LGBTI+ e a luta pela terra: contribuições para descolonizar o ecofeminismo queer

Palavras-chave: Ecofeminismo Queer, Sexualidade, Direito à Terra

Resumo

Neste artigo objetivamos apresentar contribuições desde o ecofeminismo como subsídio teórico para a construção da luta dos corpos dissidentes em marcha pelo direito à terra. Para tal, partiremos da investigação acerca da desnaturalização tanto do mundo natural quanto dos desejos, a partir do ecofeminismo queer. Em seguida, incorporamos ao debate a discussão sobre a colonização, visando a destacar que conjuntamente à colonização das sexualidades dos povos originários também se deu a sistematização da cisheterossexualização da terra. Apresentaremos, ainda, a luta encampada pelo Coletivo LGBT Sem Terra como uma expressão que carrega uma luta capaz de desarticular o projeto colonial em vigor. Por fim, sugerimos adotarmos um ecofeminismo cuir como um paradigma teórico que oferece caminhos que semeiam novas formas de compreender os ismos de opressão que assolam as pessoas LGBTI+ em luta pela terra em Abya Yala.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabio Alves Gomes de Oliveira, Universidade Federal Fluminense

Professor de Filosofia da Educação. Departamento de Ciências Humanas. Universidade Federal Fluminense. Membro Permanente do Programa Pós-Graduação em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva (PPGBIOS-UFF); Membro Permanente do Programa Pós-Graduação em Ensino (PPGen-UFF)

Thiago da Silva Gabry

Pedagogo, Universidade Federal Fluminense.

Referências

ABOIM, Sofia. Masculinidades na encruzilhada: hegemonia, dominação e hibridismo em Maputo. Análise Social, vol. XLIII (2.º), p. 273-295, 2008.

CARNEIRO, Suely Aparecida. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. 2005. 339 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, SP, 2005.

COFFEY, Kathryn. Wagadu: queering borders: transnational perspectives on global heterosexism. Xlibris, 2015.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. Editora Elefante, 2017.

FERNANDES, Estevão Rafael. A colonização das sexualidades indígenas: um esboço interpretativo. Enfoques - Revista de discentes do PPGSA/IFCS/UFRJ, Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, p. 50-56, dez. 2016. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/enfoques/issue/view/847. Acesso em: 1 dez. 2021.

FRANÇA, Paulo Vitor Melo. Diversidade e povos originários. Cartilha produzida pelas alunas e pelos alunos do INFES/UFF, Santo Antônio de Pádua, v. 1, n. 1, jan. 2021. Disponível em: http://lea.eco.br/extensao/cartilhas/diversidade-e-povos-originarios/. Acesso em: 1 dez. 2021.

GAARD, Greta Claire. Rumo ao Ecofeminismo Queer. Revista Estudos Feministas, Santa Catarina, v. 29, n. 3, p. 197-223, jan.-abr. 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ref/a/RvGgdQk5vBZk8Jsp43yStGv/?format=pdf&lang=pt Acesso em: 1 dez. 2021.

GABRIEL, Alice. Ecofeminismo e ecologias queer: uma apresentação. Revista Estudos Feministas, Santa Catarina, v. 19, n. 1, p. 167-173, jul. 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ref/a/YmgMrWwzYDrB4Xp4fDZ8LPD/?lang=pt. Acesso em: 1 dez. 2021.

GONTIJO, Fabiano. Povos indígenas e diversidade sexual e de gênero na Amazônia – os efeitos da colonialidade da sexualidade, dos afetos e dos desejos. Etnografías de lo contrahegemónico en andalucía - Revista Andaluza De Antropología, Seville, v. 1, n. 20, p. 152-177, jul. 2021. Disponível em: https://revistascientificas.us.es/index.php/RAA/article/download/15339/15636. Acesso em: 1 dez. 2021.

GONTIJO, Fabiano; ERICK, Igor. Diversidade Sexual e de Gênero, Ruralidade, Interioridade e Etnicidade no Brasil: ausências, silenciamentos e... exortações. ACENO: Revista de Antropologia do Centro-Oeste, Cuiabá, v. 2, n. 4, p. 24-40, abr. 2015. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/3181. Acesso em: 1 dez. 2021.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2019.

LOURO, Guacira Lopes. Viajantes pós-modernos. In: LOURO, Guacira Lopes (Ed.). Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.
LUGONES, María. Colonialidad y género. Tábula Rasa, Bogotá, v. 9, n. 13, p. 73-101, jul.-dez. 2008. Disponível em: https://www.revistatabularasa.org/numero-9/05lugones.pdf. Acesso em: 1 dez. 2021.
LUGONES, María. Towards a decolonial feminism. Hypatia, New Jersey, v. 25, n. 4, p. 742-759, set. 2010. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/j.1527-2001.2010.01137.x. Acesso em: 1 dez. 2021.

MARIANO, Alessandro Santos; PAZ, Thaís Terezinha. Diversidade sexual e de gênero no MST: primeiros passos na luta pela liberdade sexual. In: NOGUEIRA, Leonardo et al. (Org.). Hasteemos a bandeira colorida: diversidade sexual e de gênero no Brasil. São Paulo, Expressão Popular, 2018.

MARIANO, Alessandro Santos; PAZ, Thaís Terezinha. LGBTI+ Sem Terra: rompendo cercas e tecendo a liberdade. São Paulo: Editora dos Autores, 2021.

MIGNOLO, Walter. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Trad. Ângela Lopes Norte. Caderno de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, n. 34, p. 287-324, 2008.

OLIVEIRA, Luís Fernandes de; CANDAU, Vera Maria Ferrão. Pedagogia decolonial e educação antirracista e intercultural no Brasil. Educação em Revista, UFMG, Belo Horizonte, v. 26, n. 1, p. 15-40, janeiro-abril. 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/edur/a/TXxbbM6FwLJyh9G9tqvQp4v/abstract/?lang=pt#. Acesso em: 1 dez. 2021.

PELÚCIO, Larissa. Traduções e torções ou o que se quer dizer quando dizemos queer no Brasil? Revista Periódicus, Salvador, v. 1, n. 1, p. 68-91, setembro. 2014. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/revistaperiodicus/article/download/10150/7254. Acesso em: 1 dez. 2021.

REA, Caterina et al. O queer african reader e a sua atualidade para o debate sobre dissidência sexual e teoria queer em uma perspectiva Sul-Sul. In: REA, Caterina et al. (Org.) Traduzindo a África Queer. Salvador: Editora Devires, 2018.

ROSA, Luís Carlo Dalla. Bem viver e terra sem males: a cosmologia dos povos indígenas como uma epistemologia educativa de decolonialidade. Educação revista quadrimestral, Porto Alegre, v. 42, nº 2, p. 298-307, maio-agosto. 2019. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/27652/18314. Acesso em: 1 dez. 2021.

ROSENDO, Daniela et al. Locus Fraturado: resistências no Sul Global e práxis antiespecistas ecofeministas descoloniais. In: DIAS, Maria Clara et al. (Org.). Feminismos Decoloniais: Homenagem a María Lugones. Rio de Janeiro: Editora Ape´Ku, 2020.

ROSENDO, Daniela. Ecofeminismo queer: Reflexões sobre uma teoria política não binária. Revista Latinoamericana de Estudios Críticos Animales, Buenos Aires, v. 1, n. 4, junho. 2017. Disponível em: https://revistaleca.org/journal/index.php/RLECA/article/view/86. Acesso em: 1 dez. 2021.
Publicado
2022-06-25
Visualizações
  • Artigo 38
  • PDF 28
Como Citar
OLIVEIRA, F.; GABRY, T. DA S. LGBTI+ e a luta pela terra: contribuições para descolonizar o ecofeminismo queer. ReDiPE: Revista Diálogos e Perspectivas em Educação, v. 3, n. 2, p. 14-32, 25 jun. 2022.