O colégio Santa Rosa na dinâmica da "Educação-Pacificação" dos "Selvagens" do Araguaia paraense, a partir da revista Cayapós e Carajás/Memória Dominicana (1902-1952)

Palavras-chave: Colégio Santa Rosa. História da Educação. Araguaia Paraense.

Resumo

No presente artigo foi realizada uma investigação a respeito do Colégio Santa Rosa, sua fundação e o perfil dos seus estudantes. O surgimento de tal instituição foi articulado por padres dominicanos do Araguaia Paraense, se tornando um marco educacional na fronteira do Araguaia Paraense, que atendia crianças indígenas de variados grupos étnicos, moradores do imenso território de Conceição do Araguaia. Utilizou-se como fonte a narrativa constituinte da revista Cayapós e Carajás/Memória dominicana, além de corpus documentais produzidos pelos missionários entre os anos de 1902 a 1952. O resultado da criação dessa escola foi a articulação de uma educação de perfil elementar para formar cidadãos cristãos. Todavia, se objetivou uma adequação do comportamento dos indígenas ao padrão cultural ocidental, o que ajudou na promoção da “pacificação”, na evacuação e na extinção de grupos indígenas araguaianos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Milton Pereira Lima, SEDUC/ PA e SEMEC/Redenção, FIC/PA
Mestre em Dinâmica Territorial e Sociedade na Amazônia - PDTSA - UNIFESSPA (2019). Graduado e Licenciado em História pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (2008). Graduado e licenciatura plena em pedagogia pela Universidade do Estado do Pará (UEPA) (2000). Especialização em História econômica do Brasil pela Faculdade Integradas de Ampara, (FIA), (2002). Atua como professor: SEDUC/ PA e SEMEC/Redenção, FIC/PA. É filiado ao Grupo de Pesquisa Territórios Indigenas e Etno-envolvemento. Campos de interesse profissional: Cultura, poética, história, antropologia da saúde-doença, sociologia Organizacional, migração, formação de professores e formação do 'Araguaia paraense', Sul do Pará.

Referências

ALMEIDA, Vasni (org.). História da educação e método de aprendizagem em ensino de história. Palmas/TO: EDUFT, 2018. 391 p.
BRESSANIN, César Evangelista Fernandes; ALMEIDA, Maria Zeneide Carneiro Magalhães. EDUCAÇÃO E MISSÃO EM ESPAÇOS DA AMAZÔNIA: EXPERIÊNCIAS DA CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS DOMINICANAS DE MONTEILS. Revista Humanidades e Inovação v.7, n.15 – 2020.
BRESSANIN, César Evangelista Fernandes. HISTÓRIA DO CONCEITO DE EDUCAÇÃO DOMINICANA. RCE, v.3, 2018 ISSN 2526-4257 e019006.
CAMARGO, Kenia G. F. Educação católica e presença dominicana em Goiás (GO): a cultura escolar do colégio Sant’Anna (1940-1960). Dissertação (mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Unidade Universitária de Paranaíba. Paranaíba, MS: UEMS, 2014.
COLARES, Anselmo Alencar. HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NA AMAZÔNIA. Questões de Natureza Teórico-metodológicas: Críticas e Proposições Revista HISTEDBR On-line, Campinas, número especial, p. 187-202, out/2011.
CRUZ, Thiago Silva da. A produção do espaço urbano na Amazônia: A Influência da igreja católica na formação sócio-espacial do município de Conceição do Araguaia – PA. GeoAmazônia2(4), pp. 122-145, 2014.
GALLAIS, Estevão M. Entre os índios do Araguaya. Tradução: Octaviano Esselin. São Paulo: Escola Tipográfica Salesiana, 1903. 55 p.
GALLAIS, Estevão Maria, O.P. O apóstolo do Araguaia: Frei Gil Vilanova missionário dominicano. Prelazia de Conceição do Araguaia, 1954.
IANNI, Otávio. A Luta pela terra: história social da terra e da luta pela terra numa área da Amazônia. V. 8. Petrópolis: Editora Vozes, 1978.
LIMA, Milton Pereira. O DISCURSO DOS MISSIONÁRIOS DOMINICANOS SOBRE OS INDÍGENAS DO ARAGUAIA NA REVISTA CAYAPÓS E CARAJÁS. 2019. 172 f. Dissertação (Mestrado em Dinâmica Territorial e Sociedade na Amazônia, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará, Marabá, Pará, 2019.
LUZ, Isaú Coelho. Memórias Araguianas entre Becos, Barrocas, Areões e Banzeiros. Goiânia: Kelps, 2018.
MELO. Geovana F. Por trás dos muros escolares: luzes e sombras na educação feminina. Colégio Nossa Senhora das Dores – Uberaba (1940-1966). Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia, 2002.
MOREIRA NETO, Carlos A. A Cultura Pastoril do Pau d’ Arco. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. INPA, CNPq, n. 10, março, 1960.
OLIVEIRA, Maria de F. Entre o sertão e o litoral: cultura e cotidiano em Porto Nacional 1880/1910. Anápolis: Universidade Estadual de Goiás, 2010.
PEREIRA, Airton dos Reis. Do posseiro ao sem-terra: A luta pela terra no Sul e Sudeste do Pará. Editora UFPE, Recife, 2015
PRELAZIA DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA. [Relatório] 1896-1933 Missão Dominicana. Arquivo da província Dominicana Frei Bartolomeu de Las Casas, Seção Histórica, [S.D.].
PRELAZIA DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA. [Revista Caiapó e Carajá] 1922-1933. Arquivo da província Dominicana Frei Bartolomeu de Las Casas, Seção Histórica, [S.D.].
SANTOS, Thamires. REDENÇÃO: uma cidade média do agronegócio na Amazônia? 2020. 118 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável) - Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, Universidade Federal do Pará, Belém, 2020.
SOUZA, Dayane Olivério de. Saberes matemáticos empíricos de pescadores da colônia Z-39 de Conceição do Araguaia – PA. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Seropédica, RJ, 2017.
Publicado
2021-04-30
Visualizações
  • Artigo 106
  • PDF 43
Como Citar
Lima, M. (2021). O colégio Santa Rosa na dinâmica da "Educação-Pacificação" dos "Selvagens" do Araguaia paraense, a partir da revista Cayapós e Carajás/Memória Dominicana (1902-1952). Escritas Do Tempo, 3(7), 47-63. https://doi.org/10.47694/issn.2674-7758.v3.i7.2021.4763
Seção
v. 3 n. 7 (2021) - Dossiê Temático Amazônia, fronteiras e diversidades