Vozes da Amazônia na trilha de Spix e Martius

Palavras-chave: Viagens Viagens e explorações científicas, Amazônia, Spix e Martius

Resumo

Por ocasião do bicentenário da viagem dos naturalistas alemães Spix e Martius pela Amazônia, os dois autores deste artigo, juntamente com dois cineastas, refizeram em 2019 o percurso daquela expedição. O principal objetivo foi estudar as continuidades e as mudanças ocorridas ao longo desses 200 anos. A viagem foi registrada num filme documentário do qual constam ao todo 23 entrevistas com habitantes da região: homens e mulheres, de todas as idades e representando uma ampla gama de profissões. São falas de trabalhadores braçais, um barqueiro, um colhedor e uma vendedora de produtos da selva, coordenadores de comunidades ribeirinhas, lideranças indígenas, narradores populares, professores, alunos, representantes de instituições culturais, gerentes de empresas e pesquisadores de várias disciplinas científicas. A apresentação deste conjunto de vozes de habitantes da Amazônia é feita com o objetivo de transmitir um quadro vivo daquelas diversas atividades e dos saberes locais, e com isso, despertar um maior interesse para se conhecer a Amazônia e estimular a reflexão sobre os principais problemas dessa região nos dias atuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Willi Bolle, Universidade de São Paulo
É professor titular sênior de Literatura na Universidade de São Paulo. Fez o doutorado em Literatura Brasileira (na Universidade de Bochum/Alemanha) com uma tese sobre a técnica narrativa de Guimarães Rosa, e a livre-docência em Literatura Alemã (na USP) com uma tese sobre Walter Benjamin e a cultura da República de Weimar. Foi professor visitante na Stanford University, Freie Universität Berlin, no Núcleo de Altos Estudos Amazônicos (NAEA/UFPA-Belém), na UFPE (Recife) e na Unicamp.
Eckhard E. Kupfer, Instituto Martius Staden
Diretor do Instituto Martius-Staden (São Paulo), de 2005 a 2019.

Referências

AMARAL, José Ribeiro do. Fundação de Belém do Pará: jornada de Francisco Caldeira de Castelo Branco, em 1616. Brasília: Edições do Senado Federal, 2004 [1ª ed. 1916].
BARROS, Eloísa Amorim de; SILVA JR., Augusto Rodrigues da. “Raizamas do Brasil: benzeções amazônidas no oeste do Pará”. Martius-Staden-Jahrbuch, n. 63 (2020), p. 176-188.
BOLLE, Willi. Boca do Amazonas: sociedade e cultura em Dalcídio Jurandir, São Paulo: Edições do SESC, 2020.
CASTRO, Edna; MOURA, Edila; SÁ MAIA, Maria Lúcia (orgs.). Industrialização e Grandes Projetos: desorganização e reorganização do espaço. Belém: EdUFPA, 1995.
DI PAOLO, Pasquale. Cabanagem: a revolução popular da Amazônia. 3ª ed. Belém: CEJUP, 1990.
FIGUEIREDO, Aguinaldo Nascimento. História do Amazonas. Manaus: Ed. Valer, 2011.
HUMBOLDT, Alexander von. Relation historique du Voyage aux Régions équinoxiales du Nouveau Continent. 3 vols. Ed. org. por Hanno Beck. Stuttgart: Brockhaus, 1980 [Reimpressão da edição original de 1814-1825].
JURANDIR, Dalcídio. Belém do Grão-Pará. 4ª ed. Belém: Marques, 2016.
KOCH-GRÜNBERG, Theodor. Dois anos entre os indígenas: viagens ao noroeste do Brasil (1903/1905). Manaus: EdUA; FSDB, 2005.
KUPFER, Eckhard E. “Amazônia: do cacau à borracha, da borracha à alta tecnologia”, in: BOLLE, Willi; CASTRO, Edna; VEJMELKA, Marcel (orgs.). Amazônia: região universal e teatro do mundo. São Paulo: Globo, 2010, p. 185-205.
MELO, Regina. Ykamiabas: filhas da Lua, mulheres da Terra. Manaus: Ed. Travessia, 2006.
MONTEIRO, Mário Ypiranga. Teatro Amazonas. Manaus: Ed. Valer; Governo do Estado do Amazonas, 2ª ed., 2003.
MOURA, Carlos Eugênio Marcondes de. O teatro que o povo cria. Belém: Secult, 1997.
NIMUENDAJÚ, Curt. The Tukuna. Ed. org. por Robert Lowie. Berkeley: University of California Press, 1952.
REIS, Arthur Cezar Ferreira. História de Óbidos. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 2ª ed. 1979.
SANJAD, Nelson. A Coruja de Minerva: o Museu Paraense entre o Império e a República (1866-1907). Brasília: Instituto Brasileiro de Museus; Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi; Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, 2010.
SARGES, Maria de Nazaré. Belém: riquezas produzindo a Belle Époque. 3ª ed. Belém: Paka Tatu, 2010.
SOUZA, Márcio. História da Amazônia. Manaus: Valer, 2009.
SPIX, Joh. Bapt. von; MARTIUS, Carl Friedr. Phil. von. Reise in Brasilien in den Jahren 1817 - 1820. 3 vols. Ed. org. por Karl Mägdefrau. Stuttgart: Brockhaus, 1980 [Reimpressão da edição original de 1823-1831].
_____. “Atlas” ou Tafelband [ = vol. IV de Reise in Brasilien in den Jahren 1817 – 1820]. Ed. org. por Karl Mägdefrau. Stuttgart, Brockhaus, 1967 [Com tradução para o português, revisada por Helmut Sick].
_____. Viagem pelo Brasil, 1817-1820. 3 vols. Tradução: Lúcia Furquim Lahmeyer. Brasília: Edições do Senado Federal, 2017.
STEINEN, Karl von den. Entre os aborígenes do Brasil Central. São Paulo: Departamento de Cultura, 1940.
TORRES, Maurício (org.). Amazônia revelada: Os descaminhos ao longo da BR-163. Brasília: CNPq, 2005.
WOLFF, Stefan. “O projeto ATTO no coração da Amazônia: a história, a importância para a pesquisa e um olhar para o futuro”. Martius-Staden-Jahrbuch, n. 63 (2020), p. 57-72.

Documento eletrônico
Filme documentário “Refazendo a viagem de Spix e Martius pela Amazônia” (48 min.): https://youtu.be/_eqyjKfd3z0. Acesso em 08/04/2021.
Publicado
2021-08-27
Visualizações
  • Artigo 69
  • PDF 53
Como Citar
Bolle, W., & Kupfer, E. (2021). Vozes da Amazônia na trilha de Spix e Martius. Escritas Do Tempo, 3(8), 146-161. https://doi.org/10.47694/issn.2674-7758.v3.i8.2021.146161
Seção
v. 3 n. 8 (2021) - Dossiê: História e Literatura: aproximações e diferenças