Práticas com matemática no contexto da produção de cupuaçu no Assentamento Castanhal Araras - Pará
PDF

Palavras-chave

Educação do Campo
Práticas com Matemática
Produção de Cupuaçu

Como Citar

SILVA, K.; GAIA ASSUNÇÃO, C. Práticas com matemática no contexto da produção de cupuaçu no Assentamento Castanhal Araras - Pará. ReDiPE: Revista Diálogos e Perspectivas em Educação, v. 1, n. 1, p. 4-19, 19 dez. 2019.

Resumo

O objetivo deste trabalho consiste em evidenciar práticas com matemática no contexto da produção do cupuaçu, no Assentamento Castanhal Araras - Pará. É parte de um estudo qualitativo, resultante de um projeto de extensão do Programa de Apoio a Projetos de Intervenção Metodológica (PAPIM). Foi desenvolvido a partir da observação sobre as práticas com matemática utilizada por esse grupo sociocultural. Seguiu uma abordagem de pesquisa-observação-participante com base em Richardson (1999), e Brandão (1981). Utiliza aspectos da etnomatemática em D’Ambrosio (2001) e das práticas com matemática de Gaia e Guerra (2014, 2016). As principais observações se concentraram na preparação da área, no cultivo e na comercialização do cupuaçu. Os resultados indicam que  os sujeitos utilizam conhecimentos matemáticos nas atividades de produção do cupuaçu no Assentamento Castanhal Araras, as quais identificamos como práticas com matemática. Evidenciamos a importância da perspectiva da educação do campo como elemento constitutivos na discussão e reconhecimento da realidade e das experiências das comunidades do campo como objeto de estudo e fonte de conhecimento.
PDF

Referências

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Pesquisa participante. São Paulo: Editora Brasiliense;1981.

CHEVALLARD, Yves. El análisis de las prácticas docentes en la teoria antropológica de lo didáctico. Recherches en Didactique des Mathématiques, Vol 19, nº 2, pp. 221-266, 1999.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Educação para uma sociedade em transição. 2. Ed. Campinas: Papirus, p. 197, 2001.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Etnomatemática: Elo entre as tradições e a modernidade. Belo Horizonte: Autêntica, 110 p. (Coleção Tendências em Educação Matemática). (2ª ed.). 2002.

GAIA, Carlos Alberto. Práticas com Matemáticas na Educação do Campo: o caso da redução à unidade na Casa Escola da Pesca. 2016. 185 f. Tese (Doutorado em Educação em Ciências e Matemáticas) – Instituto de Educação em Ciências em Matemática, Universidade Federal do Pará, Belém, 2016.

GAIA, Carlos Alberto; GUERRA, Renato Borges. Descortinando Práticas com Matemáticas: Conexões entre TAD e Etnomatemática. In: MENDES, Iran Abreu; FARIAS, Carlos Aldemir (Orgs.). Práticas socioculturais e Educação Matemática. São Paulo: Livraria da Física, 2014.

MEGID, Maria Auxiliadora Bueno Andrade; FIORENTINI, Dario. As narrativas e o processo de aprendizagem docente. Revista Interações, 18, 178 -203. 2011

MIGUEL, Antonio Miguel; MENDES, Iran Abreu. Mobilizing in mathematics teacher education:
memories, social practices, and discursive games. ZDM Mathematics
Education, v. 42, 381-392, 2010.

MILLROY, Wendy L. An ethnographic study of the mathematical ideas of a group of
carpenters. Reston: National Council of Teachers of Mathematics, 1992.

MISHLER, Elliot. Narrativa e identidade: a mão dupla do tempo. In: LOPES, L. P. M.; BASTOS, L. C. (Orgs.). Identidades: recortes multi e interdisciplinares. Campinas: Mercado de Letras. 2002. p. 97-119.

RICHARDSON, Roberto Jarry. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas; 1999.

SACKS, Harvey. On doing “being ordinary”. In: ATKINSON, J. Maxwell; HERITAGE, John (Eds.). Structures of social action: studies in conversation analysis. Cambridge, U.K.: University Press. 1984.

UNIFESSPA. Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Educação do Campo. ICH. Marabá-PA, 2018.