campinas, SP: Autores Associados, 2006.

FUSON, Karen. Children's Counting and Concepts of Number. New York: Springer-Verlag, 1988.

PONTE, João Pedro. A calculadora e o processo de ensino-aprendizagem. Revista Educação e Matemática. vol. 1. n. 30. Lisboa: Universidade de Lisboa, 1989. p. 1-2.

PETERS, Lien. SMEDT, Bert de. Arithmetic in the developing brain: A review of brain imaging studies. In: Developmental Cognitive Neuroscience. vol. 1. n. 30. Belgium: University of Leuven, 2018. p. 265-279.

SALGADO, R. C. da Silva. SÁ, Pedro Franco. A calculadora e o ensino de Matemática. In: SÁ, Pedro Franco. SALGADO, R. C. da Silva (Orgs.). Calculadora: possibilidades de uso no ensino de matemática. Belém: EDUEPA, 2015, p. 9-22.

SANTOS, J. C. A. de Paula. Vem Voar: matemática do 3º ano do Ensino Fundamental. São Paulo: Scipione, 2018.

SELVA, A. C. Vieira. BORBA, R. E. S. Rosa. O uso da calculadora nos anos iniciais do ensino fundamental. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

TOLEDO, C. Maria. Buriti Mais Matemática: 3º ano do Ensino Fundamental. São Paulo: Moderna, 2018.
Publicado
2021-07-01
Visualizações
  • Artigo 55
  • PDF 58
Como Citar
COLINS, F.; COSTA, E. DE N. Uso de calculadora nas atividades de Matemática: um olhar da Neurociência Cognitiva. ReDiPE: Revista Diálogos e Perspectivas em Educação, v. 3, n. 1, p. 173-188, 1 jul. 2021.