Tessituras no ensino de surdos no contexto educacional bilíngue: possibilidades etnomatemáticas em foco

  • Francisca Melo Agapito Universidade Federal do Maranhão-UFMA
  • Ieda Maria Giongo Universidade do Vale do Taquari-Univates https://orcid.org/0000-0002-1696-0642
Palavras-chave: Jogos de Linguagem, Semelhanças de Família, Escola Bilíngue, Multiplicação, Cultura Surda

Resumo

O artigo objetiva analisar jogos de linguagem que emergem a partir de práticas discentes e docentes com a operação multiplicação nos 4° e 5° Anos Iniciais de uma Escola Bilíngue para Surdos no município de Imperatriz/MA. As lentes teóricas são atinentes à perspectiva Etnomatemática em seus entrecruzamentos com Ludwig Wittgenstein e Michel Foucault. O material empírico foi composto de observações, registros fotográficos, materiais produzidos pelos alunos surdos, diário de campo das pesquisadoras e filmagens das aulas de Matemática. A analítica desses materiais, inspirada nas teorizações da Etnomatemática e na análise de discurso foucaultiana, mostrou : a) a emergência de distintos jogos de linguagem com semelhanças de família entre aqueles vinculados à Matemática Escolar e os praticados pelos alunos surdos cujas especificidades se mostraram produtivas para a compreensão do conteúdo estudado; b) uma amálgama entre as matemáticas postas na escola bilíngue para surdos, aspecto que transcendeu o formalismo da Matemática Escolar, propiciou o uso dos jogos de linguagem dos alunos surdos por parte das professoras e oportunizou outros modos de matematizar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ieda Maria Giongo, Universidade do Vale do Taquari-Univates

Doutora em Educação. Professora titular da Universidade do Vale do Taquari - Univates. Docente permanente, nos Programa de Pós-Graduação (Mestrado e Doutorado Profissional) em Ensino de Ciências Exatas e Programa de Pós-graduação (Mestrado e Doutorado Acadêmico) em Ensino da instituição.

Referências

BUJES, Maria Isabel Edelweiss. Descaminhos. In: COSTA, M. V. (org). Caminhos investigativos II: outros modos de pensar e fazer pesquisa em educação. 2. Ed. Rio de Janeiro: Lamparina editora/: 2007. p. 13-34.

CAMPELLO, A. R. e S.; REZENDE, P. L. F. Em defesa da escola bilíngue para surdos: a história de lutas do movimento surdo brasileiro. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, Edição Especial n. 2/2014, p. 71-92.

CONDÉ, Mauro Lúcio Leitão. As teias da razão: Wittgenstein e a crise da racionalidade moderna. Belo Horizonte: Argvmentvm Editora, 2004.

CORAZZA, S. M. Labirintos da pesquisa, diante de ferrolhos. In: COSTA, M. V. (org). Caminhos investigativos: novos olhares para a pesquisa em educação. 2. Ed. Rio de Janeiro: DP&a, 2002. p. 105-131.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. – 8 ed. – Rio de Janeiro: Forense universitária, 2016.

GIONGO, Ieda Maria. Disciplinamento e resistência dos corpos e saberes: um estudo sobre a educação matemática da Escola Estadual Técnica Agrícola Guaporé. 2008. 206 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2008.

IMPERATRIZ (município). Prefeitura de Imperatriz/MA, gabinete do prefeito. Lei ordinária n° 1.453, de 19 de março de 2012. Dispõe sobre a criação da Escola Bilíngue no âmbito do Sistema Municipal de ensino e dá outras providências.

KIPPER, Daiane. Práticas matemáticas visuais produzidas por alunos surdos: entre números, letras e sinais. 2015. 152 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul, 2015.

JÚNIOR, Gerson Francisco de Arruda. 10 lições sobre Wittgenstein. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017. (Edição digital).

KNIJNIK, Gelsa; WANDERER, Fernanda; GIONGO, Ieda Maria; DUARTE, Claudia Glavan. Etnomatemática em movimento. 3 ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

KNIJNIK, Gelsa. Um modo de teorizar no campo da pesquisa em educação matemática. In: WANDERER, Fernanda; KNIJNIK, Gelsa (Orgs). Educação matemática e sociedade. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2016. p. 21-35.

LOIZOS, Peter. Vídeo, filme e fotografias como documentos de pesquisa. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. (Orgs.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 137-155.

MARTINS, Vivian; ALMEIDA, Joelma. Educação em tempos de pandemia no brasil: saberes fazeres escolares em exposição nas redes e a educação on-line como perspectiva. Revista Docência e Cibercultura. Rio de Janeiro, v. 4 n. 2, 2020. p. 215-224. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/re-doc/article/view/51026/34672. Acesso em: 20 fev. 2021.

NASCIMENTO, Sandra Patrícia de Faria. do; COSTA, Messias Ramos. Movimentos surdos e os fundamentos e metas da escola bilíngue de surdos: contribuições ao debate institucional. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, Edição Especial n. 2/2014, p. 159-178. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/educar/article/view/37021/23118. Acesso em: 17 jan. 2021.

PERLIN, Gladis. Identidades Surdas. In: SKLIAR, Carlos. A surdez: um olhar sobre as diferenças. 3. ed. Porto Alegre: Editora Mediação, 2012. p. 51-74.

SCHEFER, Maria Cristina. WANDERER, Fernanda. Metodologias de pesquisa na área de Educação (Matemática). In: WANDERER, Fernanda; KNIJNIK, Gelsa (Orgs). Educação matemática e sociedade. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2016. p. 33-49.

VEIGA-NETO, Alfredo. Foucault e a Educação. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica. 2017.

WANDERER. Fernanda. Educação, jogos de linguagem e regulação. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2014.

WITCHS, Pedro Henrique; LOPES, Maura Corcini. Forma de vida surda e seus marcadores culturais. Educação em revista, Belo Horizonte. v. 34, p. 1-17, 2018. Disponível em: http://educa.fcc.org.br/scielo.php?script=sci_issuetoc&pid=0102-469820180001&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 03 març. 2021.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações filosóficas. Tradução Marcos G. Montagnoli. 9 ed. – Petrópolis, RJ: Vozes; Bragança Paulista Universitária São Francisco, 2014.

ZANON, Rosana.; GIONGO, Ieda Maria; MUNHOZ, Angélica Vier. Educação matemática, formas de vida e alunos investigadores: um estudo na perspectiva da etnomatemática. Educação matemática em revista. RS. Ano 17. n. 17, v.1, p. 18-27, 2016. Disponível em: http://sbem.iuri0094.hospedagemdesites.ws/ojs3_old/index.php/EMR-RS/article/view/1525. Acesso em: 5 jan. 2021.

ZORZI, Fernanda. Educação Matemática, formação tecnocientífica e docência na educação básica. In: WANDERER, Fernanda; KNIJNIK, Gelsa (Orgs). Educação e tecnociência na contemporaneidade. São Paulo: Pimenta Cultural, 2018. p. 214-246.
Publicado
2022-12-30
Visualizações
  • Artigo 20
  • PDF 25
Como Citar
AGAPITO, F.; GIONGO, I. M. Tessituras no ensino de surdos no contexto educacional bilíngue: possibilidades etnomatemáticas em foco. ReDiPE: Revista Diálogos e Perspectivas em Educação, v. 4, n. 2, p. 154-166, 30 dez. 2022.