Contribuições sobre fugas escravas e formação de quilombos na confluência dos rios Araguaia e Tocantins (Marabá, séculos XVIII-XIX)

Palavras-chave: História; Marabá; Quilombos; Araguaia-Tocantins

Resumo

O presente texto discute problemáticas ligadas à falta de um maior número de estudos historiográficos sobre a agência e a resistência escrava na região de confluência dos rios Araguaia e Tocantins (que abriga a cidade de Marabá), no Sudeste paraense, entre meados do século XVIII e no século XIX. Procura-se analisar os focos de encontros e presenças escravas a partir de ações estabelecidas por negros e negras nas florestas e nos rios amazônicos levando em consideração os vários contextos da escravidão nas províncias do Maranhão, Grão-Pará e Goiás.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Clara Sales Carneiro Sampaio, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará
Graduada em Direito pela PUC-SP (2001-05) e em História pela USP (2002-06), realizou as pesquisas de mestrado (2206-09) e de doutorado (2009-14) no Programa de Pós Graduação em História Social da USP. Com o apoio Fapesp, desenvolveu parte do doutorado na Yale University (2010-11), na qualidade de Visiting Assistant in Research. Atualmente, é docente da área de História da América e vice-diretora da Faculdade de História da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (FADIR-ICH-UNIFESSPA). Ministra disciplinas nas áreas de História das Américas, História do Brasil e História do Direito (na Faculdade de Direito - FADIR). Tem experiência de pesquisa em Arquivos Nacionais e Internacionais, em especial nos Estados Unidos, Reino Unidos e alguns países da América Latina. Os temas de principal interesse no momento estão relacionados à Escravidão e Abolição, Diversidade e Tolerância, Relações de Trabalho e Migrações, Relações Raciais e de Gênero.
Marta Lima Alves, Unifesspa
Mestranda em História pelo PPGHIST-UNIFESSPA, graduada em História pela UNIFESSPA. Possui especialização em Ensino de História. Atualmente cursa Sociologia pela UNIASSELVI.

Referências

ALBUQUERQUE JUNIOR, Durval Muniz. Fazer defeitos na memória: para que servem o ensino e a escrita da História?. In: GONÇALVES, Marcia de Almeida, ROCHA, Helenice; REZNIK, Luis; e MONTEIRO, Ana Maria. (Orgs.). Qual o valor da História hoje?. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2012.
ALMEIDA, José Jonas. Do extrativismo à domesticação: as possibilidades da castanha-do-pará. Tese (Doutorado em História Econômica), Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 2014.
ALMEIDA, Maria da Conceição Pinheiro de. Os “Novos quilombos”: estudo histórico sobre o processo de identidade das comunidades remanescentes de quilombos da Baixada e do Litoral norte do Estado do Maranhão. In: XXV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA: HISTÓRIA E ÉTICA, 25. 2009, Fortaleza. Anais [...]. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2009, p. 1-7. Disponível em: https://anpuh.org.br/uploads/anais-simposios/pdf/2019-01/1548772190_4977e8545f70e5dfab2294d0eb702d6b.pdf . Acesso em 20 dez. 2020.
ALVES, Marta Lima. A representação dos índios nos livros didáticos do ensino fundamental (2014-2017). 2018, Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em História), Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará, Marabá, 2018.
ASSUNÇÃO, Matthias Röhrig. Quilombos no Maranhão: um fenômeno endêmico. In: REIS, João José e GOMES, Flávio dos Santos. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. 2ª Reimpressão. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.
ASSUNÇÃO, Matthias Röhrig. De caboclos a bem-te-vis: formação do campesinato numa sociedade escravista: Maranhão, 1800 – 1850. São Paulo: Annablume, 2015.
CARDOSO, Antonio Alexandre Isídio. O Eldorado dos Deserdados: Indígenas, escravos, migrantes, regatões e o avanço rumo ao oeste amazônico no século XIX. Tese (Doutorado em Historia Social). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.
CONCEIÇÃO, Domingos. Movimento negro em Belém: ação coletiva de combate ao racismo e defesa de negras e negros. Dissertação (Mestrado em Serviço Social), Universidade Federal do Pará, Belém, 2017.
DOLES, Dalísia E. M. As comunicações fluviais pelo Tocantins e Araguaia no século XIX. Goiânia: Oriente, 1973.
DOMINGUES, Petrônio José. Movimento negro brasileiro: alguns apontamentos históricos. Tempo, Niterói, v. 12, n. 23, p, 100-122, 2007.
FUNES, Eurípides A. Nasci nas matas, nunca tive senhor: História e memória dos mocambos do Baixo Amazonas. Tese (Doutorado em Historia Social), Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995.
GOMES, Arilson dos Santos. Migrações, populações negras e representações em Marabá, Sudeste do Pará (1913-1983). Saeculum, João Pessoa, v. 40, n. 40, p. 196-215, 2019.
GOMES, Flávio dos Santos. Em torno dos Bumerangues: Outras Histórias de Mocambos na Amazônia Colonial. Revista USP, São Paulo, n. 28, p. 40-55, dez.-fev.,1995-1996.
GOMES, Flavio dos Santos. Quilombos e Mocambos no Brasil (Sécs. XVII-XIX). Tese (Doutorado em História). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 1997.
GOMES, Flávio dos Santos. "No Labirinto dos rios, furos e igarapés": camponeses negros, memória e pós-emancipação na Amazônia, c. XIX-XX. História Unisinos, São Leopoldo, v. 10, n. 6, p. 281-292, 2006.
GOMES, Flávio dos Santos. Indigenas, Africanos y comunidades de fugitivos en la Amazonia Colonial. Historia y Espacio, Cali. v. 6, n. 34, p. 201-228, 2010.
GOMES, Flávio dos Santos e Daniela Yabeta. “Com muita e Diferente Gente” – entre experiências e territórios numa mesma floresta: revisitando a memória histórica dos mocambos de índios e as nomenclaturas coloniais na Amazônia, século XVIII. Canôa do Tempo. Manaus, v.5/6, n. 1, p. 53-74, jan.- dez., 2011-2012.
HARRIS, Mark. Rebellion on the Amazon: the Cabanagem, race, and popular culure in the north of Brazil, 1798-1840. Cambridge: Cambridge University Press, 2010.
KARASCH, Mary. Os quilombos do ouro na capitania de Goiás. In: REIS, João José e GOMES, Flávio dos Santos. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. 2ª Reimpressão. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.
KARASCH, Mary. Central Africans in Central Brazil, 1780-1835. In: HEYWOOD, Linda M. (orgs.). Central Africans and cultural transformations in the American diaspora. Cambridge: Cambridge University Press, 2002. p. 117-153.
KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo quotidiano. Lisboa: Orfeu Negro, 2019.
JESUS, Matheus Gato. Racismo e Decadência: Sociedade, Cultura e Intelectuais em São Luís do Maranhão. Tese (Doutorado e Sociologia). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.
LOBATO, Mateus Monteiro e EMMI, Marília Ferreira. Migração na fronteira: um encontro de trajetórias sociais em Marabá-Pará. Caminhos de Geografia, Uberlândia v. 15, p. 20-36, 2014.
LOIOLA, Maria L. Trajetórias para a liberdade: escravos e libertos na Capitania de Goiás. Goiânia: Editora da Universidade Federal de Goiás, 2009.

LOPES, Ionete Morais. Dinâmicas culturais no Sudeste Paraense: um estudo de narrativas orais de migrantes castanheiros. Dissertação (Mestrado em Estudos Literários). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.

LOPES, Rita de Cássia Domingues. Identidade e territorialidade na comunidade remanescente de quilombo Ilha de São Vicente na região do Bico do Papagaio. Tese (Doutorado em Antropologia). Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2019.

OLIVEIRA LOPES, Maria Aparecida de. Experiências Históricas dos Quilombos no Tocantins: organização, resistência e identidades. Patrimônio e Memória, Assis, v. 5, n. 1, p 99-118, out., 2009.
OLIVEIRA, Eric de Belém. Cabelo Seco: no encontro dos rios, encontros de memórias. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Sociais), Universidade Federal do Pará, Marabá, 2008.

PALACÍN, Luiz; MORAES, Maria Augusta Sant’Anna. História de Goiás. 5ª ed. Goiânia: Editora da Universidade Federal de Goiás, 1989.

PALACÍN, Luís. O século do ouro em Goiás. 4a ed. Goiânia: Editora da Universidade Católica de Goiás, 1994.

PASTERNOSTRO. Viagem ao Tocantins. Edição Ilustrada. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1945.

REIS, Airton Pereira dos. A luta pela terra no Sul e Sudeste do Pará: migrações, conflitos e violências no campo. Tese (Doutorado em História) - Programa de Pós Graduação em História em História, Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2013.

RIBEIRO, Francisco de Paula. Roteiro da Viagem que fez o Capitão Francisco de Paula Ribeiro às fronteiras da Capitania do Maranhão e da de Goyaz no anno de 1815 em serviço de S. M. Fidelíssima. Jornal do Instituto Histórico Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, Tomo X, p. 5-80, 1º Trimestre de 1848.

RICCI, Magda. Cabanagem, cidadania e identidade revolucionária: o problema do patriotismo na Amazônia entre 1835-1840. Tempo, Niterói, v. 11, n. 22, p.5-30, 2007.

RODRIGUES, Jovenildo Cardoso. Marabá: centralidade urbana de uma cidade média paraense. Dissertação (Mestrado em Planejamento do Desenvolvimento), Universidade Federal do Pará, Belém, 2010.

SALLES, Vicente. O negro no Pará sob o regime da escravidão. Rio de Janeiro/Belém do Pará: Fundação Getúlio Vargas, 1971.

SALLES. Gilka Vasconcelos Ferreira de. Economia e escravidão na Capitania de Goiás. Goiânia: Editora da Universidade Federal de Goiás, 1992.

SAMPAIO, Patrícia Melo. Nas Teias da Fortuna: acumulação mercantil em Manaus, século XIX. Mneme (Revista de Humanidades), Caicó, v. 3, n. 6, p. 49-70, out.-nov., 2002.

SAMPAIO, Patrícia Melo. O fim do silêncio: presença negra na Amazônia. Belém: Açaí, 2011.

SCHWARCZ, Lília Moritz e GOMES, Flávio dos Santos. Amazônia Escravista. In: Dicionário da Escravidão e da Liberdade: 50 textos críticos. São Paulo. 2018.

SILVA, Idelma. Santiago da. A migração como mito fundador e outras metáforas: narrativas da colonização no sudeste do Pará. Escritas, Araguaína, v. 2, p. 59-74, 2010.
SILVA, Idelma. Satiago da. Fronteira Cultural: A alteridade maranhense no sudeste do Pará (1970-2008). Tese (Doutorado em História), Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2010.

SILVA, Idelma. Satiago da. Migração e Cultura no Sudeste do Pará: Marabá (1968-1988). Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal de Goiás. Goiânia, 2006.

SPIVAK, Gayatri C. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora da Universidade Federal de Minas Gerais, 2010.

VELHO, Otávio Guilherme. Marabá da castanha e do diamante. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2009.
Publicado
2021-04-30
Visualizações
  • Artigo 58
  • PDF 36
Como Citar
Sales Carneiro Sampaio, M. C., & Alves, M. (2021). Contribuições sobre fugas escravas e formação de quilombos na confluência dos rios Araguaia e Tocantins (Marabá, séculos XVIII-XIX). Escritas Do Tempo, 3(7), 29-46. https://doi.org/10.47694/issn.2674-7758.v3.i7.2021.2946
Seção
v. 3 n. 7 (2021) - Dossiê Temático Amazônia, fronteiras e diversidades