As relações de gênero no início do socialismo chinês: Reflexões a partir dos cartazes de propaganda do I Plano Quinquenal (1953-1957)

Palavras-chave: China. Gênero. Plano quinquenal. Revolução chinesa. Socialismo.

Resumo

Este artigo tem como objetivo elucidar as funções e os usos relacionados às representações de gênero dos cartazes de propaganda chineses do I Plano Quinquenal (1953-7). As fontes estão disponíveis no site http://chineseposters.net/, mantido pela Leiden University. Ele reúne pôsteres da coleção de Stefan Landsberger, professor emérito dessa instituição, e de uma coleção particular anônima. Utilizou-se o método iconológico para a análise imagética e a Análise Crítica do Discurso para o estudo das legendas dos cartazes. Defende-se que o Partido Comunista usou os pôsteres para construir hegemonia na sociedade chinesa acerca das relações de gênero consideradas em acordo com o socialismo, valorizando modelos de mulheres ativas no mundo do trabalho e de casais harmoniosos. Com isso, esses sujeitos não transportariam seus problemas pessoais para a esfera da produção, possibilitando o seu incremento, fator tido como fundamental à transição socialista.

Biografia do Autor

Tatiana Silva Poggi de Figueiredo, Universidade Federal Fluminense (UFF)
Professora de História Contemporânea do Instituto de História (IHT) e do Programa de Pós-Graduação em História (PPGH) da Universidade Federal Fluminense (UFF).

Referências

AARÃO REIS, Daniel. A construção do socialismo na China. São Paulo: Brasiliense, 1982.

BEJA, Flora Botton. La larga marcha hacia la igualdad. Mujer y familia en China. In: FISAC, Taciana (org.). Mujeres en China. Madri: Agencia Española de Cooperación Internacional, 1995.

BELLASSEN, J. et al. Histoire de Chine 4: un nouveau communisme, 1949-1976. De la Libération à la mort de Mao Zedong. Paris: Hatier, 1977.

BURKE, Peter. Testemunha ocular: o uso de imagens como evidência história. São Paulo: Editora Unesp, 2017.

CARDOSO, Ciro Flamarion. Introdução: uma opinião sobre as representações sociais. In: CARDOSO, Ciro Flamarion; MALERBA, Jurandir (orgs.). Representações: Contribuição a um debate transdisciplinar. Campinas: Papirus, 2000.

CHESNEAUX, Jean; LE BARBIER, Françoise. Histoire de la Chine 3: la marche de la révolution, 1921-1949. De la fondation du parti communiste à la Liberation. Paris: Hatier Université, 1975.

DABAT, Christine Rufino. Mulheres no movimento revolucionário chinês (1839- 1949). Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2006. (Livro-texto, v. 3)

FAIRCLOUGH, Norman. Análise crítica do discurso como método em pesquisa social científica. Linha d’Água, São Paulo, v. 2, n. 25, p. 307- 329, 2012.
GRAMSCI, Antonio. Cuaderno 13 (XXX) 1932-1934: notas breves sobre la política de Maquiavelo. In: GERRATANA, Valentino (org.). Cuadernos de la cárcel: Tomo 5. México, D.F.; Puebla: Ediciones Era; Benemérita Universidad de Puebla, 1999.

LANDSBERGER, Stefan. Ascensão e queda do cartaz de propaganda chinês. In: DUO, Duo; LANDSBERGER, Stefan; MIN, Anchee. Chinese propaganda posters: From the collection of Michel Wolf: Köln: Taschen, 2003.

LIMA, Ligia Wey Neves. O ensino de mandarim no Brasil: um estudo comparativo entre os sistemas pinyin e zhuyin fuhao. Dissertação (Mestrado em Linguagem e Educação) – Programa de Pós-Graduação em Linguagem e Educação, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

MANNING, Kimberley Ens. The gendered politics of woman-work: rethinking radicalism in the Great Leap Forward. In: MANNING, Kimberley Ens; WEMHEUER, Felix (Orgs.). Eating bitterness: new perspectives on China’s Great Leap Forward and famine. Vancouver: UBC Press, 2011.

MORAIS, Isabela Nogueira de. Desenvolvimento econômico, distribuição de renda e pobreza na China contemporânea. Tese (Doutorado em Economia) – Programa de PósGraduação em Economia, Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

PANOFSKY, Erwin. Iconografia e iconologia: uma introdução ao estudo da arte da Renascença. In: PANOFSKY, Erwin. Significado nas artes visuais. São Paulo: Perspectiva, 2009.

SAFFIOTI, Heleieth. Rearticulando gênero e classe social. In: BRUSCHINI, Cristina; COSTA, Albertina de Oliveira (orgs.). Uma questão de gênero. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos; São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 1992.

SPENCE, Jonathan. Em busca da China moderna: quatro séculos de história. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.
Publicado
2019-10-31
Como Citar
Parnov, E., & de Figueiredo, T. (2019). As relações de gênero no início do socialismo chinês: Reflexões a partir dos cartazes de propaganda do I Plano Quinquenal (1953-1957). Escritas Do Tempo, 1(2), 25-49. Recuperado de https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/753