“Cá Entre Nós”: Trajetória e Memória de Wanda Sá

Palavras-chave: Wanda Sá, Bossa Nova, Memória, História da Música

Resumo

Este artigo traz parte da história do movimento bossanovista que, desde 1958, tem oscilado entre momentos de destaque e ostracismo. A bossa nova contou com inúmeros artistas que se tornaram conhecidos a nível internacional, como Tom Jobim e João Gilberto. E uma das personagens da história desse movimento musical é Wanda Sá. Nascida na década de 1940, a cantora fez parte da geração que frequentava os primeiros shows do então embrionário movimento bossanovista. O artigo aborda, assim, a trajetória biográfica da artista, o início de sua carreira, gravações, continuidades e rupturas. E remonta essa história por meio de uma entrevista que segue o modelo de história oral com a cantora, além de utilizar jornais, revistas e discos para compor parte do que foi a trajetória dessa artista tão representativa na história da bossa nova. Essas fontes reunidas nos ajudam a ter uma visão mais complexa de aspectos da trajetória biográfica de Wanda Sá.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBERTI, Verena. Manual de história oral. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2013.
ALBIN, Ricardo Cravo. Dicionário Houaiss Ilustrado [da] Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro: Paracatu, 2006.
ALONSO, Gustavo. Quem não tem swing morre com a boca cheia de formiga: Wilson Simonal e os limites de uma memória tropical. Rio de Janeiro: Record, 2011.
AVELAR, Alexandre de Sá. Escrita biográfica, escrita da história: Das possibilidades de sentido. In: AVELAR, Alexandre de Sá; SCHMIDT, Benito Bisso (org.). Grafias de vida: Reflexões e experiências com a escrita biográfica. São Paulo: Letra e Voz, 2012.
BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: FERREIRA, Marieta de Moraes; AMADO, Janaína(org.). Usos e Abusos da história oral. Rio de Janeiro: FGV, 2006.
CABRAL, Sérgio, Nara Leão: Uma Biografia. Rio de Janeiro: Ed. Lazuli, 2008.
CAMPOS, Augusto de. Balanço da bossa: antologia crítica da moderna música brasileira. São Paulo: Editora Perspectiva, 1968.
Cariocas, paulistas e cearenses... Resultado: Wanda Sá. Revista do Rádio. Edição 785. 03 de outubro de 1964a.
CASTRO, Ruy. A volta (e a volta por cima) de Wanda Sá. Jornal O Estado de S. Paulo. 22 de novembro de 1989.
______. No ar mais bossa nova hoje do que nunca. Jornal O Estado de S. Paulo. 20 de janeiro de 2001.
______. Chega de Saudade: a história e as histórias da Bossa Nova. 4ª ed. São Paulo: Compahia das Letras, 2006.
Disco na RR “Vagamente”. Revista do Rádio. Edição 777. Agosto de 1964b.
LE GOFF, Jaques. História e Memória. 7ª ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2013.
MARIA, Julio. Wanda Sá festeja cinco décadas de estrada com CD, DVD e duas apresentações em São Paulo. Jornal O Estado de S. Paulo. 28 de janeiro de 2015.
MÁXIMO, João. Canção entre amigos. Jornal O Globo. 16 de dezembro de 2001.
MENESCAL, Roberto; SÁ, Wanda. Entrevista a Fernando Faro para o programa Ensaio da TV Cultura, em 25 de julho de 1991.
NAPOLITANO, Marcos. A Síncope das Idéias. A Questão da Tradição na Música Popular Brasileira. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2007.
______. Cultura brasileira: utopia e massificação (1950-1980). São Paulo: Contexto, 2008.
NAVES, Santuza Cambraia. Canção popular no Brasil: a canção crítica. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.
NEPOMUCENO, Eric. Edu Lobo: são bonitas as canções - uma biografia musical. Rio de Janeiro: Edições de Jeneiro, 2014.
PENNAFORT, Roberta. Há 54 anos, ela vagava e encantava. Jornal O Estado de S. Paulo. 10 de novembro de 2018.
PEREIRA, Simone Luci. Escutas da Memória: os ouvintes das canções da Bossa Nova (Rio de Janeiro, décadas de 1950 e 1960). Tese (Ciências Sociais). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2002.
POLLAK, Michel. Memória, esquecimento silêncio. Estudos históricos. Rio de Janeiro: CPDOC/FGV, v. 2, n. 3, 1989.
RAGO, Margateth. A aventura de contar-se. São Paulo: UNICAMP, 2013.
Roberto Menescal e Wanda Sá, juntos. Jornal O Globo. 09 de julho de 1989.
ROCHA, Jesus. Wanda Sá quer voltar cantando. Em disco e em show. Jornal O Globo. 03 de Setembro de 1976.
RODRIGUES, Tereza Cristina. Wanda Sá - A volta por cima. Jornal O Globo. 14 de junho de 1979.
ROUSSO, Henry. A memória não é mais o que era. In: FERREIRA, Marieta de Moraes; AMADO, Janaína(org.). Usos e Abusos da história oral. Rio de Janeiro: FGV, 2006.
ROVAI, Marta Gouveia de Oliveira. História Oral e gênero: Memórias sensíveis para um tempo mais humano. In: HERMETO, Miriam; AMATO, Gabriel; DELLAMORE, Carolina (org.). Alteridades em tempos de (in)certeza: escutas sensiveis. São Paulo: Letra e Voz, 2019.
SARAIVA, Daniel Lopes. “Eu e a Música”- A emancipação feminina nas trajetórias de Wanda Sá e Nara Leão. Anais do XXVIII Simpósio Nacional de História. Florianópolis-SC, 2015.
______. Nara Leão: trajetória, engajamento e movimentos musicais. São Paulo: Letra e Voz, 2018.
SÁ. Wanda. Entrevista concedida a Daniel Saraiva, na cidade do Rio de Janeiro, em 21 de agosto de 2014.
SCHWARCZ, Lilian; STARLING, Heloisa. Brasil: Uma Biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.
SCHMIDT, Benito Bisso. Flávio Koutzii: A Biografia de um militante revolucionário- de 1943 a 1984. Porto Alegre: Libretos, 2017.
TINHORÃO, José Ramos. Pequena história da música popular: segundo seus gêneros. São Paulo: Editora 34, 2013.
Wandinha muito Vagamente. Jornal O Globo. 28 de outubro de 1966.

Sites e blogs

Acervo digital Revista do Rádio.
Disponível em:
Acesso em: 08 mar. 2020.

Discográfia Wanda Sá. Disponível em:
Acesso em: 04 mar. 2020

FERREIRA, Mauro. “Livro 'Chega de saudade' chega aos 30 anos como 'bíblia' da bossa nova”. Disponível em: Acesso em: 02 mar. 2020.

Verbete- Beco das Garrafas. Disponível em:: Acesso em: 10 mar. 2020.
Publicado
2020-06-30
Visualizações
  • Artigo 34
  • PDF 43
Como Citar
Saraiva, D. (2020). “Cá Entre Nós”: Trajetória e Memória de Wanda Sá. Escritas Do Tempo, 2(4), 246-275. Recuperado de https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1253
Seção
v. 2 n. 4 (2020): Dossiê - Biografias e Trajetórias: vidas por escrito