Os museus de memória como um conceito em aberto: política de memória simbólica, reparatória e de justiça

Palavras-chave: Memória Coletiva; Museu de Memória; Política de Memória; Esquecimento Organizado

Resumo

Este trabalho procura compreender os museus de memória nos países do Cone Sul como políticas públicas de memória pelas quais os Estados procuram dar visibilidade e reconhecer as violações aos direitos humanos cometidos em seu recente passado não democrático. Em um primeiro momento, se busca delinear os museus de memória como um conceito em aberto, situando-os em uma perspectiva alargada sobre o que é um museu, sobre o patrimônio como aquilo que não é seguro esquecer, e, assim, estabelecendo-os como políticas públicas hibridas. Em um segundo momento, procura-se situar os museus de memória no Cone Sul, que embora sejam diversos em suas epistemologias e trajetórias, bem como, nas opções de expografia e de como lidar com as relações entre memória e história, entre memória e lugar, em suas similitudes estão, sobretudo, a promoção dos direitos humanos e as denúncias das graves violações cometidas pelo Estado. Assim, os museus de memória no Cone Sul podem ser entendidos como centros de polêmica e de questionamento, de busca por informação, de apoio jurídico, de pesquisa histórica e de conservação e preservação documental. São espaços expositivos, mas, também, culturais e educativos, em que a memória partilhada se opõe a uma realidade de apaziguamento e de compulsão à identidade, são, assim, experiências formativas de contradição e de luta contra o esquecimento organizado. Os museus de memória não são a garantia de que tais acontecimentos não voltem a acontecer, mas um comprometimento com o mundo humano e comum.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giovane Rodrigues Jardim, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS)

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Memória Social e Patrimônio Cultural da Universidade Federal de Pelotas (UFPel); Mestre em Ética e Filosofia Política pela UFPel. Docente do IFRS campus Erechim. 

Referências

ADORNO, T. W. Educação e Emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2006.

ARGENTINA. Decreto Nacional n. 1.133, del 15 de junio de 2015. Boletín Oficial, Buenos Aires, 23 jun. 2015. Disponível em: http://www.saij.gob.ar. Acesso em: 14 jul. 2022.

ARGENTINA. Ley n. 26.415, del 29 de septiembre de 2008. Buenos Aires: Congreso de la Nación Argentina, 2008. Disponível em: https://www.argentina.gob.ar/normativa/

nacional/ley-26415-145271. Acesso em: 14 jul. 2022.

ARGENTINA. Ministerio de Cultura. Decreto nº 379, del 11 marzo de 2015. Buenos Aires, 11 mar. 2015. Disponível em: http://www.museodelamemoria.gob.ar/uploadsarch ivos/dec3792015.pdf. Acesso em: 29 jul. 2022.

BAUER, C. S. Política pública de la memoria. In: VINYES, R. (dir.). Diccionario de la memoria colectiva. Barcelona: Gedisa Editorial, 2018. p. 527-532. E-book.

CENTRO CULTURAL MUSEO DE LA MEMORIA (MUME). Fundamentación y marco conceptual. Montevideo: MUME, 2016. Disponível em: https://mume.montevideo.gub.uy/. Acesso em: 14 jul. 2022.

COMISIÓN NACIONAL DE VERDAD Y RECONCILIACIÓN. Informe de la Comisión Nacional de Verdad y Reconciliación. Santiago, Chile: Comisión Nacional de Verdad y Reconciliación, 1991.

FERNANDES, G. Museu da Memória/Estudio America. ArchDaily, Brasil, 2 nov. 2011.

FUNDACIÓN CELESTINA PÉREZ DE ALMADA. Museo “Memorias: Dictadura y Derechos Humanos”. Proyecto “Conocer para comprender, comprender para construir la cultura de paz”. Paraguay: Fundación Celestina Pérez de Almada, 2005.

GONZÀLEZ, Montserrat Iniesta. Museo. In: VINYES, R. (dir.). Diccionario de la memoria colectiva. Barcelona: Gedisa Editorial, 2018. p. 449-453. E-book.

INTERNACIONAL COUNCIL OF MUSEUMS BRASIL (ICOM BRASIL). Pesquisa ICOM Brasil: nova definição de museu. São Paulo: ICOM BRASIL, 2021. Disponível em: http://www.icom.org.br/wp-content/uploads/2021/02/Apresentacao.pdf. Acesso em: 18 jul. 2022.

JELIN, E; VINYES, R. Cómo será el pasado: Una conversación sobre el giro memorial. Buenos Aires: Ned Ediciones, 2021.

KHAZANOV A. M. Selecting the Past: The Politics of Memory in Moscow's History Museums. City & Society, v. 12, n. 2, p. 35-62, 2000.

MARCUSE, H. O homem unidimensional: estudos da ideologia da sociedade industrial avançada. São Paulo: Edipro, 2015.

MONTEVIDEO. Resolución n. 4.170, del 17 de Octubre de 2006. Montevideo: Intendencia Municipal de Montevideo, 2005. Disponível em: https://montevideo.gub.uy/aplicacion/resoluciones-0. Acesso em: 26 jul. 2022.

MONTEVIDEO. Resolución n. 431, del 1 de febrero de 2007. Montevideo: Intendencia Municipal de Montevideo, 2007. Disponível em: https://montevideo.gub.uy/aplicacion/resoluciones-0. Acesso em: 14 abr. 2022.

MUSEO DE LA MEMORIA Y LOS DERECHOS HUMANOS. Sobre el museo. Santiago, Chile: Museo de la Memoria y los Derechos Humanos, 2022. Disponível em: https://web.museodelamemoria.cl/sobre-el-museo/. Acesso em: 14 abr. 2022.

MUSEO DE LAS MEMORIAS. Señalizan sitio histórico y de conciencia en

Paraguay. Paraguai: 2018, s/d. Disponível em: https://sitiosdememoria.org/pt/ biblioteca/senalizan-sitio-historico-y-de-conciencia-en-paraguay_pt/. Acesso em: 29 jul. 2022.

MUSEO SITIO DE MEMORIA ESMA. La ex ESMA. Buenos Aires: Museo Sitio de Memoria Esma, 2021. Disponível em: http://www.museositioesma.gob.ar/el-museo/la-ex-esma/. Acesso em: 14 jul. 2022.

NARDONI, Viviana. Prólogo. In. ÁGUILA, Gabriela. [et al.]. Territorio ocupado. La historia del Comando del II Cuerpo de Ejército en Rosario (1960-1990). Rosario: Editorial Municipal de Rosario, 2017.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Tradução de Yara Aun Khoury. Projeto História, São Paulo, n.10, p. 12, 1993.

PARAGUAY. Lei n. 2225, del 6 de octubre de 2003. Asunción: Congresso de la Nación Paraguaya, 2003. Disponível em: https://bacn.gov.py/archivos/4891/ley%2022 25.pdf. Acesso em: 14 abr. 2022.

REDE LATINOAMERICANA DE SITIOS DE MEMORIA. Carta de 31 de julio de 2015 ao Sr. Presidente de la República del Paraguay. Disponível em: https://redlatinoamericanadesitiosdememoria.files.wordpress.com/2015/08/carta-a-presidencia-demolicic3b3n-comisarc3ada-tercera.pdf. Acesso em: 29 jul.2022.

ROSARIO. Ordenanza n. 6.506, del 18 de marzo de 1998. Municipalidad de Rosario, 1998. Disponível em: https://www.rosario.gob.ar/normativa/ Acesso em: 14 abr. 2022.

ROSARIO. Ordenanza n. 6.790, del 9 de junio de 1999. Municipalidad de Rosario, 1999. Disponível em: https://www.rosario.gob.ar/normativa/ Acesso em: 14 abr. 2022.

SCHMUCLER, Héctor. La memoria, entre la política y la ética / Héctor Schmucler. Editado por Vanina Papalini; prólogo de Hugo Vezzetti. 1ª edição. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: CLACSO, 2019.

SISTEMA NACIONAL DE INFORMACIÓN CULTURAL DEL PARAGUAY. Museo de las Memorias Paraguay. Asunción: 2020. Disponível em: http://www.sicpy.gov.py/generales/?6870. Acesso em: 28 jul.2022.

SOLÍS DELGADILLO, J. M. Los tiempos de la memoria en las agendas políticas de Argentina y Chile. Buenos Aires: Eudeba, 2015.

SOSA, A. M.; FERREIRA, M. T. M. Memoria musealizada: un estudio sobre los procesos de patrimonialización de memorias traumáticas en Uruguay y Brasil. Revista Eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio, v. 7, n. 1, p. 109-130, 2014.

STERN, S. J. et al. No hay mañana sin ayer: batallas por la memoria histórica en el Cono Sur. Lima: Instituto de Estudios Peruanos, 2016. E-book.

TORRES, Sergio; BRIZZIO, Cecilia. ESMA: la investigación judicial. Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Eudeba, 2021.

VINYES, R. (dir.). Diccionario de la memoria colectiva. Barcelona: Gedisa Editorial, 2018. E-book.

VINYES, R. A memória como uma política pública. Cadernos do NUPPOME, Pelotas, ano 2, p. 4-17, jun. 2020.

Publicado
2022-12-26
Visualizações
  • Artigo 27
  • PDF 22
Como Citar
Jardim, G. (2022). Os museus de memória como um conceito em aberto: política de memória simbólica, reparatória e de justiça. Escritas Do Tempo, 4(12), 109-133. https://doi.org/10.47694/issn.2674-7758. v4.i12.2022.109133