A escrita como patrimônio: O queijo e os vermes, de Carlo Ginzburg e sua influência na historiografia contemporânea

Palavras-chave: Carlo Ginzburg, O Queijo e os Vermes, Historiografia

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar o impacto na historiografia, tanto internacional quanto brasileira da obra O Queijo e os Vermes, do historiador italiano Carlo Ginzburg, lançada em 1976 na Itália e depois traduzida e publicada em vários países. Neste sentido, o trabalho traça uma breve apresentação da biografia e da produção historiográfica do autor, dos destacados representantes da Micro-História, e analisa as principais ideias presentes em O Queijo e os Vermes, bem como sua aceitação e críticas. Passados mais de quarenta anos de sua publicação, busca-se compreender a influência que este trabalho continua a exercer sobre os estudos produzidos por historiadores de todos o mundo.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Angelo Adriano Faria de Assis, Universidade Federal de Viçosa
Docente da Universidade Federal de Viçosa (UFV). Doutor em História pela UFF.
Yllan de Mattos, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
Professor Adjunto no Departamento de História e no Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, campus de Seropédica e Professor Colaborador no Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, campus Franca. Possui licenciatura e bacharelado em História pela Universidade Gama Filho (2004), pós-graduação (lato senso) em História Moderna pela Universidade Federal Fluminense (2006), mestrado em História Social, setor temático de História Moderna, na Universidade Federal Fluminense (2009) e doutorado em História Moderna na Universidade Federal Fluminense (2013). Tem experiência docente e de pesquisa na área de História, com ênfase em História Moderna e História do Brasil, atuando principalmente nos seguintes temas: Inquisição, Religião e Religiosidade, Clero, Justiças, Educação e Avaliação Escolar.  

Referências

ADDANTE, Luca. ‘Hérésie radicale et libertinage. Le valdésien Giulio Basalù et Domenico Scandella dit Menocchio’. In: J.-CAVAILLÉ, P., MOLHO, A. (Orgs.). Dissidence et dissimulation, «Les dossiers du GRIHL», 2009.

ADDANTE, Luca. Eretici e libertini nel Cinquecento italiano. Bari: Laterza, 2010. ANGELI, Pietro. Gramsci, De Martino e la crise della scienza del folclore. In: BARATTA, G.; CATONE, A. (Orgs.). Antonio Gramsci e il “progresso intellettuale di massa”. Milano: Unicopli, 1995.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. 3ª ed. São Paulo: Hucitec; Brasília: EdUnb, 1996.

BERTELLI, Sergio. Rebeldes, libertinos y ortodoxos en el Barroco. Barcelona: Península, 1984 (1973).

BOUTIER, Jean & BOUTRY, Philippe. ‘L’invention historiographique’. Enquête [Enligne], 3, 1996, mis en ligne le 11 juillet 2013.

CHARTIER, Roger. Intellectual History or Sociocultural History? The French Trajectories. In: LACAPRA, Dominick; KAPLAN, Steven L. (Orgs.). Modern European Intellectual History: Reappraisals and New Perspectives. Ithaca: Cornell University

Press, 1982.

CHARTIER, Roger. Cultura popular: revisitando um conceito historiográfico. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 8, n. 16, 1985.

DEL COL, Andrea (Ed.). Domenico Scandella detto Menocchio: i processi dell’Inquisizione (1583-1599). Pordenone: Edizioni Biblioteca dell’Immagine, 1990.

DE MARTINO, Ernesto. Il mondo magico: prolegomeni a una storia del magismo. Torino: Einaudi, 1949.

DE MARTINO, Ernesto. Magia e civiltà. Milano: Garzanti, 1962.

GINZBURG, Carlo. Indagações sobre Piero: o Batismo, o Ciclo de Arezzo, a Flagelação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

GINZBURG, Carlo. Os andarilhos do bem: feitiçarias e cultos agrários nos séculos XVI e XVII. 1ª reimp. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. 1ª reimp. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

GINZBURG, Carlo. História noturna: decifrando o sabá. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

GINZBURG, Carlo. El juez y el historiador. Acotaciones al margen del caso Sofri. Madrid: Anaya & Mario Muchnik, 1993.

GINZBURG, Carlo. O queijo e os vermes: o cotidiano e as idéias de um moleiro perseguido pela Inquisição. 8ª reimp. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

GINZBURG, Carlo. A Micro-História e outros ensaios. Rio de Janeiro: Bertrand, 1989.

GINZBURG, Carlo. Olhos de madeira: nove reflexões sobre a distância. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

GINZBURG, Carlo. Relações de força: história, retórica, prova (2000). São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

GINZBURG, Carlo. Nenhuma ilha é uma ilha: quatro visões da literatura inglesa. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

GINZBURG, Carlo. Tentativas. Rosario: Prohistoria ediciones, 2004.

GINZBURG, Carlo. O fio e os rastros: verdadeiro, falso, fictício. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

GINZBURG, Carlo. Medo, reverência, terror: quatro ensaios de iconografia política. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

GRAMSCI, Antonio. Caderno dos cárceres. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

LE GOFF, Jacques; NORA, Pierre. História: novos objetos. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1976.

LE GOFF, Jacques; NORA, Pierre. História: novos problemas. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2ª edição, 1979.

LE GOFF, Jacques; NORA, Pierre. História: novas abordagens. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1988.

LEVI, Giovanni. A herança imaterial: trajetória de um exorcista no Piemonte do século XVII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

LEVINE, David; VAHED, Zubedeh. ‘Ginzburg’s Menocchio: Refutations and Conjectures’. Histoire Sociale/Social History: vol. 34, n. 68 (2001).

LIMA; Henrique Espada. A micro-história italiana: escalas, indícios e singularidades. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

REVEL, Jacques; CERTEAU, Michel de; JULIA, Dominique. A beleza do morto: o conceito de cultura popular. In: REVEL, Jacques. A invenção da sociedade. Lisboa: Difel,1989.

REVEL, Jacques. Proposições: ensaios de História e historiografia. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2009.

SCHWARTZ, Stuart. Cada um na sua lei: tolerância religiosa e salvação no mundo atlântico ibérico. São Paulo: Companhia das Letras; Bauru: EDUSC, 2009.

SOUZA, Laura de Mello e. O diabo e a Terra de Santa Cruz: feitiçaria e religiosidade popular no Brasil colonial. 3ª reimp. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SPINI, G. Noterelle libertino. Rivista storica italiana, LVIII, 1976.

VAINFAS, Ronaldo. História das mentalidades e história cultural. In: CARDOSO, Ciro Flamarion e VAINFAS, Ronaldo. Domínios da história. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

VAINFAS, Ronaldo. Micro-história: os protagonistas anônimos da História. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

VAINFAS, Ronaldo. História cultural e historiografia brasileira. História: Questões & Debates, Curitiba, n. 50, p. 217-235, jan./jun. 2009. Editora UFPR.

ZAMBELLI, Paola. Uno, due, mille Menocchio?. Archivio storico italiano, CXXXVI, 1979.

ZARDIN, Danilo. ‘La “religione popolare”: interpretazioni storiografiche e ipotesi di ricerca’. In: Memorandum, 1, 2001.

WEINSTEIN, Donald. Journal of Modern History, LXVI, 1994, p. 179.

Publicado
2019-06-30
Visualizações
  • Artigo 287
  • PDF 575
Como Citar
Faria de Assis, A., & de Mattos, Y. (2019). A escrita como patrimônio: O queijo e os vermes, de Carlo Ginzburg e sua influência na historiografia contemporânea. Escritas Do Tempo, 1(1), 49-71. https://doi.org/10.47694/issn.2674-7758.v1.i1.2019.4971