Formação de professores de História: implicações a partir da BNCC e da DCN-BNC

Palavras-chave: BNCC; DCN-BNC; Ensino de História; Formação de professores; Desobediência.

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar as implicações da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (DCN-BNC) na formação de professores de História. Realiza pesquisa documental e bibliográfica. Conclui que as recentes reformas operam um reducionismo na formação docente com sérias implicações que não se limitam à sala de aula. Afirma que a formação de professores de história que, no seu fazer, se recusam a ser meros técnicos perseguidores de melhorias mensuráveis nos indicadores de testes sistêmicos implica assunção da responsabilidade ética da desobediência por parte dos docentes dos cursos de licenciatura em história.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renilda Vicenzi, Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS/ Campus Chapecó
Possui graduação em História pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Palmas, especialização em Desenvolvimento e Integração da América Latina - Unicentro, aperfeiçoamento em História pela UPF e em Arqueologia: Processos Interdisciplinares pela URI. Mestrado em História pela Universidade de Passo Fundo. Doutorado em História pela UNISINOS. É professora Adjunta da UFFS - Campus Chapecó. Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Brasil Colônia, Império e Primeira República, atuando principalmente nos seguintes temas: relações de trabalho, escravidão e liberdade, migrações e colonização. 
Bruno Antonio Picoli, Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS/ Campus Chapecó
Professor da Área de Ensino de História no Curso de Licenciatura em História da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Campus Chapecó. Doutor em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) e Mestre em História pela Universidade de Passo Fundo (UPF). Tem interesse em Filosofia da Educação e Filosofia e Teoria do Ensino da História, com ênfase nas discussões sobre Educação e Violência, Educação e Democracia, Temas Sensíveis, Diálogo, Educação para a Paz, Ética da Responsabilidade e Contraeducação.

Referências

ALVAREDO, Facundo; ET ALL. World Inequality Report – 2018. Berlin: World Inequality Lab., 2018.
ANPED. Uma formação formatada. ANPEd, 2019. Disponível em http://www.anped.org.br/sites/default/files/images/posicao_da_anped_sobre_o_texto_referencia_-_diretrizes_curriculares_nacionais_e_base_nacional_comum_para_a_formacao_inicial_e_continuada_de_professores_da_educ.pdf. Acesso em: 22 fev. 2020.
ANPUH. Nota sobre a Segunda Versão da BNCC. 2016. Disponível em https://anpuh.org.br/index.php/2015-01-20-00-01-55/noticias2/diversas/item/3574-nota-sobre-a-segunda-versao-da-bncc. Acesso em: 19 nov. 2019.
ANPUH. [Correspondência]. Destinatário Conselho Nacional de Educação. 2017. Disponível em: https://www.anpuh.org.br/index.php/2015-01-20-00-01-55/noticias2/noticias-destaque/item/4484-carta-da-diretoria-da-associacao-nacional-de-historia-ao-conselho-nacional-de-educacao-cne-reflexoes-e-subsidios-da-anpuh-a-respeito-da-bncc. Acesso em: 22 fev. 2020.
ANTUNES, Marina Ferrreira de Souza. O currículo como materialização do Estado gerencial: a BNCC em questão. Movimento-Revista de Educação, Niterói, v. 6, n. 10, p. 43-64, jan./jun. 2019. DOI: https://doi.org/10.22409/mov.v0i10.517
BALL, Stephen John. Reforma educacional como barbárie social: economismo e o fim da autenticidade. Práxis Educativa, v. 7, n. 1, p. 33-52, jan./jun. 2012. DOI: https://dx.doi.org/10.5212/PraxEduc.v.7i1.0002
BBC BRASIL. ‘Fui agredido em sala de aula’: 3 professores contam histórias de violência, trauma e decepção. 12 ago. 2019. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-49301295. Acesso em 20 mar. 2020.
BIESTA, Gert. Good Education in an Age of Measurement. Educational Assessment, Evaluation and Accountability, v. 21, n. 1. p. 33-46, 2009. DOI: https://doi.org/10.1007/s11092-008-9064-9
BIESTA, Gert. O dever de resistir: sobre escolas, professores e sociedade. Tradução Bruno Antonio Picoli. Educação, Porto Alegre, v. 41, n. 1, p. 21-29, jan./abr. 2018. DOI: https://doi.org/10.15448/1981-2582.2018.1.29749
BIESTA, Gert. Para além da aprendizagem: educação democrática para o futuro humano. Tradução de Rosaura Eichenberg. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.
BITTENCOURT, Circe (Org.). O saber histórico em sala de aula. São Paulo: Contexto, 2004.
BITTENCOURT, Circe. Ensino de história: fundamentos e métodos, São Paulo: Cortez, 2018.
BLOCH, Marc. Apologia da história, ou, o ofício de historiador. Tradução André Telles. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.
BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Brasília: MEC, 2018. Disponível em: https://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em 23 mar. 2020.
BRASIL. Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 248, p. 27833-27841, 23 dez. 1996.
BRASIL. Resolução Nº 2, de 01 de julho de 2015: Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para Formação Inicial e Continuada de Professores da Educação Básica. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=136731-rcp002-15-1&category_slug=dezembro-2019-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 24 mar. 2020.
BRASIL. Resolução Nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2019-pdf/135951-rcp002-19/file. Acesso em 24 mar. 2020.
CAIMI, Flávia Eloisa. Conversa e controvérsias: O ensino de história no Brasil. Passo Fundo: Editora da UPF, 2001.
COUTO NETO, Geraldo Homero do. A “nova direita” no youtube: conservadorismo e negacionismo histórico sobre a ditadura militar brasileira. Revista Ágora, Vitória, n. 29, p. 83-103, 2019.
D'ÁVILA, Cristina. A didática nas Diretrizes Curriculares Nacionais e Base Nacional Comum para a Formação de Professores da Educação Básica: impasses, desafios e resistências. Revista Cocar, Belém, n. 8, p. 86-101, 2020.
GUR-ZE’EV, Ilan. Beyond postmodern feminist Critical Pedagogy: Toward a Diasporic philosophy of conter-education. In: GUR-ZE’EV, Ilan. (org.). Critical theory and critical pedagogy today: toward a new critical language in education. Haifa: Universidade de Haifa, 2005. p. 160-192.
HOBSBAWM, Eric. Sobre história. Tradução Cid Knipel Moreira. São Paulo: Cia das Letras, 2013.
HYPOLITO, Álvaro Moreira. BNCC, agenda global e formação docente. Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 25, p. 187-201, jan./maio 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.22420/rde.v13i25.995
INEP. Relatório do 2º Ciclo de Monitoramento das Metas do Plano Nacional de Educação – 2018. Brasília: INEP, 2018.
MIGUEL, Luis Felipe. Da “doutrinação marxista” à "ideologia de gênero" - Escola Sem Partido e as leis da mordaça no parlamento brasileiro. Direito e Práxis, Rio de Janeiro, v. 7, n. 15, p. 590-621, 2016.
NOWAK, Matthias. Feminicide: A Global Problem. Small Arms Survey Research Notes, 14, 2012.
OCDE. Brazil - Country Note - PISA 2018 Results, 2019. Disponível em: https://www.oecd.org/pisa/publications/PISA2018_CN_BRA.pdf. Acesso em: 20 mai. 2020.
OECD. TALIS 2018 Results (Volume II): Teachers and School Leaders as Valued Professionals, Talis, OECD Publishing, Paris, 2020. Doi: https://doi.org/10.1787/19cf08df-en
OLIVEIRA, José Marcelo Domingos de; MOTT, Luis (org). Mortes violentas de LGBT+ no Brasil – 2019: Relatório do Grupo Gay da Bahia. Salvador: Editora Grupo Gay da Bahia, 2020.
PICOLI, Bruno Antonio. Base Nacional Comum Curricular e o canto da sereia da educação normalizante: a articulação neoliberal-neoconservadora e o dever ético-estético da resistência. Revista de Estudios Teóricos y Epistemológicos en Política Educativa, Ponta Grossa, v. 5, p. 1-23, 2020. Doi: https://doi.org/10.5212/retepe.v.5.15036.007
PIMENTA, Selma; LIMA, Maria Socorro Lucena. Estágio e Docência. São Paulo. Cortez, 2004.
SCHWARCZ, Lilia. Sobre o autoritarismo brasileiro. São Paulo: Cia das Letras, 2019.
SILVA, Maurício. Cotas raciais na universidade brasileira e a ideologia da meritocracia. Educação, Cultura e Sociedade, Sinop, v. 8, n. 1, p. 209-219, jan./jun, 2018.
UOL. Weintraub ameaça tirar mural de Paulo Freire do MEC: 'Fracasso da educação', 7 mai. 2020. Disponível em: https://educacao.uol.com.br/noticias/2020/05/07/weintraub-ameaca-tirar-mural-de-paulo-freire-do-mec-fracasso-da-educacao.htm. Acesso em 8 mai. 2020.
VEJA. Professores mal formados: como contornar esse problema. 8 jan. 2015. Disponível em: https://veja.abril.com.br/educacao/professores-mal-formados-como-contornar-esse-problema/. Acesso em 21 mai. 2020.
ZANOTTO, Marijane; SANDRI, Simone. Avaliação em larga escala e BNCC: estratégias para o gerencialismo na educação. Temas & Matizes, Cascavel, v. 12, n. 23, p. 127-143, jul./dez. 2018.
Publicado
2020-12-17
Visualizações
  • Artigo 217
  • PDF 146
Como Citar
Vicenzi, R., & Picoli, B. (2020). Formação de professores de História: implicações a partir da BNCC e da DCN-BNC. Escritas Do Tempo, 2(6), 93-117. https://doi.org/10.47694/issn.2674-7758.v2.i6.2020.93117
Seção
v.2 n.6 (2020) Dossiê História: ensino, livro didático e formação de professores