Estudos de probabilidade nos anos iniciais: entre proposições curriculares e concepções de futuros professores

Palavras-chave: Estudos de Probabilidade, Anos Inciais, Formação de Professores, Concepções

Resumo

Neste texto são mostrados recortes de uma pesquisa que teve como objetivo identificar conhecimentos de 50 discentes de um curso de Pedagogia em relação a justificativas e objetivos para a inclusão de estudos de Probabilidade nos anos iniciais de escolarização. A pesquisa também objetivou identificar concepções desses discentes em relação à ideia de acaso. Trata-se de um estudo de natureza qualitativa, exploratória, bibliográfica e de campo. Numa primeira etapa, os dados foram levantados em teses, dissertações, artigos e periódicos que tratam de conhecimentos acerca do ensino e aprendizagem de Probabilidade e concepção de professores. Numa segunda etapa foram coletados dados por meio de questionário, testes e entrevistas. Os resultados mostram que a maioria dos discentes que participou da pesquisa desconhece tanto as justificativas para a inclusão de estudos de noções de Probabilidade nas propostas curriculares para o ensino de matemática quanto os objetivos que se pretende alcançar com os alunos dos anos iniciais com esses estudos. Os resultados também mostram que muitos alunos relacionam situações de acaso e incerteza a intervenções divinas e que não fazem uso de tratamento matemático para lidar com tais situações. Esses resultados apontam para desafios a ser enfrentados na formação inicial de professores no que diz respeito a conhecimentos necessários para se lidar com o ensino e aprendizagem de Probabilidade nos anos iniciais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Maria Soares Rodrigues, UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ
Doutor e Mestre em Educação pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Professor da Faculdade de Educação do Instituto de Ciências da Educação da Universidade Federal do Pará (UFPA).

Referências

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. Tradução de Alfredo Bosi. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

ALVES-MAZZOTTI, Alda Judith. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa qualitativa e quantitativa. 2. ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.

BATANERO, Carmem. et al. Research on Teaching and Learning Probability. ICME 13. Hamburgo (Alemanha). Editora Springer Open, 2016.

BOROVCNIK, Manfred. Probabilistic thinking and probability literacy in the context of risk. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v.18, n.3, 1491-1516, 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 25 nov. 2018.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: matemática. Brasília: MEC/SEF, 1997.

COUTINHO, Cileda de Queiroz e Silva. Conceitos probabilísticos: quais contextos a história nos aponta? Revemat: Revista Eletrônica de Educação Matemática, v. 2, p. 50-67, 2007. Disponível em: http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/revemat/article/view/1299. Acesso em: 23 ago. 2017.

FIORENTINI, Dario; LORENZATO, Sérgio. Investigação em Educação Matemática: percursos teóricos e metodológicos. Campinas: Autores Associados, 2006.

GARDING, Lars. Encontro com a matemática. Tradução de Célia W. Alvarenga e Maria Manuela V. Marques Alvarenga. Brasília: Editora da UnB, 2 ed. 1997, 323p. (Coleção Pensamento Científico)

GOMES, Maristela Gonçalves. Obstáculos na aprendizagem matemática: identificação e busca de superação nos cursos de formação de professores das séries iniciais. 2006. Tese (Doutorado em Educação Científica e Tecnológica) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

GONÇALVES, Etinete do Nascimento; BORBA, Siomara. Elementos para o debate curricular contemporâneo: Richard Rorty e a contribuição do Neopragmatismo. Currículo sem Fronteiras, v. 9, p. 11-31, 2009. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/. Acesso em: 10 abr. 2019.

KAHAN, Teo. Azar y Fisica: Ha cambiado la ciencia de base matemática? In: LIONNAIS, François. (Org.). Las grandes corrientes del pensamiento matemático. EUDEBA – Editorial Universitaria de Buenos Aires, 1996.

PIETROPAOLO, Ruy César et al. Conhecimentos necessários ao professor para ensinar noções concernentes à probabilidade nos anos finais do Ensino Fundamental. In: CIAEM-IACME, 19., 2015, Chiapas, México, 2015. Anais [....]. Chiapas, México, 2015.

PONTE, João Pedro. Concepções dos Professores de Matemática e Processos de Formação. Educação matemática: Temas de investigação (pp. 185-239). Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 1992.

RODRIGUES, José Maria Soares. A probabilidade como componente curricular na formação matemática inicial de professores polivalentes. 2011. 150f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2011.

SACRISTÁN, José Gimeno. Compreender e transformar o ensino. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 1998.
Publicado
2021-06-30
Visualizações
  • Artigo 22
  • PDF 32
Como Citar
RODRIGUES, J. M. S. Estudos de probabilidade nos anos iniciais: entre proposições curriculares e concepções de futuros professores. ReDiPE: Revista Diálogos e Perspectivas em Educação, v. 3, n. 1, p. 66-77, 30 jun. 2021.