Contribuições do animismo infantil para a Educação em Ciências

  • Veronica de Lima Mittmann Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Claudia Glavam Duarte Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Ensino, Ciências, Devir, Criança, Animismo

Resumo

O presente artigo foi construído a partir de resultados de uma pesquisa de doutorado que tinha como objetivo perceber como o devir-criança possibilita um outramundar que pressupõe diferentes relações com tudo aquilo que escapa ao humano. De forma específica, este artigo pretendeu perceber como essas relações que o devir-criança estabelece com o mundo e com as coisas, poderia rasurar a educação em ciências e viabilizar a constituição de outros fluxos para a docência. O referencial são os estudos de Gilles Deleuze e Félix Guattari. Trabalhamos com os conceitos de devir-criança, hecceidade e rizoma. O caminho metodológico foi a contocartografia, inventada nessa pesquisa, a fim de dar corpo aos afectos e perceptos produzidos no encontro da pesquisadora com as crianças e com o devir-criança. Os instrumentos para a produção de dados foram a observação e a entrevista semi-estruturada. A pesquisa mostrou que o devir-criança viabilizaria o animismo infantil, que pressupõe uma relação diferente com os não-humanos. Essa relação questiona os pressupostos da Modernidade e possibilita a constituição de outros mundos nesse mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudia Glavam Duarte, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Possui graduação em Licenciatura Plena em Ciências e Matemática - 1º g pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1990), Mestrado em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2003) e doutorado em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2009). Atualmente é professora do curso de licenciatura em Educação do Campo da Universidade Federal do Rio Grande do Sul- Campus Litoral Norte e do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da vida e saúde. Atua, também, no Programa de Pós Graduação em Ensino da Matemática.

Referências

BENSUSAN, Hilan. Linhas de Animismo Futuro. Brasilia: IEB Mil Folhas, 2014.

BRASIL, Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2018.

CASTRO, Eduardo Viveiros de. Metafisicas canibais: Elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: Ubu Editora, 2018.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia, vol 1. São Paulo: Editora 34, 2011

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia, vol 4. São Paulo: Editora 34, 2012.

HARAWAY, Donna. Manifesto das Espécies Companheiras: cachorros, pessoas e alteridade significativa. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2021.

KASTRUP, Virgínia. O funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. In: PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA Liliana da. Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015, p. 32-51.

LARROSA, Jorge Bondía. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, Vol. 19, p. 20-28, Jan/Abr., 2002. Disponível em: SciELO - Brasil - Notas sobre a experiência e o saber de experiência Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Acesso em 02 mar. 2023.

OSÓRIO. Secretaria Municipal de Educação. Departamento Pedagógico. Documento Curricular do Município de Osório: Educação Infantil / Secretaria Municipal de Educação, Departamento Pedagógico. – Osório: Secretaria Municipal de Educação, 2019.

ORLANDI, Luiz Benedicto Lacerda. Arrastões na imanência. Campinas: Editora Phi, 2018.

RIO GRANDE DO SUL. Departamento Pedagógico. União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação. Referencial Curricular Gaúcho: Educação Infantil. Porto Alegre: Secretaria de Estado da Educação, Departamento Pedagógico, 2018

ROLNIK, Suely. Cartografia Sentimental: Transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Sulina; Editora da UFRGS, 2014.

SALES, Tiago Amaral; ESTEVINHO, Lúcia de Fátima Dinelli. Carta para além dos muros biológicos: pistas de uma biologia menor e afetos possíveis com um documentário sobre HIV/AIDS. Revista de Ensino de Biologia da Associação Brasileira de Ensino de Biologia (SBEnBio), Vol. 14, p. 290-311, 2021.

SANTOS, Sandro Prado; MARTINS, Matheus Moura; SILVA, Fabrício Aparecido Gomes da. Literatura, Aberturas, Variações com Gêneros e Sexualidades: Manifesto por uma Educação em Biologia Menor. Linha Mestra, Vol. 1, p. 321-331, 2021.

SANTOS, Sandro Prado; SILVA, Elenita Pinheiro de Queiroz; MATHEUS, Moura Martins. Educação em biologia menor. Instrumento - Revista em Estudo e Pesquisa em Educação, Vol. 23, p. 382-398, 2021.

SKLIAR, Carlos. O ensinar enquanto travessia: linguagens, leituras, escritas e alteridades para uma poética da educação. Salvador: EDUFBA, 2014.

ZORDAN, Paola. Gaia educação: arte e filosofia da diferença. Curitiba: Appris, 2019.

ZOURABICHVILI, François. Deleuze: uma filosofia do acontecimento. São Paulo: Editora 34, 2016.
Publicado
2023-10-13
Visualizações
  • Artigo 93
  • PDF 72
Como Citar
MITTMANN, V.; DUARTE, C. Contribuições do animismo infantil para a Educação em Ciências. ReDiPE: Revista Diálogos e Perspectivas em Educação, v. 5, n. 1, p. 29-43, 13 out. 2023.