A escrita como patrimônio: O queijo e os vermes, de Carlo Ginzburg e sua influência na historiografia contemporânea

  • Angelo Adriano Faria de Assis Universidade Federal de Viçosa
  • Yllan de Mattos Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Carlo Ginzburg; O Queijo e os Vermes; Historiografia

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar o impacto na historiografia, tanto internacional quanto brasileira da obra O Queijo e os Vermes, do historiador italiano Carlo Ginzburg, lançada em 1976 na Itália e depois traduzida e publicada em vários países. Neste sentido, o trabalho traça uma breve apresentação da biografia e da produção historiográfica do autor, dos destacados representantes da Micro-História, e analisa as principais ideias presentes em O Queijo e os Vermes, bem como sua aceitação e críticas. Passados mais de quarenta anos de sua publicação, busca-se compreender a influência que este trabalho continua a exercer sobre os estudos produzidos por historiadores de todos o mundo.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADDANTE, Luca. ‘Hérésie radicale et libertinage. Le valdésien Giulio Basalù et Domenico Scandella dit Menocchio’. In: J.-CAVAILLÉ, P., MOLHO, A. (Orgs.). Dissidence et dissimulation, «Les dossiers du GRIHL», 2009.

ADDANTE, Luca. Eretici e libertini nel Cinquecento italiano. Bari: Laterza, 2010. ANGELI, Pietro. Gramsci, De Martino e la crise della scienza del folclore. In: BARATTA, G.; CATONE, A. (Orgs.). Antonio Gramsci e il “progresso intellettuale di massa”. Milano: Unicopli, 1995.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. 3ª ed. São Paulo: Hucitec; Brasília: EdUnb, 1996.

BERTELLI, Sergio. Rebeldes, libertinos y ortodoxos en el Barroco. Barcelona: Península, 1984 (1973).

BOUTIER, Jean & BOUTRY, Philippe. ‘L’invention historiographique’. Enquête [Enligne], 3, 1996, mis en ligne le 11 juillet 2013.

CHARTIER, Roger. Intellectual History or Sociocultural History? The French Trajectories. In: LACAPRA, Dominick; KAPLAN, Steven L. (Orgs.). Modern European Intellectual History: Reappraisals and New Perspectives. Ithaca: Cornell University

Press, 1982.

CHARTIER, Roger. Cultura popular: revisitando um conceito historiográfico. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 8, n. 16, 1985.

DEL COL, Andrea (Ed.). Domenico Scandella detto Menocchio: i processi dell’Inquisizione (1583-1599). Pordenone: Edizioni Biblioteca dell’Immagine, 1990.

DE MARTINO, Ernesto. Il mondo magico: prolegomeni a una storia del magismo. Torino: Einaudi, 1949.

DE MARTINO, Ernesto. Magia e civiltà. Milano: Garzanti, 1962.

GINZBURG, Carlo. Indagações sobre Piero: o Batismo, o Ciclo de Arezzo, a Flagelação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

GINZBURG, Carlo. Os andarilhos do bem: feitiçarias e cultos agrários nos séculos XVI e XVII. 1ª reimp. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. 1ª reimp. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

GINZBURG, Carlo. História noturna: decifrando o sabá. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

GINZBURG, Carlo. El juez y el historiador. Acotaciones al margen del caso Sofri. Madrid: Anaya & Mario Muchnik, 1993.

GINZBURG, Carlo. O queijo e os vermes: o cotidiano e as idéias de um moleiro perseguido pela Inquisição. 8ª reimp. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

GINZBURG, Carlo. A Micro-História e outros ensaios. Rio de Janeiro: Bertrand, 1989.

GINZBURG, Carlo. Olhos de madeira: nove reflexões sobre a distância. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

GINZBURG, Carlo. Relações de força: história, retórica, prova (2000). São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

GINZBURG, Carlo. Nenhuma ilha é uma ilha: quatro visões da literatura inglesa. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

GINZBURG, Carlo. Tentativas. Rosario: Prohistoria ediciones, 2004.

GINZBURG, Carlo. O fio e os rastros: verdadeiro, falso, fictício. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

GINZBURG, Carlo. Medo, reverência, terror: quatro ensaios de iconografia política. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

GRAMSCI, Antonio. Caderno dos cárceres. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

LE GOFF, Jacques; NORA, Pierre. História: novos objetos. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1976.

LE GOFF, Jacques; NORA, Pierre. História: novos problemas. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2ª edição, 1979.

LE GOFF, Jacques; NORA, Pierre. História: novas abordagens. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1988.

LEVI, Giovanni. A herança imaterial: trajetória de um exorcista no Piemonte do século XVII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

LEVINE, David; VAHED, Zubedeh. ‘Ginzburg’s Menocchio: Refutations and Conjectures’. Histoire Sociale/Social History: vol. 34, n. 68 (2001).

LIMA; Henrique Espada. A micro-história italiana: escalas, indícios e singularidades. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

REVEL, Jacques; CERTEAU, Michel de; JULIA, Dominique. A beleza do morto: o conceito de cultura popular. In: REVEL, Jacques. A invenção da sociedade. Lisboa: Difel,1989.

REVEL, Jacques. Proposições: ensaios de História e historiografia. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2009.

SCHWARTZ, Stuart. Cada um na sua lei: tolerância religiosa e salvação no mundo atlântico ibérico. São Paulo: Companhia das Letras; Bauru: EDUSC, 2009.

SOUZA, Laura de Mello e. O diabo e a Terra de Santa Cruz: feitiçaria e religiosidade popular no Brasil colonial. 3ª reimp. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SPINI, G. Noterelle libertino. Rivista storica italiana, LVIII, 1976.

VAINFAS, Ronaldo. História das mentalidades e história cultural. In: CARDOSO, Ciro Flamarion e VAINFAS, Ronaldo. Domínios da história. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

VAINFAS, Ronaldo. Micro-história: os protagonistas anônimos da História. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

VAINFAS, Ronaldo. História cultural e historiografia brasileira. História: Questões & Debates, Curitiba, n. 50, p. 217-235, jan./jun. 2009. Editora UFPR.

ZAMBELLI, Paola. Uno, due, mille Menocchio?. Archivio storico italiano, CXXXVI, 1979.

ZARDIN, Danilo. ‘La “religione popolare”: interpretazioni storiografiche e ipotesi di ricerca’. In: Memorandum, 1, 2001.

WEINSTEIN, Donald. Journal of Modern History, LXVI, 1994, p. 179.

Publicado
2019-06-30
Visualizações
  • Artigo 204
  • PDF 394
Como Citar
Faria de Assis, A., & de Mattos, Y. (2019). A escrita como patrimônio: O queijo e os vermes, de Carlo Ginzburg e sua influência na historiografia contemporânea. Escritas Do Tempo, 1(1), 49-71. Recuperado de https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/402