Entre biografias e trajetórias de pesquisa(dores): memória operária e reflexões de um historiador nativo

Palavras-chave: memória operária, historiadores nativos, biografias, trajetórias, história do trabalho

Resumo

Resumo: O presente artigo busca refletir sobre os dilemas e as potencialidades dos historiadores nativos, especialmente nas pesquisas sobre memória operária. A partir do compartilhamento de experiências de pesquisa, envolvendo biografias e trajetórias próximas de sua convivência em um distrito operário têxtil, o autor aborda sobre desafios, inseguranças e aprendizados acumulados, estimulando o debate sobre novas formas narrativas para a história do trabalho, a partir da atuação de pesquisadores que são oriundos de famílias operárias ou cidades com forte tradição fabril, construindo outras perspectivas e discussões sobre memória e identidade desses trabalhadores.    

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Augusto dos Santos Ribeiro, Universidade Estadual do Piauí (UESPI)
Professor Adjunto da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), atuando nos cursos de Licenciatura Plena em História e de Mestrado Profissional em Ensino de História (PROFHISTÓRIA), ambos sediados no Campus Professor Alexandre Alves de Oliveira, em Parnaíba. Possui Licenciatura em História pela Faculdade de Formação de Professores da UERJ (2006), Mestrado em História Social pela UERJ (2009) e Doutorado em História, Política e Bens Culturais pelo CPDOC/FGV (2015). Realizou estágio de Pós-Doutorado pelo Instituto Multidisciplinar da UFRRJ, com financiamento da FAPERJ (2015-2018). Principais áreas de interesse e atuação: ensino de história, história social, história do Brasil, história contemporânea, história do trabalho (rural e urbano), história global, história local, educação patrimonial, história política, história dos movimentos sociais e história da (i)migração. Integrante do Núcleo de Pesquisa em Cidade, Memória e Patrimônio (NUPECIMP) e do Laboratório de Estudos da História dos Mundos do Trabalho (LEHMT), ambos registrados junto ao CNPq. Membro do Conselho Técnico do Museu da Imigração da Ilha das Flores (MIIF). Atua como Coordenador Acadêmico Local do Mestrado Profissional em Ensino de História (PROFHISTÓRIA) na UESPI e Coordenador Adjunto do Curso de Licenciatura Plena em História da UESPI-Parnaíba.

Referências

Fontes

RODRIGUES, José. Entrevista concedida a Felipe Ribeiro. 04. Ago. 2006.
SANT’ANNA, Irun. Entrevista concedida a Felipe Ribeiro. 06. Abr. 2006.
SANTOS, Hermínio. Entrevista concedida a Joana Figueiredo. 06. Abr. 2008.
CARVALHO, Guilherme. Entrevista concedida a Felipe Ribeiro. 2000.
GUALANDI, Nelly. Entrevista concedida a Juçara Mello. 15. Jan. 2005.
OLIVEIRA, Antônio Maciel de Oliveira. Entrevista concedida a Juçara Mello. 20 Jan. 2005.
SOUZA, Lúcia de. Entrevista concedida a Juçara Mello. 10 Out. 2007.
TEIXEIRA, Nito Lima. Entrevista concedida a Juçara Mello. 05 Jan. 2005.

Bibliografia

AGRA NETO, Plácido. Depoimento em carta remetida a Felipe Ribeiro. Out. 1999.
ALBERTI, Verena. Manual de história oral. Rio de Janeiro: FGV, 2004.
ARCOVERDE, Márcio Romerito da Silva. Lutas operárias num espaço semi-rural: trabalho e conflitos sociais em Moreno-PE. 1946-1964. Dissertação (Mestrado em História Social da Cultura Regional), Recife, UFRPE, 2014.
AVELAR, Alexandre; SCHMIDT, Benito Bisso. Dois historiadores falam sobre biografia e escrita biográfica (Entrevista). Entrevista concedida a Bruno Leal Pastor de Carvalho. In: Café História – história feita com cliques. Disponível em: https://www.cafehistoria.com.br/biografia-e-escrita-biografica/. Publicado em: 21 nov. 2017. Acesso em: 20 abr. 2020.
BITTENCOURT, Circe. Ensino de História: fundamentos e métodos. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2008.
BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: AMADO, Janaína; FERREIRA, Marieta de Moraes. Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: FGV, 2006. p. 183-191.
CASTELLUCCI, Aldrin; SCHMIDT, Benito Bisso. A título de apresentação: biografia e história do trabalho. Mundos do Trabalho. v. 8. n. 15. p. 5-8, jan-jun/2016.
CONCEIÇÃO, Wellington da Silva. “Etnógrafo nativo ou nativo etnógrafo”? Uma (auto)análise sobre a relação entre pesquisador e objeto em contextos de múltiplas pertenças ao campo. Revista de Antropologia da UFSCar. v. 8. n. 1. p. 41-52, jan-jun/2016.
COSTA, Rodolfo Souza. Trabalho e vivência cotidiana no complexo canavieiro na região do Vale do São Lourenço-MT (1972-2012). Dissertação (Mestrado em História), Cuiabá, UFMT, 2017.
DUBY, Georges. Guilherme, o Marechal: o melhor cavaleiro do mundo. Coleção Construir o Passado. Lisboa: Gradiva, 1986.
FIGUEIREDO, Joana Lima. Fábrica Santo Aleixo: Magé, Arte e Patrimônio da Industrialização (1847-1979). Dissertação (Mestrado em Ciência da Arte), Niterói, UFF, 2008.
GOMES, Angela de Castro. Escrita de si, escrita da História. Revista de História da Biblioteca Nacional. a. 1. n. 9. Abr. 2006. p. 98.
HOGGART, Richard. As utilizações da Cultura: aspectos da vida da classe trabalhadora com especiais referências a publicações e divertimentos. Lisboa: Presença, 1973.
IANNI, Otávio. O Colapso do Populismo no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.
JORNAL DO PT [publicação do Movimento Pró Partido dos Trabalhadores/RJ]. a.1. n.2. Mar. 1980.
LEAL NETO, José Pereira. Entrevista em reportagem. In: O DIA. Santo Aleixo é enclave comunista em Magé. 04 Jun. 1989. p.6.
LINHARES, Taiane. Tear [documentário]. 2013. Disponível em . Acesso em: 09 Mar. 2020.
LOPES, José Sérgio Leite. A Tecelagem dos Conflitos de Classe na Cidade das Chaminés. Brasília, DF: Editora UNB; Marco Zero, 1988.
______. Memória e transformação social: trabalhadores de cidades industriais. Mana: Estudos de Antropologia Social. v. 17. n. 3, p. 583-606, dez/2011.
MAC CORD, Marcelo. E. P. Thompson, a historiografia brasileira e a valorização das experiências dos trabalhadores. Trabalho Necessário, a. 12, n. 18, p. 123-144, 2014.
MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Manual de História Oral. São Paulo: Edições Loyola, 1996.
MELLO, Juçara da Silva Barbosa de. Identidade, memória e história em Santo Aleixo: aspectos do cotidiano operário na construção de uma cultura fabril. Curitiba: Prismas/Appris, 2019.
NASCIMENTO, Álvaro Pereira do. Trabalhadores negros e o “paradigma da ausência”: contribuições à História Social do Trabalho no Brasil. Estudos Históricos, v. 29, n. 59, p. 607-626, set-dez/2016.
NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História e do Departamento de História, n. 10, dez/1993.
OLIVEIRA, Guilherme Santos Cabral de. “Na vanguarda do seguro social brasileiro”: estiva, previdência e cidadania nas décadas de 1930 e 1940 (Rio de Janeiro). Dissertação (Mestrado em História), Seropédica, UFRRJ, 2017.
OLIVEIRA, Sônia Maria Gonzaga de. Montanhas de Pano: fábrica e vila operária em Santo Aleixo. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social), Rio de Janeiro, UFRJ, 1992.
PIMENTA, Ricardo Medeiros. Retalhos de Memória: Lembranças de Operários Têxteis Sobre Identidade e Trabalho. Jundiaí: Paco Editorial, 2012.
POLLAK, Michael. Memória, Esquecimento, Silêncio. Estudos Históricos - CPDOC, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.
_____. Memória e identidade social. Estudos Históricos - CPDOC, Rio de Janeiro, v. 5. n. 10, p. 200-212, 1992.
RIBEIRO, Felipe. Operários à tribuna: vereadores comunistas e trabalhadores têxteis de Magé (1951-1964). Dissertação (Mestrado em História Social), São Gonçalo, FFP/UERJ, 2011.
______. A foice, o martelo e outras ferramentas de ação política: os trabalhadores rurais e têxteis de Magé/RJ (1956-1973). Tese (Doutorado em História, Política e Bens Culturais), Rio de Janeiro, CPDOC/FGV, 2015.
______. Memórias da Moscouzinho: os tecelões de Santo Aleixo e a liderança de Astério dos Santos. Jundiaí: Paco Editorial, 2016.
RIMA [Repositório do Instituto Multidisciplinar e Acervo – UFRRJ]. Depoimentos concedidos ao Grupo Centenário (1992). Disponível em . Acesso em: 23 fev. 2020.
SANTOS, Jorge Ferreira dos. Entrevista em reportagem. In: INFORMATIVO COLÉGIO 1º DE MAIO. Moscouzinho do Brasil. mar/1999.
SAVAGE, Mike. Classe e história do trabalho. In: BATALHA, Cláudio Henrique de Moraes; SILVA, Fernando Teixeira da; FORTES, Alexandre (org.). Culturas de classe: identidades e diversidade na formação do operariado. Campinas, SP: UNICAMP, 2004. p.25-48.
______. Espaço, redes e formação de classe. Revista Mundos do Trabalho, v. 3, n. 5, p. 6-33, jan-jun/2011.
SCHMIDT, Benito Bisso. Construindo biografias... Historiadores e jornalistas: aproximações e afastamentos. Estudos Históricos, v. 10. n. 19, p. 3-21, 1997.
SILVA, Leonardo Ângelo da. Industrialização, relações de classe e participação política: da criação da CSN à emancipação de Volta Redonda (1941-1954). Dissertação (Mestrado em História), Seropédica, UFRRJ, 2010.
SOARES, Antônio Carlos Guimarães. Entrevista em reportagem. In: INFORMATIVO COLÉGIO 1º DE MAIO. Moscouzinho do Brasil. mar/1999, p. 5.
TRISTAN, Daniela Rebelo Monte. Trabalhadores da Tecejuta: experiência operária e construção da memória numa fábrica têxtil do Oeste do Pará (Santarém, 1951-1990). Dissertação (Mestrado em História), Manaus, UFAM, 2016.
THOMPSON, E. P. A formação da classe operária inglesa: a maldição de Adão. São Paulo: Paz e Terra, 2012.
WEBER, Florence. Trabalho fora do trabalho: uma etnografia das percepções. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.
WEFFORT, Francisco. Origens do sindicalismo populista no Brasil: a conjuntura do após-guerra. Estudos Cebrap. v. 4, p. 66-105, abr-jun 1973.
WEID, Elisabeth von der; & BASTOS, Ana Marta Rodrigues. O Fio da Meada: Estratégia e Expansão de uma indústria têxtil: Companhia América Fabril 1878/1930. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1986.
VELHO, Gilberto. Observando o familiar. In: NUNES, Edson de Oliveira (org.). A aventura sociológica: objetividade, paixão, improviso e método na pesquisa social. Rio de Janeiro: Zahar, 1978. p. 36-47.
Publicado
2020-06-30
Visualizações
  • Artigo 86
  • PDF 100
Como Citar
Ribeiro, F. (2020). Entre biografias e trajetórias de pesquisa(dores): memória operária e reflexões de um historiador nativo. Escritas Do Tempo, 2(4), 276-301. Recuperado de https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1233
Seção
v. 2 n. 4 (2020): Dossiê - Biografias e Trajetórias: vidas por escrito