A construção da subjetividade de C. G. Jung em “Memórias, Sonhos, Reflexões” (1957)

Palavras-chave: “Memórias, Sonhos, Reflexões”, autobiografia, “Escrita de Si”, C. G. Jung, História da Psicologia.

Resumo

“Memórias, Sonhos Reflexões” é a autobiografia do médico suíço C. G. Jung (1875-1961), neste escrito discorreu sobre sua vida, obra, sentimentos e experiências. O objetivo deste artigo é estudar a subjetividade historicamente construída de Jung narrada por ele mesmo, observando a autobiografia que aponta para um fim acertado, de que as experiências vividas aconteceram como deveriam ter acontecido. Para realizar o estudo, nos serviremos do conceito de “Escrita de Si” de M. Foucault, alegando que a prática da escrita sobre si mesmo - como um exercício subjetivo de organização afetiva -, trouxe benefícios e ressignificações para o médico. As ressignificações feitas por Jung foram produto do que a “Escrita de Si” proporcionou e podem ser visualizadas a partir de uma confluência de temporalidades, nos diferentes interesses, pensamentos ou vocabulários utilizados ora pelo Jung velho, ora pelo Jung novo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alfredo dos Santos Oliva, Universidade Estadual de Londrina
Possui graduação em Teologia (Bacharelado) pelo Seminário Teológico Antônio de Godoy Sobrinho (1991), graduação em História (Licenciatura) pela Universidade Estadual de Londrina (1993), mestrado em Teologia pelo Seminário Teológico Batista do Norte do Brasil (1999), mestrado em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará (2001), doutorado em História pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2005) e pós-doutorado em Ciências da Religião pela Universidade Metodista de São Paulo (2017). É professor adjunto da Universidade Estadual de Londrina desde 2007. Tem experiência de ensino na área de História, com ênfase em Teoria da história e História das religiões, atuando principalmente nos seguintes temas: Teoria da história em diálogo com M. Foucault, J. Butler, M. Bakhtin ou C. G. Jung, Historiografia da cultura do cristianismo primitivo, Sexualidades e relações gênero no cristianismo primitivo, Escrita de si, Cuidado de si e Prática da parrhesia.

Referências

Fontes:

JAFFÉ, Aniela. Introdução. In: JUNG, Carl Gustav. Memórias, sonhos, reflexões. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016. p. 17-24.
JUNG, Carl Gustav. Memórias, sonhos, reflexões. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016.
______. O livro vermelho: liber novus. Petrópolis: Vozes, 2015.
______. Tipos Psicológicos. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1976.
JUNG, Carl Gustav. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. Petrópolis: Vozes, 2000.


Bibliografia:

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: AMADO, Janaína; FERREIRA, Marieta de Moraes (orgs.). Usos e abusos da história Oral. Rio de Janeiro: FGV, 2006. p. 183-191.
CHARTIER, Roger. A aventura do livro: do leitor ao navegador. São Paulo: Editora Unesp, 2002.
DOSSE, François. O desafio biográfico: escrever uma vida. São Paulo: EDUSP, 2015.
EVANS, Richard. I. Entrevistas com Carl G. Jung e as reações de Ernst Jones. Rio de Janeiro: Livraria Eldorado, 1964.
FOUCAULT, Michel. A Escrita de Si. In: MOTTA, Manoel Barros da (Org.). Ditos e escritos: ética, sexualidade, política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004. v. 5. p. 129-160.
NOLL, Richard. O culto de Jung: origens de um movimento carismático. São Paulo: Ática, 1994.
OLIVEIRA, Maria da Glória. Para além de uma ilusão: indivíduo, tempo e narrativa biográfica. In: AVELAR, Alexandre de Sá; SCHMIDT, Benito Bisso (orgs.). O que pode a biografia. São Paulo: Letra e Voz, 2018. p. 59-72.
RAGO, Margareth. Autobiografia, gênero e escrita de si: nos bastidores da pesquisa. In: AVELAR, Alexandre de Sá; SCHMIDT, Benito Bisso (orgs.). O que pode a biografia. São Paulo: Letra e Voz, 2018. p. 205-222.
ROUSSEAU, Jean-Jacques. As confissões. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2018.
Publicado
2020-06-30
Visualizações
  • Artigo 47
  • PDF 56
Como Citar
Salamon, F., & Oliva, A. (2020). A construção da subjetividade de C. G. Jung em “Memórias, Sonhos, Reflexões” (1957). Escritas Do Tempo, 2(4), 302-323. Recuperado de https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1218
Seção
v. 2 n. 4 (2020): Dossiê - Biografias e Trajetórias: vidas por escrito