A História da Família como um campo plural de compreensões e de possibilidades na comarca do Rio das Velhas no século XVIII

Palavras-chave: Família; concubinato; historiografia.

Resumo

O presente artigo é uma proposta, fruto de reflexões mais amplas realizadas em pesquisas anteriores, de se (re) pensar a história da família enquanto um objeto de estudo passível de ter a sua noção e seus sentidos ampliados, não permitindo, portanto, o invólucro homogêneo ao qual fora relegado por muitos anos entre estudiosos que a analisaram pelo viés de discursos oficiais. Para tanto, utiliza-se as devassas eclesiástica como fontes principais e, por meio dessa documentação, se investiga a prática do concubinato na Comarca do Rio das Velhas enquanto uma relação conjugal capaz de ser inserida no campo da ilegitimidade e enquanto uma forma simultânea de conjugalidade instituída consuetudinariamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Igor Bruno Cavalcante dos Santos, Universidade Federal de Ouro Preto
Professor de História e coordenador pedagógico na Rede de Ensino Gênesis. Graduou-se em História (Bacharelado e Licenciatura) pelo Centro Universitário de Belo Horizonte (UNI-BH) em 2012. Tornou-se Mestre em História pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) em 2017 e, atualmente, desenvolve suas pesquisas de doutorado em História na mesma instituição.

Referências

Arquivo Eclesiástico da Arquidiocese de Mariana – AEAM
- Livros de Devassas Eclesiásticas, Termos de Culpa. Identificações: fevereiro de 1727 - dezembro de 1753; janeiro - março de 1731; outubro de 1733 - janeiro de 1734; julho de 1737 - setembro de 1738; julho de 1748 - janeiro de 1750; Z-5 agosto de 1752 – fevereiro de 1756; junho de 1734 – outubro de 1734.
- Livro de Devassas, Testemunhas. Identificações: maio de 1730 - abril de 1731; Z-1 maio - dezembro de 1738; Z-4 junho de 1748 - abril de 1749; Z-8 julho de 1756 – fevereiro de 1757; Z-9 julho - setembro de 1759; Z-11 e 12 janeiro de 1767 – maio de 1778; Z-3 novembro de 1747- fevereiro de 1748; Z-4 fevereiro de 1748- julho de 1748; Z-5 agosto de 1756- março de 1757.

Centro de Documentação e Informação da Cúria Metropolitana de Belo Horizonte – CEDIC-BH.
- Livros de Devassas Eclesiásticas, Termos de Culpa. Identificações: dezembro de 1733 - setembro de 1734.

Fontes impressas
BLUTEAU, Raphael Padre. Vocabulário português e latino. Coimbra: Colégio das Artes da Companhia de Jesus, 1712.

CAB – CONSTITUIÇÕES PRIMEIRAS DO ARCEBISPADO DA BAHIA, feitas e ordenadas pelo ilustríssimo, e reverendíssimo senhor d. Sebastião Monteiro da Vide, arcebispo do dito arcebispado, e do conselho de Sua Majestade, propostas e aceitas em o sínodo diocesano, que o dito senhor celebrou em 12 de junho do ano de 1707. 3. ed. São Paulo: Tipografia 2 de Dezembro, 1853. (1. ed., Lisboa, 1719; 2. ed. Coimbra, 1720).

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Miniaurélio Século XXI Escolar: o minidicionário da língua portuguesa. Coordenação de edição, Margarida dos Anjos, Marina Baird Ferreira; lexicografia, Margaria dos Anjos et. all. 4 ed. rev. ampliada. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

SILVA, Antônio de Morais e. Diccionário da língua portuguesa. Recompilado dos vocábulos impressos até agora e nesta segunda edição novamente aumentado e muito acrescentado. Lisboa: Typografia Lacérdina, 1813, 2 vols.
ALGRANTI, Leila Mezan. Honradas e devotas: mulheres da colônia. Estudo sobre a condição feminina nos conventos e recolhimentos do sudeste do Brasil (750-1822). Rio de Janeiro: José Olympio; Brasília: Edunb, 1993.

ALVES, Débora Cristina. Alianças familiares: estratégias de uma elite de Antigo Regime (Guarapiranga – 1715 a 1790). Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora, 2013.

BACELLAR, Carlos de Almeida Prado. Viver e sobreviver em uma vila colonial. Sorocaba, século XVIII e XIX. São Paulo: Annablume, FAPESP, 2001.

BRÜGGER, Sílvia Maria Jardim. Minas patriarcal: família e sociedade (São João Del Rei – séculos XVIII e XIX). São Paulo: Annablume, 2007.

BURKE, Peter. História e teoria social. Trad. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

CÂNDIDO, Antônio. The Brazilian Family. In: SMITH, T. (Org.). Brazil. Portrait of half a continente. New York: Marchant General, 1951.

CERCEAU NETTO, Rangel. Um em casa de outro: concubinato, família e mestiçagem na comarca do Rio das Velhas (1720-1780). São Paulo: Annablume/Belo Horizonte: PPGH/UFMG, 2008.

______. Entre as formas de se pensar e as maneiras de se viver: a família mestiça e a vida familiar em Minas Gerais colonial. São Paulo: Alameda, 2017.

CORRÊA, Mariza. Repensando a Família Patriarcal Brasileira (Notas para o estudo das formas de organização familiar no Brasil). In: ALMEIDA, Maria Suely Kofes et al. Colcha de Retalhos: Estudo sobre a Família no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1982.

DIAS, Maria Odila Leite da Silva. Quotidiano e Poder em São Paulo no século XIX. São Paulo: Brasiliense, 1995.

FARIA, Sheila de Castro. História da Família e Demografia Histórica. In: CARDOSO, Ciro F. S.; VAINFAS, Ronaldo (Orgs.). Domínios da História: Ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997, p. 241-258.

______. Sinhás pretas, damas mercadoras: as pretas minas nas cidades do Rio de Janeiro e São João Del Rey (1700-1850). Tese (Concurso de professor titular). Universidade Federal Fluminense. Niterói, 2004.

FIGUEIREDO, Luciano Raposo de Almeida. Barrocas famílias: vida familiar em Minas Gerais no século XVIII. São Paulo: Hucitec, 1997.

______. O avesso da memória: cotidiano e trabalho da mulher em Minas Gerais no século XVIII. 2. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1999.

FREYRE, Gilberto. Casa grande e senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. ed. 51. São Paulo: Global, 2006.

FURTADO, Júnia Ferreira. Chica da Silva e o contratador dos diamantes: o outro lado do mito. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

GOLDSCHMIDT, Eliana Rea. Casamentos mistos: liberdade e escravidão em São Paulo colonial. São Paulo: Annablume, 2004.

GRUZINSKI, Serge. O pensamento mestiço. Trad. Rosa Freira d’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

LONDOÑO, Fernando Torres. A outra família: concubinato, igreja e escândalo na colônia. São Paulo: Loyola, 1999.

LOPES, Eliane Cristina. O revelar do pecado: filhos ilegítimos na São Paulo do século XVIII. São Paulo: Annablume; FAPESP, 1998.

LOTT, Miriam Moura. Na forma do ritual romano: casamento e família em Vila Rica (1804-1839). São Paulo: Annablume/Belo Horizonte: PPGH/UFMG, 2008.

MACHADO, Cacilda. A trama das vontades: negros, pardos e brancos na produção da hierarquia social (São José dos Pinhais – PR, passagem do século XVIII para o XIX). Tese (Doutorado em História). Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2006.

MARCÍLIO, Maria Luiza. Caiçara: terra e população. São Paulo: Paulinas, CEDHAL, 1986.

______. A cidade de São Paulo: povoamento e população (1750-1850). São Paulo: Pioneira/Edusp, 1973.

______. Crescimento demográfico e evolução agrária paulista, 1700-1836. Tese (Livre Docência). Universidade de São Paulo. São Paulo, 1974.

MAXWELL, Kenneth. A Devassa da Devassa: A Inconfidência Mineira: Brasil – Portugal (1750-1808). Trad. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 1978.

MELLO E SOUZA, Laura de. Norma e conflito: aspectos da História de Minas no século XVIII. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999.

______. Desclassificados do ouro: a pobreza mineira no século XVIII. 4. ed. rev. e amp. Rio de Janeiro: Graal, 2004.

OLIVEIRA, Hilton Cesar de. A devassa da vida cotidiana: o delito do concubinato em Minas Gerais setecentista. Dissertação (Mestrado em História). Universidade Estadual de São Paulo. São Paulo, 1999.

PAIVA, Eduardo França. Escravidão e universo cultural na colônia: Minas Gerais, 1716-1789. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001.

PAIVA, Eduardo França. Escravos e libertos nas Minas Gerais do século XVIII: estratégias de resistência através dos testamentos. 3. ed. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: PPGH/UFMG, 2009. (Coleção Olhares).

______. Dar nome ao novo: uma história lexical da Ibero-América entre os séculos XVI e XVIII (as dinâmicas de mestiçagens e o mundo do trabalho). Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

PEREIRA, Maria Luisa de Castro. O sangue, a palavra e a lei: faces da ilegitimidade em Sabará, 1713-1770. Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2004.

PRAXEDES, Vanda Lúcia. A teia e a trama da fragilidade humana: os filhos ilegítimos em Minas Gerais, 1770-1840. Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2003.

______. Segurando as pontas e tecendo tramas: mulheres chefes de domicílio em Minas Gerais, 1770-1880. Tese (Doutorado em História). Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2008.

PRIORE, Mary Del. Ao sul do corpo: condição feminina, maternidade e mentalidade no Brasil Colônia. São Paulo: UNESP, 2009.

SAMARA, Eni de Mesquita. A família brasileira. 3 ed. São Paulo: Brasiliense, 1986.

______. As mulheres, o poder e a família. São Paulo, século XIX. São Paulo: Marco Zero & Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, 1989.

SANTOS, Igor. Famílias plurais: uniões mistas e mestiçagens na comarca de Sabará (1720-1800). Curitiba: Appris, 2018.

______. Longe de suas esposas, mas ainda em família: o concubinato adulterino como condições para as mestiçagens (Sabará, século XVIII). e-Hum Revista Científica do Departamento de Ciências Humanas, Letras e Artes do Uni-BH. Belo Horizonte, vol. 11, nº 2. 2018. pp. 54-65.

SCOTT. Ana Silvia Volpi. A família como objeto de estudo para o Historiador. In: ALTHOFF, Coleta Rinaldi; ELSEN, Ingrid; NITSCHKE, Rosane Gonçalves. (Orgs.). Pesquisando a Família: olhares contemporâneos. Florianópolis: Papa-Livro, 2004, p. 45-54.

______. As teias que a família tece: uma reflexão sobre o percurso da história da família no Brasil. História: Questões e Debates. Curitiba, n. 51, p. 13-29, jul./dez. 2009. Editora UFPR, 2009.

______. Entre a “curva” e o “caso”: três décadas de história da família no Brasil. In: LIBBY, Douglas Cole; MENESES, José Newton Coelho; FURTADO, Júnia Ferreira; FRANK, Zephyr L. (Orgs.). História da família no Brasil (séculos XVIII, XIX e XX): novas análises e perspectivas. Belo Horizonte: Fino Traço, 2015. pp. 21-49.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da. Sistema de casamento no Brasil colonial. São Paulo: T. A. Queiroz: Editora da Universidade de São Paulo, 1984.

______. Donas mineiras do período colonial. São Paulo: Editora UNESP, 2017.

TEIXEIRA, Paulo Eduardo. O outro lado da família brasileira. São Paulo: Editora da Unicamp, 2004.

VIANA, Andréa Lopes. Visitações episcopais: processos de devassa ocorridos no Arraial do Tijuco, Capitania de Minas Gerais, 1750. Dissertação (Mestrado Profissional Interdisciplinar em Ciências Humanas). Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri/Faculdade Interdisciplinar em Humanidades. Diamantina, 2017.

VILLALTA, Luiz Carlos. A “torpeza diversificada dos vícios”: celibato, concubinato e casamento no mundo dos letrados de Minas Gerais (1748-1801). Dissertação (Mestrado em História). Universidade de São Paulo. São Paulo, 1993.
Publicado
2020-02-29
Visualizações
  • Artigo 107
  • PDF 75
Como Citar
Santos, I. (2020). A História da Família como um campo plural de compreensões e de possibilidades na comarca do Rio das Velhas no século XVIII. Escritas Do Tempo, 1(3), 247-269. https://doi.org/10.47694/issn.2674-7758.v1.i3.20192020.247269