Diálogos entre a História da Educação e Literatura: a escola normal no romance "A Normalista", de Adolfo Caminha (1893)

Palavras-chave: História da Educação. História e Literatura. Escola Normal.

Resumo

O presente ensaio teórico de abordagem qualitativa e naturezas bibliográfica e documental tem como objetivo analisar e compreender as configurações da escola normal e os indícios relativos à educação no final do século XIX, a partir das representações realizadas pelo escritor cearense Adolfo Caminha no romance A Normalista, de 1893. Para tanto, oferece-se um panorama teórico sobre os diálogos entre história e literatura, bem como sobre a instituição das escolas normais no período final do Império até os primeiros anos da República, recorte temporal pregresso e coevo a época de publicação da obra. Posteriormente, faz-se uma análise à luz da literatura especializada a partir de alguns excertos do livro. Ao fim, indica-se um horizonte de possibilidades para a escrita e para a construção do pensamento historiográfico na educação, realizado com a interseção entre a história e a literatura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caio Corrêa Derossi, Universidade Federal de Viçosa
Mestrando (2019) pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Viçosa (UFV), na Linha de pesquisa 1: Educação Pública: Sujeitos e Práticas. Graduado (2018) em Licenciatura em História pela Universidade Federal de Viçosa. Aluno-pesquisador e bolsista de pré-iniciação científica pelo projeto Jovens Talentos para a Ciência da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ), no Centro de Vocação Tecnológica (CVT), da Fundação de Apoio à Escola Técnica do Estado do Rio de Janeiro (FAETEC), entre os anos de 2013-2014. 
Joana D'Arc Germano Hollerbach, Universidade Federal de Viçosa
Possui graduação em Administração pela Faculdade de Administração de Governador Valadares (1986), Licenciatura em História pela Universidade Vale do Rio Doce (2003), Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (2007) e Doutorado em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (2016). Atualmente é professora do magistério superior, Adjunto III, da Universidade Federal de Viçosa. 

Referências

ABUD, Katia Maria; SILVA, André Chaves de Melo; ALVES, Ronaldo Cardoso. Ensino de História. 1a. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

ARAÚJO, Helena de Lima Marinho Rodrigues. A tradicional Escola Normal cearense chega ao bairro de Fátima: formação das primeiras professoras primárias (1958 – 1960). Doutorado em EDUCAÇÃO Instituição de Ensino: UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ, Fortaleza. 307 p. 2014.

BATISTA, Eliana Evangelista. A Normalista como interseção: escola, literatura, imprensa e estratégias políticas no estado novo (Alagoinhas / 1937-1945). Dissertação (Mestrado em História Regional e Local). Universidade do Estado da Bahia, Salvador. 159 p. 2012.

BORGES, Valdeci Rezende. História e Literatura: Algumas Considerações. Goiás: Revista de Teoria da História, Ano 1, n. 3, junho/ 2010.

BRASIL. Decreto n. 7.247, de 19 de abril de 1879. Reforma o ensino primário e secundário no Município da Corte e o superior em todo o Império. Coleção das leis do Império do Brasil, Rio de Janeiro, v. 1, parte 2, p. 196-216, 1880.
BRASIL. Decreto n. 8.025, de 16 de março de 1881. Manda executar o novo Regulamento para a Escola Normal do Município da Corte. Coleção das leis do Império do Brasil, Rio de Janeiro, v. 1, parte 2, p. 189, 1881.
BRASIL. Decreto n. 10.060, de 13 de outubro de 1888. Dá novo Regulamento à Escola Normal. Coleção das leis do Império do Brasil, Rio de Janeiro, v. 2, parte 2, p. 343, 1888.
BRASIL. Decreto n. 346, de 19 de abril de 1890. Cria a Secretaria de Estado dos Negócios da Instrução Pública, Correios e Telégrafos. Decretos do Governo Provisório da República dos Estados Unidos do Brasil, Rio de Janeiro, v. 1, quarto fascículo, p. 641-642, 1890.
BRASIL. Decreto n. 982, de 8 de novembro de 1890. Altera o Regulamento da Escola Normal da Capital Federal. Coleção das leis da República dos Estados Unidos do Brasil, Rio de Janeiro, décimo primeiro fascículo, p. 3513, 1890.
BRASIL. Lei n. 85, de 20 de setembro de 1892. Estabelece a organização municipal do Distrito Federal. Coleção das leis da República dos Estados Unidos do Brasil, Rio de Janeiro, parte 1, p. 84-96, 1893.
BURKE, Peter. A história dos acontecimentos e o renascimento da narrativa. In: BURKE, Peter (org.) A escrita da História: novas perspectivas. São Paulo: Unesp, 1992.

CAMINHA, Adolfo. A Normalista. Fonte digital: www.bn.br, 2001. Disponível em: http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/normalista.pdf . Acessado em dezembro de 2020.

CÂNDIDO, Antônio; CASTELLO, Aderaldo. Presença da literatura brasileira. 5. ed. São Paulo: Difusão Europeia do livro, 1974.
CHALHOUB, Sidney. Cidade Febril: cortiços e epidemias na corte imperial. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.


CHARTIER, Roger. A ordem dos livros: Leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII. Trad. Mary Del Priore. Brasília: Editora da UnB, 1994

CHARTIER, Roger. A história ou a leitura do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

COUTINHO, Afrânio. A literatura no Brasil. Parte II / Estilos de época. 7° ver. ed. Atual. – São Paulo: Global, 2004.

DARNTON, Robert. História da leitura. In: BURKE, Peter. A escrita da História: Novas Perspectivas. SP: Ed. Da UNESP, 1992, p. 199 – 232.

FARIA FILHO, Luciano Mendes. Instrução elementar no século XIX. In: LOPES, Eliane Marta Teixeira; FARIA FILHO, Luciano Mendes e VEIGA, Cynthia Greive. 500 anos de educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2000, p. 497-518.
IGLESIAS, Francisco. Política econômica do governo provincial mineiro (1835-1889). Rio de Janeiro: MEC; INL, 1958.
KULESZA, Wojciech Andrzej. A institucionalização da Escola Normal no Brasil (1870-1910). Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília: Inep. v. 79, n. 193, p. 63-71, set./dez. 1998.
MEN, Liliana; NEVES, Fátima Maria. O método pedagógico de Lancaster e a cultura escolar. In: CONGRESSO DE LEITURA NO BRASIL, 16., 2007, Unicamp, Campinas. Anais… Disponível em:. Acesso em: 10 set. 2010.
MORAIS, Nagila Maia de. Entre o mutualismo e o sindicalismo: a resistência solidária dos trabalhadores portuários de Fortaleza (1912-1933). Tese (Doutorado em História). Universidade Federal de Pernambuco, Recife. 289 p. 2017.
NASCIMENTO, Silvia Helena. Personagens Negras: Tigres, Gajeiros e Domésticos na obra de Adolfo Caminha nos fins do século XIX. Dissertação (Mestrado em História). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo. 165 p. 2000.
NOVAES, Elizabete David. Entre o público e o privado: o papel da mulher nos movimentos sociais e a conquista de direitos no decorrer da história. História e Cultura, Franca, v. 4, n. 3, p.50-66, dez. 2015. Disponível em: https://ojs.franca.unesp.br/index.php/historiaecultura/article/view/1691. Acesso em: 07 maio 2021.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. História & História Cultural. Belo Horizonte: Autêntica, 2004
PESAVENTO, Sandra Jatahy. História & literatura: uma velha-nova história, Nuevo Mundo, Mundos Nuevos, Debates, 2006. Disponível em:
http://nuevomundo.revues.org/index1560.html. Acessado em dezembro de 2020.
RIBEIRO, Luis Filipe. Geometrias do Imaginário. Santiago de Compostela: Edicións Laiovento, 2000.

SANTOS, Zeloí Aparecida Martins dos, História e Literatura: uma relação possível. Revista Científica, Curitiba, ano II, v.2, jan-dez/2007. Disponível em:
http://www.fap.pr.gov.br/arquivos/File/RevistaCientifica2/zeloidossantos.pdf. Acessado em dezembro de 2020.

SAVIANI, Dermeval. A pedagogia no Brasil: história e teoria. 2ª ed. Campinas: Autores Associados, 2012.

SEVCENKO, Nicolau. Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira República. São Paulo: Brasiliense, 2003.

SILVA, Ronaldo Antônio Pereira da. Do mestre-escola à normalista: gênese da profissão docente em Sergipe (1870-1911). Dissertação (Mestrado em Educação). Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte. 96 p. 2007.

SOUSA, Jane Bezerra de. Ser e fazer-se professora no Piauí no século XX: a história de vida de Nevinha Santos. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia. 236 p. 2009.

SOUZA, Rosa Fátima de. Templos de civilização: a implantação da escola primária graduada no estado de São Paulo (1890-1910). São Paulo: Ed. Unesp, 1998.
VICENTE, Magda de Abreu. A Escola Normal Regional Imaculada Conceição em Pelotas/RS: a atuação da igreja católica e dos poderes públicos (1955-1971). Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal de Pelotas, Pelotas. 347 p. 2018.
Publicado
2021-08-27
Visualizações
  • Artigo 54
  • PDF 46
Como Citar
Derossi, C., & Hollerbach, J. D. (2021). Diálogos entre a História da Educação e Literatura: a escola normal no romance "A Normalista", de Adolfo Caminha (1893). Escritas Do Tempo, 3(8), 162-185. https://doi.org/10.47694/issn.2674-7758.v3.i8.2021.162185
Seção
v. 3 n. 8 (2021) - Dossiê: História e Literatura: aproximações e diferenças