O Movimento Negro, o NEABI/UFAL e a implementação do Programa de Políticas de Ações Afirmativas da Universidade Federal de Alagoas (2003-2022)

Palavras-chave: Ações Afirmativas; Movimento Social Negro; Lei de Cotas.

Resumo

A discussão trata de uma reconstituição do itinerário das ações afirmativas na Universidade Federal de Alagoas, ainda no início dos anos 2000, como resultado da ação política e pedagógica do Movimento Negro, dentro e fora do meio acadêmico, para assegurar o acesso aos direitos sociais da população negra ao ensino superior público e seus corolários, e como experiência pioneira, especialmente em se tratando da reserva de vagas por gênero. Para tanto, faz-se uma breve caracterização histórica da construção do Movimento Negro no Brasil, relacionando suas fases e bandeiras de luta. Em seguida relata-se a atuação do Núcleo de Estudos Afrobrasileiros da UFAL e outras entidades do Movimento Negro de Alagoas na aprovação do Programa de Ações Afirmativas (PAAF). Por fim, destacam-se a Lei de Cotas, seus avanços, as preocupações e desafios dessa trajetória.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danilo Luiz Marques, Universidade Federal de Alagoas

Possui Graduação em História pela Universidade Federal de Alagoas - UFAL (2008), Mestrado (2013) e Doutorado (2018) em História Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), com período de estágio sanduíche na Michigan State University (2017), nos Estados Unidos. Tem se dedicado a pesquisar temas tais como História do Brasil no século XIX, Resistência Escrava, Gênero e Escravidão, e História e Historiografia Alagoana. Membro do corpo docente do PPGH-UFAL. Coordenador Geral do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas (NEABI) da UFAL.

Rosa Lúcia Lima da Silva Correia, Universidade Federal de Alagoas

Professora do Curso de Relações Públicas da Universidade Federal de Alagoas. Vice-Coordenadora do Núcleo de Estudos Afrobrasileiros e Indígenas da UFAL. Doutora em Sociologia e Antropologia pela UFPA. Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela UFAL, campus Maceió. Graduada em Comunicação Social com habilitação em Relações Públicas. Tem interesse de pesquisa nas temáticas de Memória, Patrimônio,Território, Conflito Social, Campesinato e Relações Étnico- Raciais.

Referências

ALBERTI, Verena; PEREIRA, Amilcar Araujo (Org.). Histórias do movimento negro no Brasil. Rio de Janeiro: Pallas; CPDOC/FGV, 2007.
ARAÚJO, Zezito. O movimento negro em Alagoas e o NEAB – UFAL. Curso de Extensão Negras Conexões. NEABI/UFAL. 22/08/2020.
ALLEN, Joseph Scott. Zumbi Nunca Vai Morrer – History, race, politics, and the practice of Archaeology in Brazil. Doctor of Philosophy, Departament of Antropology, Brown University, Providence, Rhode Island, Maio de 2001.
AZEVEDO, João (coord.). Universidade Federal de Alagoas: documentário histórico. Maceió: UFAL, 1982.
BARBOSA, Vanda Maria Menezes. Vanda Maria Menezes Barbosa (depoimento, 2005). Rio de Janeiro, CPDOC/Fundação Getulio Vargas (FGV), (2h 35min).
CIPOLA, Ari. FHC reconhece Zumbi como herói. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/folha/almanaque/manchetes_21nov01.shtml. Acesso em 06 de maio de 2004.
DOMINGUES, Petrônio. Movimento Negro Brasileiro: alguns apontamentos históricos. Revista Tempo, n° 23, 2007, pp. 100-122.
FERREIRA, Lígia dos Santos. Narrativas minhas, deles, delas, dels, enfim, nossas: escrevivências da heteroidentificação na Universidade Federal de Alagoas. Revista Ensaios e Pesquisa em Educação e Cultura. 2020. 2 / vol . 5 – n.9, P. 145 – 158.
GOHN, Maria da Glória. Teoria dos movimentos sociais. 2 ed. São Paulo: Loyola, 2000.
GOMES, Nilma Lino. O movimento negro educador. Saberes construídos na luta por emancipação. Petrópolis, RJ: vozes, 2017.
INSTITUTO DO NEGRO DE ALAGOAS. Cotas Raciais na Pós-Graduação da UFAL. 10 de julho de 2013. Disponível em: https://inegalagoas.org/2013/07/10/cotas-raciais-na-pos-graduacao-da-ufal/. Acesso em: 26 jan. 2022.
INSTITUTO DO NEGRO DE ALAGOAS. Comissão Pró-cotas na Pós-Graduação é formada na UFAL. 27 de julho de 2016. Disponível em:https://inegalagoas.org/2016/07/27/comissao-pro-cotas-na-pos-graduacao-e-formada-na-ufal/. Acesso em: 26 jan. 2022
MOURA, Carlos. 20 anos de história. Revista Palmares, Brasília, ano IV, n.4, p.8-15, 2008.
MOVIMENTO NEGRO UNIFICADO – MNU. 1978-1988: 10 anos de luta contra o racismo. São Paulo: Confraria do Livro, 1988.
NASCIMENTO, Abdias do. Revista Thoth, Brasília, n. 3, set/dez 1997.
PEREIRA, Amilcar A. “O mundo negro”: relações raciais e a constituição do movimento negro contemporâneo no Brasil. Rio de Janeiro: Pallas, 2013.
PEREIRA, Amilcar A. “O Mundo Negro”: a constituição do movimento negro contemporâneo no Brasil (1970-1995). (Tese de doutorado) Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense, 2010.
SANTANA, Jusciney Carvalho. Tem preto de jaleco branco? Os primeiros 10 anos de políticas afirmativas no curso de Medicina da UFAL. Maceió: Edufal, 2017.
SANTOS, Irinéia Maria Franco dos. Zezito Araújo. O Movimento Negro em Alagoas: militância e história. Sankofa. Revista de História da África e de Estudos da Diáspora Africana, ano IV, Nº 7, Julho/2011.
SANTOS, Joel Rufino. Memorial Zumbi: conquista do movimento negro. In: NASCIMENTO, Elisa Larkin. Cultura em movimento: matrizes africanas e ativismo negro no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2014.
SANTOS, Joel Rufino dos. “A Luta Organizada Contra o Racismo”. In: BARBOSA, Wilson do Nascimento (org.). Atrás do muro da noite; dinâmica das culturas afro-brasileiras. Brasília. Ministério da Cultura. Fundação Cultural Palmares, 1994.
SERRA, Ordep. Monumentos negros: uma experiência. Afro-Ásia. n.33, 2005.
SILVA, Jeferson da. Cultura negra em Alagoas: uma construção da negritude. (Dissertação de Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2008.
SILVA, Jeferson da. Um movimento negro em Alagoas: a Associação Cultural Zumbi. In: Barros, Rachel R. de Almeida; CAVALCANTI, Bruno César; SUASSUNA, Clara (Orgs.). Kulé-Kulé II: visibilidades negras. Maceió: NEAB/EDUFAL, 2006.
SILVA, Jônatas C. da. Movimento Negro Unificado 1978-1988: 10 anos de luta contra o racismo. Disponível em: http://arquivo.geledes.org.br/areas-de-atuacao/questao-racial/afrobrasileiros-a-suas-lutas/3227-movimento-negro-unificado-1978-1988-10-anos-de-luta-contra-o-racismo-sao-paulo-confraria-do-livro-1988. Acesso em janeiro de 2014.
SOARES, Iraneide da Silva. Caminhos, pegadas e memórias: uma história social do Movimento Negro Brasileiro. Universitas Relações Internacionais, Brasília, v. 14, n. 1, p. 71-87, jan./jun. 2016.
UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS. Portaria nº 1.834, de 18 de dezembro de 2018. Institui a Comissão de Heteroidentificação da UFAL. Disponível em: https://sipac.sig.ufal.br/sipac/VerInformativo?id=10947&imprimir=true. Acesso em: 25 jan. 2022.
UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS. Resolução nº 86/2018 – CONSUNI, de 10 de dezembro de 2018. Regulamenta a implementação de políticas de ações afirmativas (PAA) nos cursos e programas de pós-graduação lato sensu (inclusive as residências) e stricto sensu da UFAL. Secretaria Executiva dos Conselhos Superiores, 10 dez. 2018. Disponível em: https://ufal.br/resolucoes/2018/rco-n-86-de-10-12-2018.pdf. Acesso em: 26 jan. 2022.
UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS. Resolução Nº 33/2003-CONSUNI de 06 de novembro de 2003. Aprova o programa de políticas afirmativas para afro-descendentes no ensino superior na ufal. Disponível em: https://ufal.br/estudante/graduacao/normas/documentos/resolucoes/resolucao_33_2003_consuni. Acesso em 26 de jan.2022.
Publicado
2022-04-30
Visualizações
  • Artigo 86
  • PDF 67
Como Citar
Marques, D., & Lima da Silva Correia, R. (2022). O Movimento Negro, o NEABI/UFAL e a implementação do Programa de Políticas de Ações Afirmativas da Universidade Federal de Alagoas (2003-2022). Escritas Do Tempo, 4(10), 23-45. https://doi.org/10.47694/issn.2674-7758.v4.i10.2022.2345
Seção
v. 4 n. 10 (2022) Dossiê: Os feitos e os efeitos das cotas raciais no Brasil