Os jogos de papéis como recurso lúdico colaborativo à interpretação e solução de problemas matemáticos
PDF

Palavras-chave

Ensino de Matemática
Jogos de Papéis
Solução de Problemas

Como Citar

DIAS, A.; ASSIS, A. Os jogos de papéis como recurso lúdico colaborativo à interpretação e solução de problemas matemáticos. ReDiPE: Revista Diálogos e Perspectivas em Educação, v. 1, n. 1, p. 124-138, 19 dez. 2019.

Resumo

A abordagem de conteúdos matemáticos por meio de estratégias em que o aluno vivencie situações do cotidiano pode tornar tais conteúdos mais concretos, facilitando assim a sua compreensão. A presente pesquisa é fruto da realização de uma atividade com alunos do 5º ano do Ensino Fundamental, cujo objetivo foi o de analisar se o uso de uma brincadeira de jogos de papéis, com a temática feira, pode facilitar a interpretação e a solução problemas matemáticos, buscando-se verificar quais foram as implicações decorrentes da aplicação de tal jogo com esses alunos. A ideia de aplicação dessa atividade partiu de uma inquietação perante as dificuldades desses alunos frente à solução de problemas. Anteriormente ao desenvolvimento dessa atividade, os alunos apresentavam dificuldades para interpretar e resolver os problemas abordados em sala de aula, utilizando operações matemáticas aleatórias como solução, sem a verificação dos resultados. Nas aulas seguintes a essa aplicação, notou-se que o rendimento dos alunos, nas atividades associadas à resolução de problemas, foi satisfatório comparado aos dados anteriores à realização da presente proposta. A plenária, ocorrida após a brincadeira, propiciou que os alunos refletissem acerca da operação adequada para se calcular o troco, o que contribuiu para a melhoria da habilidade de intepretação e solução de problemas matemáticos por parte deles. Isso mostra a importância do uso de estratégias pedagógicas que levem os alunos a superarem a utilização de operações matemáticas de forma mecânica, sem reflexão.
PDF

Referências

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRITO, Márcia Regina Ferreira de (Org.). Psicologia da Educação Matemática. Florianópolis: Insular, 2001.

CHI, M. T. H; GLASER, R. A capacidade para a solução de problemas. In: STERNBERG, Robert. As capacidades intelectuais humanas: uma abordagem em processamento de informações. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

CRESWEL, John W. Projeto de pesquisa: método qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

ELKONIN, D. Sobre el problema de la periodización del desarollo psíquico em la infância. In: DAVIDOV, V.; SHUARE, M. (Org). La psicologia evolutiva e pedagogia em la URSS: antologia. Moscú, Editorial Progreso, 1987. p 104-124.

FALCÃO, Jorge Tarcisio da Rocha. Dez mitos acerca do ensino e da aprendizagem da matemática: síntese de pesquisas e reflexos teóricos – 1986/2006. In: ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 9., 2007. Belo Horizonte: Sociedade Brasileira de Educação Matemática. Anais... Belo Horizonte: SBEM, 2007.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem na escola e a questão das representações sociais. Eccos Revista Científica, São Paulo, v. 4, n. 2, p.79-88, 2002.

MAYER, R. F. A. A capacidade para a matemática. In: STERNBERG, Robert. As capacidades intelectuais humanas: uma abordagem em processamento de informações. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

PASQUALINI, J. C. Periodização do desenvolvimento psíquico à luz da escola de Vigotsky: A teoria Histórico-Cultural do desenvolvimento infantil e suas implicações pedagógicas. In: MARSIGLIA, Ana Carolina Galvão (Org). Infância e pedagógica histórico-crítica. Campinas: Autores Associados, 2013.

VYGOTSKY, Lev Semyonovich. A Formação Social da Mente. 6. ed. São Paulo, Martins Fontes. 1998.

VYGOTSKY, Lev Semyonovich. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1998.