A trajetória dos cristãos-novos Diogo Correia do Vale e Luis Miguel Correia de Vila Real ao Auto da Fé de 6 de julho de 1732 (1670-1732).

Palavras-chave: inquisição; judaísmo; intolerância religiosa

Resumo

Este artigo apresenta algumas análises preliminares de dados que irão compor a tese de doutorado que trata justamente dos cristãos-novos   Diogo Correia do Vale e seu filho Luis Miguel Correia que foram presos pelo Santo Ofício em 12 de outubro de 1730  e levados para Lisboa a fim de responderem pelo crime de judaísmo. Diogo havia recebido 47 denúncias e Luis Miguel 26, sendo estas referentes a parentes e conhecidos. A família Correia do Vale teve 29 de seus membros presos e destes, 6 foram relaxados a justiça secular e 7 relapsos em judaísmo. Os desafetos familiares de Diogo somados à ação persecutória o levou junto ao seu filho do meio a se mudarem para as Minas Gerais por volta de 1725 com o intuito de recomeçarem a vida próximos a velhos conhecidos. Porém, não tardou muito para que familiares do Santo Ofício os capturassem em Vila Rica e os levassem à Lisboa, dando início a uma saga tão comum a muitos indivíduos, permeada de muitas denúncias, interrogatórios, notificações, testemunhas de defesa arroladas não ouvidas e uma sentença comum há dois homens considerados pelos inquisidores como judeus convictos, simulados, confitentes, diminutos, apóstatas e impenitentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniela Cristina Nalon, Universidade Federal de Juiz de Fora
Doutoranda em História pela Universidade Federal de Juiz de Fora, Mestre pelo programa de pós-graduação em Patrimônio Cultural, Paisagens e Cidadania da Universidade Federal de Viçosa. Atualmente atua como professora de História no município de Ubá e como Assistente Editorial da Revista Locus (UFJF).
Carla Maria Carvalho de Almeida, Universidade Federal de Juiz de Fora
Doutora em História pela Universidade Federal Fluminense, Brasil (2001). Professora associada da Universidade Federal de Juiz de Fora.

Referências

Listas dos Autos da Fé da Inquisição de Lisboa:
ANTT/TSO-IL Conselho Geral, Livro 435.
AUC, Registro de descrição estudantil, Archeevo, PT/AUC/ELU/UC-AUC/B/001-001/V/000204, Diogo Correia do Vale.
Processos do Arquivo Nacional da Torre do Tombo – Tribunal do Santo Ofício de Coimbra:
ANTT/TSO-IC Processo nº 03069, Brites Caetano;
ANTT/TSO-IC Processo nº 03077, Luíza do Vale;
ANTT/TSO-IC Processo nº 03226, Isabel do Vale;
ANTT/TSO-IC Processo nº 04699, Arcângela do Vale;
ANTT/TSO-IC Processo nº 04703, Violante Maria;
ANTT/TSO-IC Processo nº 04856, Raphael Mendes de Leão;
ANTT/TSO-IC Processo nº 05138, Ana Bernarda;
ANTT/TSO-IC Processo nº 05467, João Mendes do Vale;
ANTT/TSO-IC Processo nº 05861, Luís do Vale;
ANTT/TSO-IC Processo nº 06238 e 06238-1, Gaspar Cardoso de Lima;
ANTT/TSO-IC Processo nº 06285, Teresa Bernarda;
ANTT/TSO-IC Processo nº 06340, Maria Madalena;
ANTT/TSO-IC Processo nº 06378 e 06378-1, Gaspar Dias Fernandes;
ANTT/TSO-IC Processo nº 07001, Bernarda de Leão;
ANTT/TSO-IC Processo nº 07318, Heitor Mendes do Vale;
ANTT/TSO-IC Processo nº 07344, Brites Henriques;
ANTT/TSO-IC Processo nº 07463 e 07463-1, António Mendes do Vale;
ANTT/TSO-IC Processo nº 07521, Sebastião Cordeiro;
ANTT/TSO-IC Processo nº 08178, Branca de Leão;
ANTT/TSO-IC Processo nº 08267, Ana da Fonseca;
ANTT/TSO-IC Processo nº 08827, Filipa do Vale;
ANTT/TSO-IC Processo nº 08887, Pascoal do Vale;
ANTT/TSO-IC Processo nº 09079, Mariana Fonseca;
ANTT/TSO-IC Processo nº 09763, Leonor Maria;
ANTT/TSO-IC Processo nº 09783, Maria Teresa de Leão;
ANTT/TSO-IC Processo nº 09971 e 09971-1, Luís Cordeiro do Vale.


Processos do Arquivo Nacional da Torre do Tombo – Tribunal do Santo Ofício de Lisboa:
ANTT/TSO-IL Processo nº 00821, Diogo Correa do Vale;
ANTT/TSO-IL Processo nº 02643 e 02643-1, Raphael Mendes do Vale;
ANTT/TSO-IL Processo nº 04440, Antonio do Vale Mesquita;
ANTT/TSO-IL Processo nº 07521, Sebastião Ferreira;
ANTT/TSO-IL Processo nº 08378, João Henriques.
ANTT/TSO-IL Processo nº 08881 e 08881-1, Diogo do Vale Cordeiro;
ANTT/TSO-IL Processo nº 08887 e 08887-1, Pascoal do Vale;
ANTT/TSO-IL Processo nº 09249, Luís Miguel Correa.
ANTT/TSO-IL Processo nº 09326, João Nunes Vizeu.
ANTT/TSO-IL Processo nº 09971 e 09971-1, Luis Cordeiro do Vale;
ANTT/TSO-IL Processo nº 11603, Antonio Ribeiro Sanches.


ASSIS, Angelo Adriano Faria de. João Nunes: um rabi escatológico na Nova Lusitânia. Sociedade colonial e inquisição no nordeste quinhentista. 1. ed. São Paulo: Alameda, 2011.

______. Macabeias da colônia: criptojudaísmo feminino na Bahia. 1. ed. São Paulo: Alameda, 2012.

FEITLER, Bruno. A ação da Inquisição no Brasil: uma tentativa de análise. In: FURTADO, Junia Ferreira; RESENDE, Maria Leônia Chaves de (Orgs.). Travessias inquisitoriais das Minas Gerais aos cárceres do Santo Ofício: diálogos e trânsitos religiosos no império luso-brasileiro (sécs. XVI-XVIII). Belo Horizonte: Fino Traço, 2013.

FERNANDES, Neusa. Inquisição em Minas Gerais No Século XVIII. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2000.

LOURENÇO, Leonardo Coutinho. Palavras que o vento leva: a parenética inquisitorial portuguesa dos Áustrias aos Braganças (1605-1673). Dissertação (Mestrado em Hist´roia), Universidade Federal Fluminense (UFF). Niterói, 2016.

NOVINSKY, Anita. Inquisição. Inventário de bens confiscados a cristãos-novos. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa das Moedas/Livraria Camões, [s./d.]. Apud FURTADO, Júnia Furtado, org., FERREIRA, GF. Erário mineral [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2002. 821 p. Mineiriana collection. Clássicos series. ISBN 85-85930-41-1. Vol. 1 e 2. Disponível em: SciELO Books Acesso em: 2 dez 2019.

NOVINSKY, Anita. Inquisição: Prisioneiros do Brasil – Séculos XVI a XIX. 2ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2009.

NOVINSKY, Anita. Viver nos tempos da Inquisição. São Paulo: Perspectiva, 2018.

OLIVAL, Fernanda. Rigor e interesses: os estatutos de limpeza de sangue em Portugal. Cadernos de Estudos Sefarditas, nº 4, 2004.

PEREIRA, Isaías da Rosa. Notas sobre a Inquisição em Portugal no século VI. Lusitania Sacra. Lisboa, 1978.

RIBEIRO, Benair Alcaraz Fernandes. Arte e Inquisição na Península Ibérica. A arte, os artistas e a Inquisição. Tese (Doutorado em História), Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, 2006.

SEVERS, Suzana Maria de Sousa Santos. Marranos e Inquisição (Bahia, século XVIII) estudo sobre uma família cristã-nova. Dissertação (Mestrado em História), Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, 2000.

SIQUEIRA, Sônia. A. A Inquisição Portuguesa e a Sociedade Colonial. São Paulo: Ática, 1978.

WALKER, Timothy D. Médicos, medicina popular e Inquisição: a repressão das curas mágicas em Portugal durante o Iluminismo. Trad. Mariana Pardal Monteiro. Editora FIOCRUZ, Imprensa de Ciências Sociais, Rio de Janeiro/Lisboa, 2013.
Publicado
2020-02-29
Visualizações
  • Artigo 218
  • PDF 100
Como Citar
Nalon, D., & Almeida, C. (2020). A trajetória dos cristãos-novos Diogo Correia do Vale e Luis Miguel Correia de Vila Real ao Auto da Fé de 6 de julho de 1732 (1670-1732). Escritas Do Tempo, 1(3), 121-135. https://doi.org/10.47694/issn.2674-7758.v1.i3.20192020.121135