Poetizando corpos e(m) movimentos na escola

  • Ariana Sousa de Moraes Sarmento EEB PADRE ANCHIETA (SED/SC)
Palavras-chave: Corpo, Estudos Culturais, Ensino de Ciências, Cartografia

Resumo

Como perceber e criar corpos e(m) movimentos na escola? Como me por a dançar com esses corpos enquanto professora-pesquisadora? Utilizando a cartografia enquanto metodologia que nos convida a acompanhar processos e produções que surgem durante o próprio processo de pesquisa, este artigo se propõe a compartilhar uma experiência de oficina que buscou mover o(s) corpo(s) e provocar tremores na(s) concepções de corpo no ensino de ciências. Essa proposição fez parte de uma pesquisa de mestrado realizada no Programa de Pós-graduação em Educação, da Universidade Federal de Santa Catarina (PPGE/UFSC). A pesquisa foi desenvolvida com estudantes do 8º Ano, numa escola em Florianópolis/SC. Durante a oficina, nos propusemos a pensar sobre o que pode um ensino de ciências capaz de desconcertar e provocar deslocamentos nos modos que percebemos o mundo. Na intenção de desfuncionalizar uma ideia de corpo construída desde a ciência moderna, buscamos um diálogo com as artes, não enquanto ferramenta, mas como propulsora de uma outra forma de pensamento. A partir das oficinas criou-se uma composição artística com as fotografias do artista Louis Blanc e as frases dos/das estudantes. Em decorrência desses encontros, (in)visibilidades no/do cotidiano escolar emergiram junto com as existências que se tornaram múltiplas. Criaram-se corpos vivos, pulsantes, tediosos, alegres, tristes e o espaço da escola se tornou movente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, Nilda. Cultura e cotidiano escolar. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 23, p. 62-74, 2003. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-24782003000200005. Acesso em: 25 fev. 2023.

ALVES, Nilda; OLIVEIRA, Inês Barbosa de. Imagens de escolas: espaçostempos de diferenças no cotidiano. Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n. 86, p. 17-36, abril 2004. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0101-73302004000100003. Acesso em: 25 fev. 2023.

BEDIN, L. Cartografia: Uma outra forma de pesquisar. Revista Digital do LAV, Santa Maria: UFSM, v. 7, n. 2, p. 66-77, mai./ago, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.5902/1983734815111. Acesso em: 25 fev. 2023.

BARROS, Manoel de. Poesia Completa. São Paulo: Leya, 2013.

BELINASO, L. Pode a desutilidade ser potente à educação? Conversas com Manoel de Barros. In: CARRASCOZA, J. A. (org.) O delírio do verbo: a poesia de Manoel de Barros e o consumo. São Paulo: Pimenta Cultural, 2020.

CATUNDA, Marta. A arte como política do impossível. Utopía y Praxis Latinoamericana, v. 22, n. 79, Venezuela: Universidad del Zulia, 2017. Disponível em:
http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=27956721010. Acesso em: 29 dez. 2020.

COSTA, Rossana Della. Artificialidade Intencional: Um princípio para reposicionar o corpo. Revista Brasileira de Estudos da Presença, Porto Alegre, v. 9, n. 2, 2019. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/2237-266085089. Acesso em: 25 fev. 2023.

CRUZ, Afonso. Vamos comprar um poeta. Porto Alegre: Dublinense, 2020.

CUNNINGHAM, Merce. O dançarino e a dança: conversas com Jacqueline Lesschaeve. Rio de Janeiro: Cobogó, 2014. Tradução de Julia Sobral Campos.

GUIMARÃES, Leandro Belinaso. ... culturas, biologias, ensinos, formações: atravessamentos .... In: Marco Barzano; José Artur Fernandes; Lana Fonseca; Marilda Shuvartz. (Org.). Ensino de Biologia: experiências e contextos formativos. Goiânia: Índice Editora, 2014. v. 1. p. 93-102.

GUIMARÃES, Leandro Belinaso; ZANCO, Janice. Das pedagogias culturais aos dispositivos artísticos: (de) compondo educações ambientais. In: PULLIN, Elsa Maria Mendes Pessoa; BERBEL, Neusi Aparecida Navas (Orgs.). Pesquisas em Educação: inquietações e desafios. Londrina: Eduel, 2012. p. 371-385.

KASTRUP, Virgínia. O funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. In: PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana da (Orgs). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015. p. 32-51.

LAPOUJADE, David. As existências mínimas. Tradução de Hortencia Santos Lencastre. São Paulo: n – 1 Edições. 2017.

MASSCHELEIN, Jan. E-ducando o olhar: a necessidade de uma pedagogia pobre. Educação e Realidade, Porto Alegre/RS, v. 33, n. 1, p. 35-48, 2008. Disponível em:
https://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/6685. Acesso em: 25 fev. 2023.

MOSCHETA, M.; FERREIRA, R. Falha, fratura, queda e perdição: pesquisar com métodos vulneráveis. In: MOSCHETA, M.; VILELA, L.; RASERA, E. (orgs.) A dimensão política do pesquisar no cotidiano. São Paulo: Letra e Voz, 2020. p. 19-39. Disponível no link: https://d26lpennugtm8s.cloudfront.net/stores/143/019/rte/978-65-86903-04-1%20ADPPC.pdf. Acesso em: 29 dez. 2020

MATURANA, Humberto; VARELA, Francisco. Árvore do Conhecimento: As bases biológicas do entendimento humano. Tradução de Jonas Pereira dos Santos. Campinas: Editorial Psy Ii, 1995.

MOSSI, Cristian Poletti; OLIVEIRA, Marilda Oliveira de. Torções e violências na produção de pesquisas em educação: anotações para uma teoria do corpo em ato. In: FERRAZ, Wagner; MOZZINI, Camila (org.). Estudos do corpo: encontros com arte e educação. Porto Alegre: Indepin, 2013.

PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; DA ESCÓSSIA, Liliana. Apresentação. In: PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana da (Orgs). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009.

PREVE, Ana Maria Hoepers; CORRÊA, Guilherme Carlos. Tudo passa pelo
corpo. Motrivivência: Revista de Educação física, esporte e lazer - LaboMídia UFSC, Florianópolis, v. 11, n. 15, p. 1-3, ago. 2000. Disponível em:
https://periodicos.ufsc.br/index.php/motrivivencia/article/view/5593. Acesso em: 21 out. 2019.

REIS, Alice Casanova dos. A subjetividade como corporeidade: o corpo na fenomenologia de Merleau-Ponty. Vivência: Revista de Antropologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal/RN, n. 37. p. 37-48, 2011. Disponível em:
http://www.saosebastiao.sp.gov.br/ef/pages/linguagem/experiencia/leituras/f1.pdf. Acesso em: 25 fev. 2023

RIBEIRO, Danilo Stank Ribeiro; PREVE, Ana Maria H. Oficinas começam à maneira das ruderais. Linha Mestra, Campinas/SP, n. 34, p. 35-46, jan-abril., 2018. Disponível em:
http://www.lm.alb.org.br/index.php/lm/issue/view/1/showToc. Acesso em: 20 out. 2019.

SILVA, Elenita Pinheiro de Queiroz. A invenção do corpo e seus abalos: diálogos com o ensino de Biologia. 2010. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2010.

SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Identidade e diferença. 15. ed. Petrópoles/RJ: Vozes, 2014.

TAVARES, Geórgia de Souza; CHAVES, Sílvia Nogueira. Esse corpo é meu? Corpos humanos nas/das Ciências. Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão/SE, v. 8, n. 16, p. 89-98, maio, 2015. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/revtee/article/view/3975. Acesso em: 21 out. 2019.
Publicado
2023-10-13
Visualizações
  • Artigo 22
  • PDF 33
Como Citar
SARMENTO, A. Poetizando corpos e(m) movimentos na escola. ReDiPE: Revista Diálogos e Perspectivas em Educação, v. 5, n. 1, p. 59-74, 13 out. 2023.