A ciência para além da razão: um dever de reflorestamento espiritual e decolonial

  • Emanuely Miranda Miranda Unicamp
Palavras-chave: Espiritualidade, Ciência, Monocultura, Reflorestamento

Resumo

A falência da Igreja durante a Idade Média fomentou um divórcio insuperável entre ciência e religião, fazendo com que a primeira delas negasse e se afastasse de quaisquer pensamentos que tocassem ou beirassem a primeira, seja ela como fosse. A Europa, que outrora impunha seu catolicismo sobre os povos colonizados, começou a impor suas noções epistemológicas sobre eles, rivalizando saberes e tanto hierarquizando-os quanto dicotomizando-os, determinando a si mesma como referência de um padrão. Foi assim que a ciência se estabeleceu ao longo da história como uma instituição de epistemologia única: branca e europeia, desde a classificação histórica que gira em torno da Europa até o racismo epistêmico que desqualifica, anula e extermina tudo aquilo que não se vê no espelho. Este ensaio investiga a lógica de monocultura colonizadora que avançou das terras às mentes, cuja produção de conhecimento tem a razão como plantio e a devastação de espiritualidades como prática que a possibilita funcionar. Diante desse funcionamento colonizador, os povos indígenas e as conexões cósmicas ficam à margem daquilo que foi dado como centro e topo, por não atenderem aos critérios europeus de objetividade para então serem considerados como válidos. Essa marginalização decorre em instrumentalizações da natureza, em destruições que devastam terras e corpos, em colonizações de modos de pensar e existir. Em aliança com filosofias originárias e ancestrais, cultivadas por pensadores como Ailton Krenak e Célia Xakriabá, este ensaio experimenta conexões cósmicas e reflorestamentos espirituais em meio ao inóspito fazer científico, compreendendo essa mobilização como um dever urgente e decolonial de reflorestamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBERT, Bruce; KOPENAWA, David. A queda do Céu. São Paulo: Companhia das Letras: 2005.

AUGUSTO, Geri; XAKRIABÁ, Célia Nunes Corrêa; PÔRTO, Valéria. Águas do conhecimento: deslocamentos e confluências entre o tradicional e o acadêmico. Revista de Estudos em Relações Interétnicas| Interethnica, v. 23, n. 1, p. 304-323, 2022.

BARRETO, Vicente; BELTRAMI, Fábio. Considerações acerca da filosofia, direito e ecologia. Revista Quaestio Iuris, v. 9, n. 3, p. 1474-1494, 2016.

BOFF, Leonardo. Espiritualidade: um caminho de transformação. Rio de Janeiro: Sextante, 2006.

BOFF, Leonardo. Saber Cuidar: Ética do Humano - Compaixão pela Terra. Petrópolis: Editora Vozes, 1999

CARNEIRO, Aparecida Sueli. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

CRUZ, Daniel Nery. A discussão Filosófica da Modernidade e da Pós-Modernidade. Μετάνο
ια, São João Del-Rey (MG), n. 13, 2011.

GALEANO, Eduardo. As Veias Abertas da América Latina. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

GEBARA, Ivone. O que é Teologia Feminista. São Paulo: Editora Brasiliense, 2017.

hooks, bell. Tudo sobre o Amor: novas perspectivas. São Paulo: Elefante, 2020.

KILOMBA, Grada. “Descolonizando o conhecimento: uma palestra-performance de Grada Kilomba”. Tradução: Jéssica Oliveira. Maio de 2018. Disponível em:
https://joaocamillopenna.files.wordpress.com/2018/05/kilomba-grada-ensinando-atransgredir.pdf

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

MARTINS, Mireile Silva; MOITA, JFGS. Formas de silenciamento do colonialismo e epistemicídio: apontamentos para o debate. Semana de História do Pontal, v. 6, p. 1-11, 2018.

SANTOS, Boaventura. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. Autêntica Editora, 2021.

SANTOS, Boaventura. Pela mão de Alice - o social e o político na pós-modernidade. Leya, 2013.

SILVA, Nádia. Decolonização epistêmica na perspectiva negro brasileira. Tese (Doutorado) - Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências, Universidade Federal da Bahia. Salvador, p. 461, 2018.

STENGERS, Isabelle. Reativar o Animismo. Caderno de leituras, v. 62, p. 1-15, 2017.

TAIT, Márcia. Elas Dizem Não!: mulheres camponesas e resistência aos cultivos transgênicos. Campinas: Librum, 2015.

VELOSO, Caetano. Sampa. São Paulo: Gravadora Philips, 1978.

XAKRIABÁ, Célia. O barro, o genipapo e o giz no fazer epistemológico de autoria Xakriabá: reativação da memória por uma educação territorializada. 2018. 218 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável) - Universidade de Brasília, 2018.
Publicado
2023-10-13
Visualizações
  • Artigo 48
  • PDF 45
Como Citar
MIRANDA, E. A ciência para além da razão: um dever de reflorestamento espiritual e decolonial. ReDiPE: Revista Diálogos e Perspectivas em Educação, v. 5, n. 1, p. 121-132, 13 out. 2023.