Atividade ecológica na Educação Escolar Indígena e o encontro com a Etnomatemática

Palavras-chave: Educação Escolar Indígena, Etnomatemática, Currículo Escolar, Interdisciplinaridade

Resumo

O presente artigo apresenta uma experiência interdisciplinar na Escola Municipal Indígena Mypynugkuri, da etnia indígena Satere-Mawe, no município de Maués – AM. Trata-se de uma atividade que usa um projeto de biometria de quelônios como um caminho para integrar os saberes culturais e escolares, com foco na matemática e no meio ambiente. A atividade compõe uma das etapas do projeto Manejo e Conservação de Quelônios que é uma parceria entre a comunidade da escola e o Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Amazonas (Ifam). Ela é dividida em etapas que vão desde palestras orientativas a atividades práticas. A Etnomatemática surge como subsídio para a análise de dados, principalmente por considerar que é necessário inserir os conceitos da cultura matemática de cada Povo nas práticas escolares. Trazemos para análise as reflexões que circundam o currículo escolar, as suas tensionalidades e a abertura para novas práticas pedagógicas inclusivas, que considera o sujeito e suas subjetividades, protagonistas no alcance da aprendizagem com significados. Verificou-se que a interdisciplinaridade e a interculturalidade presente em projetos escolares na Educação Escolar Indígena, embora trabalhosos e complexos, suscitam nos educandos atitudes positivas, criativas, investigativas e valorizam seus conhecimentos prévios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Darlane Cristina Maciel Saraiva, Instituto Federal do Amazonas (Ifam)
Mestre em Ciências. Doutoranda em Educação em Ciências e Matemática pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) – Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática (Reamec). Professora do Instituto Federal do Amazonas (Ifam).
José Roberto Linhares de Mattos, Universidade Federal Fluminense (UFF)
Pós-doutor pelo Instituto de Educação da Universidade de Lisboa. Professor da Universidade Federal Fluminense (UFF).

Referências

ARROYO, M. G. Currículo, território em disputa. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

ARROYO, M. G. Outros sujeitos, outras pedagogias. 2. ed. Petrópolis – RJ: Vozes, 2014.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. LDB - Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: pluralidade cultural; orientação sexual. Secretaria de Educação. Educação Fundamental. Brasília: MEC/ SEF, 1997. 69 p.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais (1ª a 4ª série): matemática. Secretaria de Educação. Educação Fundamental. Brasília: MEC/ SEF, 1997. 142 p.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica / Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.

D’AMBROSIO, U. Da realidade à ação: reflexões sobre educação e matemática. Campinas: Sammus editorial, 1986.

D’AMBROSIO, U. Etnomatemática: Elo entre as tradições e a modernidade. 4ª ed. Belo Horizonte – MG: Autêntica Editora, 2013.

FAZENDA, I. C. A. Práticas Interdisciplinares na Escola, 13. ed. São Paulo: Cortez, 2013.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 58. ed. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 2014.

GODOY, E. V. Currículo, cultura e educação matemática: uma aproximação possível? Editora: Papirus, 2015. Campinas – São Paulo.

LORENZ, Sônia da Silva. Sateré-Mawé: os filhos do guaraná. Coleção Projetos. São Paulo: Centro de Trabalho Indigenista, 1992.

MACHADO, N. J.; D’AMBROSIO, U. Ensino de matemática: pontos e contrapontos; ARANTES, V. A. (org.). 1. ed. São Paulo: Summus, 2014.

MATTOS, S. M. N.; MATTOS, J. R. L. Preservação Ambiental e Cultural na Educação Escolar Indígena In: MATTOS, J. R. L; MATTOS, S. M. N. (Orgs.). Etnomatemática e práticas docentes indígenas. 1. ed. Jundiaí: Paco Editorial, 2018.

PEREIRA B. E.; DIEGUES, A. C. Conhecimento de populações tradicionais como possibilidade de conservação da natureza: uma reflexão sobre a perspectiva da etnoconservação. Revista Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 22, p. 37-50, jul./dez. 2010. Editora UFPR. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/made/article/download/16054/13504. Acesso em: 20 jun. 2019.

PUIG, H. A floresta tropical úmida. Tradução de Maria Leonor Frederico Rodrigues Loureiro. São Paulo: Editora UNESP: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo; França: Institut de Rechérche pour le Développemente, 2008.

SACRISTÁN, J. G. Currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto Alegre: ArtMed, 2000.

SCANDIUZZI, Pedro Paulo. Educação indígena x educação escolar indígena: Uma relação etnocida em uma pesquisa Etnomatemática. São Paulo: Editora Unesp, 2009.

TEIXEIRA, P.; BRASIL, M.; SILVA, E. M. Demografia de um povo indígena da Amazônia brasileira: os Sateré-Mawé. R. bras. Est. Pop., Rio de Janeiro, v. 28, n. 2, p. 429-448, jul./dez. 2011.

TOMAZ, Vanessa Sena; DAVID, Maria Manuela M.S. Interdisciplinaridade e aprendizagem da Matemática em sala de aula. 3. ed., Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.
Publicado
2021-11-23
Visualizações
  • Artigo 5
  • PDF 3
Como Citar
SARAIVA, D. C. M.; MATTOS, J. R. L. DE. Atividade ecológica na Educação Escolar Indígena e o encontro com a Etnomatemática. ReDiPE: Revista Diálogos e Perspectivas em Educação, v. 3, n. Especial, p. 96-109, 23 nov. 2021.