Concepções de professores de ciências do município de Abaetetuba-Pará sobre o que é “ser doutor” na Amazônia
PDF

Palavras-chave

Formação Doutoral de Professores
Professores de Ciências
Concepções de Professores

Como Citar

SILVA NETO, B.; NAHUM, H. Concepções de professores de ciências do município de Abaetetuba-Pará sobre o que é “ser doutor” na Amazônia. ReDiPE: Revista Diálogos e Perspectivas em Educação, v. 1, n. 1, p. 55-66, 19 dez. 2019.

Resumo

Este artigo teve como objetivo principal identificar que concepções de professores das áreas das Ciências, mestres e/ou doutores, em atuação na docência na Educação Básica e Superior do município de Abaetetuba, no Pará, possuem sobre a constituição da formação doutoral, anseios, desafios e perspectivas no âmbito da formação de professores na Amazônia. Buscamos os Currículos Lattes de seis professores, dos quais encontramos apenas cinco que atuam nesse município na SEDUC-PA, UFPA, UEPA e IFPA, e aplicamos um questionário com cinco questões abertas, procurando compreender as concepções sobre o “Ser Doutor” na Amazônia. Percebemos que existe uma insuficiência dessa formação na região amazônica, influenciada, talvez, pelo fato de o processo de interiorização ser uma tarefa árdua nesse tipo de formação Pós-Graduada, principalmente nas regiões Norte e Nordeste. Desses professores, três são doutores e três são mestres. Refletimos, também, neste artigo, sobre a situação da Pós-Graduação no Brasil e a respeito da formação doutoral na região amazônica. Apresentamos nossos resultados em dois quadros que especificam informações sobre os sujeitos da pesquisa e discutimos suas concepções de acordo com as respostas obtidas nos questionários, por meio de comentários nossos. Este estudo se conecta com futuros aprofundamentos que se desenvolvem no âmbito dos desafios e perspectivas sobre a formação doutoral nesta região.
PDF

Referências

ALVES, Nilda (Org.). Formação de professores: pensar e fazer. São Paulo: Cortez, 1992.

ANDRADE, José Antonio Araújo. O papel das narrativas na aprendizagem da docência: um enfoque no aspecto das interações humanas. Revista de Educação, Campinas (SP), v.18, n. 3, p. 311-326, set-dez. 2013

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e ao método. Porto, Portugal: Porto, 1994.

BRASIL. Decreto n.º 21.321, de 18 de junho de 1946. Aprova o Estatuto da Universidade do Brasil. Diário Oficial. Rio de Janeiro. p. 9256, 18 jun. 1946. Seção 1.

BRASIL. Lei nº 1.310 de 15 de janeiro de 1951. Cria o Conselho Nacional de Pesquisas, e dá outras providências. Diário Oficial. Rio de Janeiro. 15 jan. 1951. Seção 1.

CASTRO, Rosane Michelli de. A Pós-Graduação em Educação no Brasil: alguns aspectos à luz de estudos realizados na área. Educação em Revista, Belo Horizonte (MG), v. 28, n. 04, p. 263-287, dez. 2012.

CIRANI, Claudia Brito Silva; CAMPANARIO, Milton de Abreu; SILVA, Heloisa Helena Marques da. A evolução do ensino da pós-graduação senso estrito no Brasil: análise exploratória e proposições para pesquisa. Avaliação, Sorocaba (SP), v. 20, n. 01, p. 163-187, mar. 2015.

CURY, Carlos Roberto Jamil. Quadragésimo ano do parecer CFE n. 977/65. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 30, p. 07-20, set-dez. 2005.

GATTI, Bernadette. Reflexão sobre os desafios da pós-graduação: novas perspectivas sociais, conhecimento e poder. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 18, p. 108-116, set-dez. 2001.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GONÇALVES, Tadeu Oliver. Formação e desenvolvimento profissional de formadores de professores: o caso dos professores de matemática da UFPA. 2000. 207f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação de Campinas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas (SP), 2000.

GUIMARÃES, Reinaldo; LOURENÇO, Ricardo; COSAC, Silvana. O perfil dos doutores ativos em pesquisa no Brasil. Parcerias estratégicas, Brasília. n. 13, p. 122-50, dez. 2001.

LÜDKE, Menga; RODRIGUES, Priscila Andrade Magalhães; PORTELLA, Vanessa Cristina Máximo. O mestrado como via de formação de professores da educação básica para a pesquisa. Revista Brasileira de Pós-Graduação, Brasília (DF), v. 09, n. 16, p. 59 – 83, abr. 2012.

MARCHELLI, Paulo Sérgio. Formação de doutores no Brasil e no mundo: algumas comparações. Revista Brasileira de Pós-Graduação, Brasília (DF), v. 2, n. 3, p. 07 – 29, mar., 2005.

PARDAL, Luís Antonio; MARTINS, Antonio Maria. Formação contínua de professores: concepções, processos e dinâmica profissional. Psicologia da Educação, São Paulo (SP), v. 20, p. 103 – 117.

RAMALHO, Betânia Leite; MADEIRA, Vicente de Paulo Carvalho. A pós-graduação em educação no Norte e Nordeste: desafios, avanços e perspectivas. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro (RJ), n. 30, p. 70 – 82, set. – dez., 2005.

RAMOS, Milena Yumi; VELHO, Lea. formação de doutores no brasil: o esgotamento do modelo vigente frente aos desafios colocados pela emergência do sistema global de ciência. Avaliação, Campinas (SP); Sorocaba (SP), v. 18, n.1, p. 219-246, mar. 2013.

SOARES, Ademilson de Sousa. A formação do professor da Educação Básica entre políticas públicas e pesquisas educacionais: uma experiência no Vale do Jequitinhonha em Minas Gerais Ensaio. Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro (RJ), v. 22, n. 83, p. 443-464, abr.-jun. 2014.