A Revolução Cubana: representações generificadas em um livro didático de história

Palavras-chave: representações sociais; Revolução Cubana; ensino de história; livro didático.

Resumo

O artigo é uma análise das representações da Revolução Cubana em um manual didático, utilizado no Campus do IFPR de Telêmaco Borba. Para analisar o manual se observa algumas interpretações da historiografia sobre a Revolução Cubana e textos publicados nos primeiros anos da Revolução, entre 1959 e 1965, os quais são percebidos como precursores nas narrativas que analisam o processo revolucionário. A categoria gênero é central na análise das representações presentes no manual, considerando que são construtores de consciência história, a partir de J. Rüsen. Portanto, a partir de J. Scott, R. Chartier, J. Courtine e R. Connel foi problematizada a representação da Revolução Cubana, presente no manual didático, observando os sujeitos silenciados pela representação e dialogando com o conceito de virilidade.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andrea Mazurok Schactae, Instituto Federal do Paraná/Universidade Estadual de Ponta Grossa
Professora de História do Instituto Federal do Paraná (IFPR); professora do Mestrado Profissional em História, na UEPG; Coordenadora do Grupo de Estudos Cultura, Identidades e Gênero, no IFPR; Coordenadora do NEABI, Campus IFPR Telêmaco Borba. Pesquisa sobre gênero em instituições armadas e Revolução Cubana. 

Referências

ADAO, Rafael; SANTOS, Julio Cesar. A Revolução Cubana em livros didáticos de ensino médio. Revista Labirinto, Porto Velho-RO, Ano XV, Vol. 22, p. 127-143, 2015.
ALDERETE, Matías. Masculinidad revolucionaria: la represión de maricones y la construcción del hombre nuevo en Cuba pos-revolucionaria. X Jornadas de Sociología. Facultad de Ciencias Sociales, Universidad de Buenos Aires, Buenos Aires, 2013.
AUDOIN-ROUZEAU, Stéphane. Exércitos e guerras: uma brecha no coração do modelo viril? CORBIN, Alain; COURTINE, Jean-Jacques; VIGARELLO, Georges. História da Virilidade – A virilidade em crise? Séculos XX-XXI. Petrópolis, RJ: Vozes, p. 239-268, 2013.
AYERBE, Luis Fernando. A Revolução Cubana. São Paulo, UNESP, 2004.
BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.
BONINO, Luis. Masculinidad hegemônica e identidad masculina. Dossiers feministes - Masculinitats: mites, de/construccions y mascarades, n. 67, 2002, p. 07-36.
CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Lisboa: DIFEL, 1990.
CHOMSKY, Aviva. História da Revolução Cubana. São Paulo: Veneta, 2015.
CONNELL, R. W. Políticas da masculinidade. Educação e realidade. V. 20 n.º 2, 2005, p. 185-206.
COURTINE, Jean-Jacques. Impossível virilidade. In: CORBIN, Alain; COURTINE, Jean-Jacques; VIGARELLO, Georges. História da Virilidade – A virilidade em crise? Séculos XX-XXI. Petrópolis, RJ: Vozes, p. 07- 12, 2013.
DEPARTAMENTO DE ORIENTACIÓN REVOLUCIONARIA DEL COMITÉ CENTAL DEL PARTIDO COMUNISTA DE CUBA. Seleccion de discursos – Fidel Castro/Raúl Castro. La Habana, Editora Política: 1978.
ESCALONA RODRÍGUEZ, Norberto. Maianas: nobleza y coraje. La Habana, Cuba: Consejo de Estado, 2018.
FERNANDES, Florestan. Da guerrilha ao socialismo: a Revolução Cubana. São Paulo: Expressão Popular, 2012.
GIRARDET, Raoul. Mitos e Mitologias políticas. Companhia das Letras, SP. 1987.
GRAÑA EIRIZ, Manuel. Clandestinos en prisión. La Habana: Editorial de Ciencias Sociales, 2008.
GUEVARA, Ernesto Che. Una historia de la revolucion cubana, Revista O Cruzeiro, 1959. Disponível em: Web del Centro Estudios “Miguel Enríquez”, CEME, . Acesso em: 05 de janeiro de 2018.
GUEVARA, Ernesto. O socialismo e o homem em Cuba. Semanário Marcha, Montevideo, Março de 1965. Disponível em:. Acesso em: 03 de janeiro de 2018.
LEYVA PAGÁN, Georgina. História de una gesta libertadora 1952-1958. La Habana: Editorial de Ciencias Sociales, 2009.
LOPEZ, Francisca; LOYOLA, Oscar; SILVA, Arnaldo. Cuba y su historia. La Habana; Editorial Felix Varela, 2005.
MOREIRA, R.; SCHACTAE, A.; SOTO, I. Sónõra. Entre guerrilleras, soldados y policias: lo femenino en instituciones armadas de Cuba y de Brasil. In: MARTINS; A.; GUEVARA, M. Políticas de Gênero na América Latina: aproximações, diálogos e desafios, Jundiaí: Paco Editorial, 2015, p. 141-170.
PEREZ ROJAS, Niurka. El movimiento estudantil universitario de 1934 a 1940. La Habana: Editorial de Ciencias Sociales, 1975.
RAMONET, Ignacio. Cien Horas con Fidel. La Habana, Cuba: Oficina de Publicaciones del Consejo de Estado, 2006.
RÉMOND, René. Do político. In: ______ (org.). Por uma história política. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003, p. 441-450.
RÜSEN, Jörn. O livro didático ideal. In: MARTINS, Estêvão; Schmidt, Maria Auxiliadora (Orgs.). Jörn Rüsen e o ensino de história. Curitiba: Ed. da UFPR, 2010, p. 109-127.
RÜSEN, Jörn. Razão histórica. Brasília: Editora UNB, 2001.
SCHACTAE, Andréa. Mulheres Guerreiras: mulheres na guerrilha cubana e a construção da heroína Célia Sanchez. In: MOREIRA, Rosemeri; SCHACTAE, Andréa (org.). Gênero e instituições armadas. Guarapuava, PR: Editora Unicentro, 2016, p. 189-215.
SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise história. Educação e Realidade, n. 20, vol. 2, p.71-99, 1995.
SCOTT, J. W. Prefácio a Gender and Politics of History, Cadernos Pagu, nº 3, 1994, p. 11-27.
SIERRA MADERO, Abel. Del otro lado del espejo. La sexualidad en la construcción de la nación cubana. La Habana: Editorial Casa de las Américas, 2006.
STONER, K. L. Militant heroines and the consecration of the patriarchal state: the glorification of loyalty, combat, and national suicide in the making of Cuban National Identity. In: Cuban Studies, volume 34, 2003, pp. 71-96. Disponível em: . Acesso em: 20 de dez. 2010.
VAINFAS, Ronaldo; FARIA, Sheila de Castro; FERREIRA, Jorge; SANTOS, Georgina dos. História 3. São Paulo: Saraiva, 2013.
VAINFAS, Ronaldo; FARIA, Sheila de Castro; FERREIRA, Jorge; SANTOS, Georgina dos. História 3. São Paulo: Saraiva, 2016.
Publicado
2020-12-17
Visualizações
  • Artigo 59
  • PDF 43
Como Citar
Schactae, A. (2020). A Revolução Cubana: representações generificadas em um livro didático de história. Escritas Do Tempo, 2(6), 74-92. https://doi.org/10.47694/issn.2674-7758.v2.i6.2020.7492
Seção
v.2 n.6 (2020) Dossiê História: ensino, livro didático e formação de professores