Entre batuques e bandeiras de luta: a juventude alagoana nos terreiros de axé

Palavras-chave: História Social das Religiões; Juventude de Terreiro; Movimentos Sociais.

Resumo

Este artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa desenvolvida no campo da História Social das religiões que, de forma crítica, analisa a importância das manifestações de caráter político, religioso e cultural a partir da Juventude de Terreiro de Alagoas chamada “Àbúró N’ilê- RJT/AL”. O movimento Juventude de Terreiro é um espaço criado no ano de 2014, para articular os jovens que se identificam como adeptos das religiões de matriz africana. A hipótese desta abordagem, surge da necessidade de romper com os silêncios que marginalizaram as experiências religiosas desses sujeitos ao longo do tempo.  Neste sentido, analisamos a formação e atuação política destes jovens utilizando relatos, documentos, fotografias e fontes digitais para historicizar as memórias e narrativas (individuais e coletivas) dessas comunidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ellen Cirilo Santos, UFAL
Graduada em Licenciatura Plena de História pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL) - Campus do Sertão. Mestranda em História Social pelo Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal de Alagoas (UFAL) – Campus A. C. Simões. Bolsista financiada pela CAPES. Colaboradora e formadora no Equipamento Cultural da UFAL Grupo de Cultura Negra do Sertão Abí Axé Egbé. Desenvolve pesquisas nos seguintes temas: História e Cultura Afro-brasileira, História Social das Religiões e Religiosidades Afro- brasileiras. E-mail: ellencirilo.s@hotmail.com.
Gustavo Manoel da Silva Gomes, UFAL
Licenciado em História pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Especialista em História e Cultura Afro-Brasileira pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP). Mestre em História Social da Cultura Regional (UFRPE). Doutorando em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Alagoas (PPGE-UFAL). Professor Assistente do curso de Licenciatura em História da Universidade Federal de Alagoas (UFAL-Campus do Sertão). Diretor do Equipamento Cultural da UFAL Grupo de Cultura Negra do Sertão Abí Axé Egbé. Realiza, orienta e publica pesquisas nas áreas de Ensino de História; Movimentos Sociais Negros e Cultura Afro-Brasileira. E-mail: prof.gustavogomes@hotmail.com. 

Referências

ABRAMO, Helena Wendel. O uso das noções de adolescência e juventude no contexto brasileiro. In: FREITAS, Maria Virgínia de (Org.). Juventude e adolescência no Brasil: referências conceituais. São Paulo: Ação Educativa, 2005.

DIAS, Gabriela Torres. Os intelectuais alagoanos e o Quebra de Xangô de 1912: uma história de silêncios (1930-1950). Maceió: EDUFAL, 2019.

DUARTE, Abelardo. O folclore Negro das Alagoas: áreas da cana-de-açúcar, pesquisa e interpretação. 2ª. Ed. Maceió: EDUFAL, 2010.

ELIAS, Norbert; SCOTSON, John L. Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e mudança social. Tradução de Izabel Magalhães. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2001.

FERNANDES, Gonçalves. Xangôs do Nordeste: investigações sobre os cultos negro-fetichistas do Recife. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1937.

FREITAS, Ricardo Oliveira de. Jovens de Axé: construção de (auto)imagens, estética afro e identidade religiosa. Revista Antropolítica, Niterói, v. 01, n. 40, 2016.

FRY, Peter. A persistência da raça: ensaios antropológicos sobre o Brasil e a África austral. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

GOHN, Maria da Glória. Novas teorias dos movimentos sociais. 4. ed. São Paulo: Loyola, 2012.

GOMES, Nilma L. Cultura negra e educação. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 23, 2003.

GOMES, Gustavo Manoel da Silva. A Cultura Afro-Brasileira como Discursividade: histórias e poderes de um conceito. 2013. Dissertação (Mestrado em História Social da Cultura Regional) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife-PE.

JODELET, Denise. Representações sociais: um domínio em expansão. In: ______. (Org.). As Representações sociais. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2002.

MARPIN, Ábia. Luzes para uma face no escuro: A emergência de uma rede de valorização da expressividade afro-alagoana. Maceió: Fapeal: Imprensa Oficial Graciliano Ramos, 2018.

MOITA Lopes, Luiz Paulo. Identidades fragmentadas: a construção discursiva de raça, gênero e sexualidade em sala de aula. Campinas: Mercado de Letras, 2002.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil. Identidade nacional versus identidade negra. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

ORTIZ, Renato. Anotações sobre religião e globalização. In. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 16, n. 47, p.59-74, 2001.

POLLAK, Michael. Memória e Identidade Social. Estudos históricos, Rio de Janeiro, v. 05, n. 10, 1992.

QUEIROZ, Martha Rosa Figueira. Onde cultura é política: movimento negro, afoxés e maracatus no carnaval do Recife (1979-1995). Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade de Brasília, Brasília, 2010.

RAFAEL, Ulisses Neves. Xangô Rezado Baixo: religião e política na primeira república. São Cristóvão: Editora da UFS; Maceió: EDUFAL, 2012.

RAMOS, Arthur. O Negro Brasileiro. Rio de Janeiro: Graphia Editorial, 1988.

RODRIGUES, Nina. O Animismo Fetichista dos Negros Baianos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1935.

SANTOS, Ellen Cirilo. “Àbúrò N’ilê” Rede de Juventude de Terreiro de Alagoas: a formação histórica da juventude de terreiro alagoana (2014/2015). 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em História) – Universidade Federal de Alagoas, Delmiro Gouveia-AL.

SANTOS, Irinéia Maria Franco dos. O axé nunca se quebra: transformações históricas em religiões afro-brasileiras, São Paulo e Maceió (1970-2000). Maceió: EDUFAL, 2014.

______. A caverna do diabo e outras histórias: ensaios de História Social das Religiões (Alagoas, Séculos XIX e XX). Maceió: EDUFAL, 2016.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Sobre o autoritarismo brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

SILVA, Eliane Moura da. Entre religião, cultura e história: a escola italiana das religiões. Revista de Ciências Humanas, Viçosa, v. 11, n. 02, 2011.

THOMPSON, E. P. A miséria da teoria ou um planetário de erros: uma crítica ao pensamento de Althusser. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.
Publicado
2020-02-29
Visualizações
  • Artigo 140
  • PDF 90
Como Citar
Santos, E., & da Silva Gomes, G. (2020). Entre batuques e bandeiras de luta: a juventude alagoana nos terreiros de axé. Escritas Do Tempo, 1(3), 201-225. https://doi.org/10.47694/issn.2674-7758.v1.i3.20192020.201225