Os Pretos do Rosário no pós-Abolição: experiências de uma Irmandade negra em Laguna (SC) no final do século XIX

Palavras-chave: História; Irmandades Negras; Pós-Abolição.

Resumo

Neste artigo analisa-se as populações afrodescendentes na cidade de Laguna no Estado de Santa Catarina a partir dos vestígios deixados pela Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos de Laguna.  Objetivamos analisar a Irmandade de Laguna-SC, fundada possivelmente antes de 1828. Não se sabe ao certo o período que esta irmandade encerrou suas atividades, porém, as experiências de seus confrades possibilitaram o surgimento de outras agremiações na cidade, durante a vigência da escravidão e nos anos que se seguiram ao pós-Abolição. Diante das dificuldades em encontrar fontes produzidas pela Irmandade, através dos escassos vestígios, às pistas e aos indícios investigados neste artigo, somaram-se aos esforços para retirar do esquecimento esta confraria e compreender seu modo de atuação. Para alcançar este objetivo, consultamos a bibliografia especializada e os rastros deixados por esta confraria, e identificamos que a Irmandade de Laguna desenvolvia atividades muito semelhantes as suas coirmãs. Acreditamos também que, possivelmente, as práticas organizacionais apreendidas na irmandade abriram caminho para novas formas de sociabilidade e associativismo no pós-Abolição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julio Cesar da Rosa, Professor efetivo na rede estadual de Santa Catarina e municipal de Criciúma

Doutor em História pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS/RS (2021). Mestre em História pela Universidade do Estado de Santa Catarina-UDESC (2011). Membro da Rede de Historiadorxs Negrxs. Filiado a UNEGRO Caxias/MA. Professor efetivo na rede estadual de Santa Catarina e municipal de Criciúma.

Referências

ARAUJO, José de Sousa Azevedo Pizarro e. Memórias históricas do Rio de Janeiro e das províncias anexas à jurisdição do Vice-Rei do Estado do Brasil, dedicadas a El-Rei Nosso Senhor D. João VI. Rio de Janeiro: Na Impressão Regia, 1820-1822.
BOFF, Virginia Ferreira. Educação no pós-abolição: a escolarização de afrodescendentes em Florianópolis/SC (1888 – 1930). 2015. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015.
BOSCHI, Caio César. Os Leigos e o Poder: Irmandades leigas e política colonizadora em Minas Gerais. São Paulo: Ática, 1986.
CARDOSO, Paulino de Jesus Francisco. Negros em Desterro: as experiências das populações de Desterro na segunda metade o século XIX. Itajaí: Casa Aberta, 2008.
CHALHOUB, Sidney. Visões da liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na Corte. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.
COOPER, Frederick; Thomas C. Holt e Rebecca J. Scott. Além da escravidão: investigações sobre raça, trabalho e cidadania em sociedades pós-emancipação. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.
DOMINGUES, Petrônio. “Um desejo infinito de vencer”: o protagonismo negro no pós-Abolição. Revista Topoi, vol. 12, n. 23, jul.-dez. 2011, p. 118-139.
______. Uma história não contada: negro, racismo e branqueamento em São Paulo no pós-abolição. São Paulo: Ed. Senac, 2004.
GINZBURG, Carlo. Mitos, Emblemas e Sinais. São Paulo: Cia. das Letras, 1989.
______. História noturna: decifrando o sabá. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

GUIMARÃES, Antônio Sérgio Alfredo. “Notas sobre raça, cultura e identidade na imprensa negra de São Paulo e Rio de Janeiro, 1925-1950”. Afro-Ásia, Salvador, n. 29/30, 2003, pp. 247-269.
LUCINDO, Willian Robson Soares. A Escravidão em sala de aula: a desvitimização de cativos como humanização das populações de origem Africana. Antíteses, vol. 3, n. 6, jul.-dez. de 2010, p. 879-897.
______. Comemorações, cidadania e festas: o associativismo negro em Piracicaba e Campinas nas três primeiras décadas do século XX. Campinas, SP. Tese (Doutorado em História). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), 2020.
MORTARI, Cláudia. Os homens Pretos de Desterro – um estudo sobre a Irmandade Nossa Senhora do Rosário (1841-1860). Dissertação (Mestrado em História do Brasil) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS). Porto Alegre, 2000.
NOMELINI, Paula Christina Bin. Associações operárias mutualistas e recreativas em Campinas (1906-1930). Dissertação de Mestrado, UNICAMP, Departamento de História: Campinas-SP, 2007.
RASCKE, Karla Leandro. Irmandades Negras: memórias da diáspora no sul do Brasil. Curitiba: Appris, 2016.
_______; MACEDO, Lisandra (org.). Festas da diáspora negra no Brasil: memória, história e cultura. Porto Alegre: Pacartes, 2016.
REGINALDO, Lucilene. Os Rosários dos Angolas: Irmandades de africanos e crioulos na Bahia setecentista. São Paulo: Alameda, 2011.
REIS, Aloísio. Brinca quem pode: territorialidade e (in) visibilidade negra em Laguna Santa Catarina. Florianópolis. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Universidade Federal do Estado de Santa Catarina (UFSC). Florianópolis: UFSC, 1996.
REIS, João José. A morte é uma festa: ritos fúnebres e revolta popular no Brasil no século XIX. São Paulo: Cia das Letras, 1991.
ROSA, Júlio César da. Associativismo negro em Laguna e a construção identitária: irmandade, sociedades musicais e clubes negros (1870 a 1950). Tese (Doutorado em História). Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2021.
______. Associativismo negro em Laguna e a construção identitária: irmandade, sociedades musicais e clubes negros (1870 a 1950). Tese (Doutorado em História). Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2021.
______. Sociabilidades e territorialidade: a construção de sociedades de afrodescendentes no sul de Santa Catarina (1903/1950). Curitiba: CRV, 2019.
SCARANO, Julita. Devoção e Escravidão: a Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos no Distrito Diamantino no século XVIII. 2ª. ed., São Paulo: Ed. Nacional. 1978.
SEBRÃO, Graciane Daniela. Educação dos negros em Santa Catarina: narrativas, expectativas, experiências (1850-1889). 2015. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.
SILVA, Fernanda de Oliveira. As Lutas Políticas Nos Clubes Negros: Culturas negras, racialização e cidadania na fronteira Brasil – Uruguai no Pós-Abolição (1870-1960). Tese de Doutorado, UFRGS, Departamento de História: Porto Alegre, 2017.
SILVA, Fernanda Oliveira da. Os negros, a constituição de espaço para o seus e o entrelaçamento desses espaços: associações e identidades negras em Pelotas (1820-1943). 2011. Dissertação (Mestrado em História) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

SILVA, Joselina. Renascença, lugar de negros no plural: construções identitárias em um clube social de negros do Rio de Janeiro. 2000. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2000.
SILVA, Maria Aparecida Pinto. Visibilidade e respeitabilidade: memória e luta dos negros nas associações culturais e recreativas de São Paulo (1930-1968). Mestrado, São Paulo, PUC, 1997.
SILVEIRA, Janaina Nailde da. Nos bailes da vida: Sociedade Sebastião Lucas: espaço de sociabilidade dos afrodescendentes em Itajaí. 2000. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em História) - Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, 2000.
SIMÃO, Maristela dos Santos. As Irmandades de Nossa Senhora do Rosário e os Africanos no Brasil do século XVIII. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade de Lisboa (UL). Lisboa, 2010.
______. “Lá vem o dia a dia, lá vem a Virge Maria. Agora e na Hora de Nossa Morte” – A Irmandade de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos, em Desterro (1860-1880). Monografia (Graduação em História) – Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis, 2006.
STAKONSKI, Michelle Maria. Da Sacristia ao Consistório: tensões da Romanização no caso da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos – Desterro/Florianópolis (1880-1910). Monografia (Graduação em História) – Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Florianópolis, 2007.
TAVARES, Mauro Dillman. Irmandades Religiosas, Devoção e Ultramontanismo em Porto Alegre no Bispado de Dom Sebastião Dias Laranjeira (1861-1888). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). São Leopoldo, 2007.
VIANA, Larissa. O idioma da mestiçagem: as irmandades de pardos na América Portuguesa. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2007.
XAVIER, Regina Célia Lima. Religiosidade e Escravidão no século XIX: mestre Tito. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2008.
Publicado
2022-04-30
Visualizações
  • Artigo 64
  • PDF 52
Como Citar
Rosa, J. (2022). Os Pretos do Rosário no pós-Abolição: experiências de uma Irmandade negra em Laguna (SC) no final do século XIX. Escritas Do Tempo, 4(10), 123-148. https://doi.org/10.47694/issn.2674-7758.v4.i10.2022.123148