O fascismo como obscurantismo nos jornais 'O Homem Livre' e 'A Manhã': apontamentos para uma história do conceito de antifascismo no Brasil (1933-1935)

Palavras-chave: Fascismo, Antifascismo, História conceitual, Imprensa antifascista, O Homem Livre, A Manhã, Governo Vargas

Resumo

Este artigo tem como objetivo contribuir para a história do conceito de antifascismo no Brasil, centrando o olhar na construção semântica do fascismo que foi feita por duas organizações, a Frente Única Antifascista (1933-1934) e a Aliança Nacional Libertadora (1935). A imprensa ligada a esses grupos cumpriu um papel fundamental não só na divulgação de uma caracterização particular acerca do fascismo, como também se constituiu como espaço de sociabilidade entre intelectuais de tendências políticas diferentes. Através das páginas dos jornais O Homem Livre (1933-1934) e A Manhã (1935), é possível compreender como foi feito o uso de todo um léxico, dispondo de textos escritos, imagens e charges para colocar o perigo fascista como uma ameaça obscurantista e de retrocesso civilizacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giovani Bertolazi Brazil, Universidade Federal de Pelotas

Aluno de Pós-Graduação em História - Mestrado na Universidade Federal de Pelotas. Bacharel e Licenciado em História pela Universidade Federal de Santa Maria. Possui interesse pelas áreas de História Social do Trabalho, História do Movimento Operário e História das Esquerdas

Ana María Sosa González, Universidade Federal de Pelotas

Possui Doutorado (2011) em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Realizou dois Pós-Doutorados no Programa de Pós-Graduação em Memória Social e Patrimônio Cultural da UFPel (Interdisciplinar), um como bolsista do PNPDI/CAPES (dez. 2011 a abril 2016) e um outro estágio pós-doutoral no mesmo Programa como bolsista PNPD/CAPES (maio 2016 a agosto 2016). Atualmente é Professora Visitante Estrangeira no Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Pelotas - UFPel, desenvolvendo o projeto de pesquisa "Memória, identidade e Patrimônio Industrial: Memórias dos lugares de produção de Pelotas e Rio Grande". 

Referências

A ORDEM na Itália fascista. O Homem Livre. São Paulo, 24 jun. 1933, p. 2.

A REVOLUÇÃO nacional avança a passos de gigante. O Homem Livre. São Paulo, 2 jul. 1933, p. 8.

ALTONA. O Homem Livre. São Paulo, 5 nov. 1933, p. 2.

BATALHA, Cláudio. A difusão do marxismo e os socialistas brasileiros na virada do século XIX. In: MORAES, João Quartim de (org.). História do Marxismo no Brasil. Vol. 2. Campinas: Unicamp, 2007. p. 9-41.

BINETTI, Saffo Testoni. Iluminismo. In: BOBBIO, N.; MATTEUCI, N.; PASQUINO, G. (orgs.). Dicionário de Política. Brasília: UNB, 1998. p. 605-611.

BRAZIL, Giovani. Imprensa e organizações antifascistas no Brasil na década de 30: os casos dos jornais O Homem Livre e A Manhã. In: XVI Encontro Estadual de História ANPUH-RS, 2021, On-line. Anais eletrônicos [...]. Porto Alegre: ANPUH-RS, 2022. Disponível em: https://www.eeh2022.anpuh-rs.org.br/site/anais. Acesso em: 21 set. 2022.

CASTRO, Ricardo Figueiredo de. O Homem Livre: um jornal a serviço da liberdade (1933-1934). Cadernos AEL, Campinas, v. 12, n. 22/23, p. 61-76, 2005.

CENTRO DE PESQUISA E DOCUMENTAÇÃO DE HISTÓRIA CONTEMPOR NEA DO BRASIL. União Feminina do Brasil. In: CENTRO DE PESQUISA E DOCUMENTAÇÃO DE HISTÓRIA CONTEMPOR NEA DO BRASIL. Dicionário Histórico-Biográfico Brasileiro. S./l.: S./d. Disponível em: <http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicionarios/verbete-tematico/uniao-feminina-do-brasil> Acesso em: 16 set. 2022.

CIVILIZAÇÃO. O Homem Livre. São Paulo, 17 jul. 1933, p. 2.

CRUZ, Heloisa de Faria; PEIXOTO, Maria do Rosário da Cunha. A oficina do historiador: conversas sobre história e imprensa. Projeto História, São Paulo, v. 35, p. 253-270, ago./dez. 2007. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/revph/issue/view/171. Acesso em 21 jan. 2022.

CONDORCET, J. A. C. Esboço de um quadro histórico dos progressos do espírito humano. Campinas: Unicamp, 2013. Tradução de Carlos Alberto Ribeiro de Moura.

CONTRA a prisão e o supliciamento de Ernst Thälmann. A Manhã. Rio de Janeiro, 8 jul. 1935, p. 1.

CONTRA o fascismo. O Homem Livre. São Paulo, 27 mai. 1933, p. 1.

CORRESPONDÊNCIA de “O Homem Livre”. O Homem Livre. São Paulo, 23 set. 1933, p. 3.

DE LUCA, Tania. O jornal literário Dom Casmurro: nota de pesquisa. Historiae, Rio Grande, v. 2, n. 3, p. 67-81, 2011. Disponível em: https://periodicos.furg.br/hist/issue/view/348. Acesso em 12 dez. 2021.

ENQUANTO se prepara o "raid" de Balbo. O Homem Livre. São Paulo, 17 jun. 1933, p. 2.

EXECUTANDO a sério o seu programa. A Manhã. Rio de Janeiro, 16 jun. 1935, p. 2.

EXPLICANDO ao povo. A Manhã. Rio de Janeiro, 25 set. 1935, p. 3.

FERRERO, Guglielmo. Os últimos bárbaros. A Manhã. Rio de Janeiro, 27 out. 1935, p. 3.

GIUSTIZIA E LIBERTÀ. O fascismo vai se tornando coisa séria. O Homem Livre. São Paulo, 1 ago. 1933, p. 1.

GOLDMAN, Noemi. Lenguaje y revolución. Buenos Aires: Prometeo Libros, 2008.

JASMIN, Marcelo. Prefácio. In: KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto; PUC-Rio, 2006. p. 9-12.

KHAN, Omar. Nietzsche: apollonian versus dionysian. PUTAJ: Humanities and Social Sciences, Peshawar, v. 15, p. 1-9, 2008. Disponível em: https://www.academia.edu/7391327/Dionysian_versus_Apollonian. Acesso em 16 set. 2022.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto; PUC-Rio, 2006. Tradução de Wilma Patrícia Maas e Carlos Almeida Pereira.

KOSELLECK, Reinhart. Introducción al “Diccionario” histórico de conceptos político-sociales básicos en lengua alemana. Anthropos: Huellas del conocimiento, Barcelona, n. 223, p. 91-105, 2009.

MARTINS, Luís Carlos dos Passos. História dos conceitos e conceitos na história: a imprensa como fonte / objeto da história conceitual do político. In: DOMINGOS, C.; BATIESTTELA, A.; ANGELI, D. (org.). Capítulos de história política: fontes, objetos e abordagens. São Leopoldo: Oikos, 2018. p. 53-74.

MOMMSEN, Theodor Ernst. Petrarch on the “Dark Ages”. In: Medieval and Renaissance studies. Ithaca: Cornell University, 1959.

MORAES FILHO, Evaristo de. A proto-história do marxismo no Brasil. In: MORAES, J. Q.; REIS, D. A. (orgs.). História do Marxismo no Brasil. Vol. 1. Campinas: Unicamp, 2007. p. 43-102.

MOURA, Maria Lacerda de. Hitler, o Racismo Alemão e a procriação à distância… A Manhã. Rio de Janeiro, 12 jun. 1935, p. 3.

NIETZSCHE, Friedrich. O nascimento da tragédia. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. Tradução de J. Guinsburg.

NIETZSCHE, Friedrich. Humano, demasiado humano. Vol. 2. São Paulo: Companhia das Letras, 2017. Tradução de Paulo César Lima de Souza.

O MACHADO nazista em ação. O Homem Livre. São Paulo, 14 dez. 1933, p. 4.

O PRESÍDIO político da Ilha dos Porcos. O Homem Livre. São Paulo, n. 21, 3 jan. 1934, p. 3.

REICH, Wilhelm. Psicologia de Massas do Fascismo. São Paulo: Martins Fontes. 2001.

SÃO PAULO sob o mais hediondo terror! A Manhã. Rio de Janeiro, 24 jul. 1935, p. 8.

SE ISTO continua… O Homem Livre. São Paulo, 27 mai. 1933, p. 1.

TODOROV, Tzvetan. O medo dos bárbaros: Para além do choque das civilizações. Petrópolis: Vozes, 2010. Tradução de Guilherme João de Freitas Teixeira.

Publicado
2022-12-26
Visualizações
  • Artigo 33
  • PDF 12
Como Citar
Brazil, G., & González, A. M. (2022). O fascismo como obscurantismo nos jornais ’O Homem Livre’ e ’A Manhã’: apontamentos para uma história do conceito de antifascismo no Brasil (1933-1935). Escritas Do Tempo, 4(12), 80-108. https://doi.org/10.47694/issn.2674-7758. v4.i12.2022.80108